A condição da vítima no documentário: reflexões sobre a memória e a performance da violência

  • Urbano Lemos Jr. Doutorando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM).
  • Vicente Gosciola Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.
Palavras-chave: performance, documentário, violência, memória, testemunho

Resumo

O artigo analisa a ideia de performance atravessada pela noção de representação da violência. O objetivo do artigo é elucidar o espaço do corpo no cinema documentário por meio do estudo da memória da violência performatizada presente nos filmes O Ato de Matar (2012), de Joshua Oppenheimer e S21 - A Máquina da Morte do Khmer Vermelho (2003), do cineasta cambojano Rithy Panh. Em ambos os documentários, a reencenação da tortura é evidenciada através da dimensão performática e por meio do emprego de dispositivos que confrontam os perpertradores da violência com as memórias dos crimes cometidos tanto na Indonésia quanto no Camboja. O artigo se ampara nas noções de performance, encontradas em Schechner (1985) e Taylor (2009) para compreender o “comportamento restaurado” em situações traumáticas. O estudo recorre ainda a Derrida (2001) para o entendimento de arquivos, registros e traumas em situações que culminaram em políticas de sofrimentos. Entende-se que os resultados obtidos nos documentários são confrontados a partir de performances distintas da violência e das relações entre memória e testemunho. Além disso, constata-se que por falta de imagens sobre as torturas as memórias são encenadas, reencenadas ou servem como arquivos vivos de episódios sangrentos nos dois países.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Urbano Lemos Jr., Doutorando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM).

Urbano Lemos Jr é doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Audiovisual da Universidade Anhembi Morumbi, mestre em Educação, pós-graduado em Teorias da Comunicação e graduado em Jornalismo. E-mail: urbano.lemos@hotmail.com.

 

Atualmente desenvolve pesquisa sobre cinema não ficcional, identidade cultural, digitalização de patrimônios imateriais e documentários transmídia.

Vicente Gosciola, Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.
Pós-doutor pela Universidade do Algarve-CIAC, Portugal. Doutor em Comunicação pela PUC-SP. Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.

Referências

BORGES, Cristian. Documentário: problemas de mise en scène e o horror da guerra. Devires, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, jul/dez. 2008, pp. 156-171.
DANTAS, Henrique. A noite escura da Alma. In: Caderno de Cinema, abr. 2015. Disponível em: . Acesso: 10 maio 2018.
DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2001.
LEANDRO, Anita. A história na primeira pessoa: em torno do método de Rithy Panh. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação - E-Compós. Brasília, v. 19, n. 3, set/dez. 2016.
______. Montagem e história: Uma arqueologia das imagens da repressão. In: XXIV Encontro Nacional Compós, Brasília. Compos 2015, pp.1-17.
LIGIÉRO, Zeca (Org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad, 2012.
LINS, Consuelo. O filme-dispositivo no documentário brasileiro contemporâneo. In: Sobre Fazer Documentários. Vários autores. São Paulo: Itaú Cultural, 2007, pp. 44-51.
PANH, Rithy. A palavra filmada: para derrotar o terror. In: Catálogo da mostra O cinema de Rithy Panh. Centro Cultural Banco do Brasil, 2013a, pp. 75-109.
_______. Sou um agrimensor de memórias. In: Catálogo da mostra O cinema de Rithy Panh. Centro Cultural Banco do Brasil, 2013b, pp. 63-73.
RAMOS, Fernão Pessoa. O que é documentário?. Biblioteca On-Line de Ciências da Comunicação, Portugal, 2002.
RICOEUR, Paul. Memória, história, esquecimento. Palestra proferida na Conferência Internacional Haunting Memories? History in Europe after Authoritarianism; Budapeste, Hungria, 2003. Traduzido do inglês pela Universidade de Coimbra. Disponível em: , Acesso: 14 maio 2018.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma – A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Revista Psicologia Clínica. Rio de Janeiro, v. 20, n.1, 2008, pp. 65-82.
SILVA, Mariana Duccini. Um espetáculo da insuportabilidade: a insuficiência do realismo em “O Ato de Matar”. Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação - Intercom. São Paulo: Intercom, 2016.
TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas, Editora UFMG: Belo Horizonte, 2013.
_______. O trauma como performance de longa duração. Tradução Giselle Ruiz. Revista O Percevejo, vol. 1, jan.-jun, 2009, pp. 1-12.
_______. Performance. Buenos Aires: Asunto Impresso, 2012.
Publicado
2018-12-30
Como Citar
LEMOS JR., U.; GOSCIOLA, V. A condição da vítima no documentário: reflexões sobre a memória e a performance da violência. Lumina, v. 12, n. 3, p. 167-185, 30 dez. 2018.