Trivialidade do mal e excepcionalidade do bem nas imagens jornalísticas

Palavras-chave: Jornalismo, Imagem, Arquétipo, Imaginário, Fotojornalismo

Resumo

Notícias negativas ocupam espaço significativo no jornalismo impresso, televisivo e on-line. Muitas são ilustradas por fotografias e vídeos que contribuem para reforçar a negatividade. Diferentes hipóteses nos campos da comunicação, psicologia, sociologia e antropologia buscam explicar o fenômeno da predominância das más notícias. Para contribuir nessa discussão, este artigo desenvolve a análise dos significados potenciais de trinta das mais icônicas imagens veiculadas pelo jornalismo em âmbito global, entre 2001 e 2017, a partir da perspectiva da teoria geral do imaginário e da matriz arquetipológica, desenvolvidas por Gilbert Durand. A análise desenvolvida utiliza o método mitocrítico e a classificação dos regimes de imagens. Os resultados revelam que 80% dessas imagens são associadas a notícias com conotações negativas. As más notícias são ilustradas por imagens predominantemente diurnas, isto é, que materializam uma visão de mundo pautada pela lógica do combate, cisão, purificação e hipóstase das dificuldades existenciais. Destaca-se nesse âmbito a redundância do arquétipo da oposição alto vs. baixo, presente em 80% delas, sendo o aspecto da queda – que junto com a ascensão compõem duas faces do mesmo arquétipo – o mais frequente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvio Antonio Luiz Anaz, Universidade de São Paulo

Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, com pós-doutorado em Meios e Processos Audiovisuais pela Escola de Comunicações e Artes da USP.

Referências

ALMEIDA, Rogério. O processo de criação literária pensado pelo cinema de François Ozon: análise de dois filmes. In: LEÃO, Lucia (org.). Processos do imaginário. São Paulo: Képos, 2016.

BACHELARD, Gastón. O ar e os sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BARROS, Ana T. M. P. Símbolos do inferno: imagens de lugar nenhum e de algum lugar. Discursos fotográficos, v. 9, n. 14, p. 90-122, 2013. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/discursosfotograficos/article/view/13255. Acesso em: 23 jun. 2020.

CNN. The 25 most iconic photographs, 2013, Online. Disponível em: https://edition.cnn.com/2013/09/01/world/gallery/iconic-images/index.html. Acesso em: 23 mar. 2018.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DURAND, Yves. A formulação experimental do imaginário e seus modelos. Revista da Faculdade de Educação, USP, v. 13, n. 2, p. 133-154, 1987.

GÄRDENFORS, Peter. How homo became sapiens: on the evolution of thinking. Nova York: Oxford University Press, 2006.

HARK, Helmut. (org.). Léxico dos conceitos junguianos fundamentais: a partir dos originais de C. G. Jung. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

JUNG, Carl-Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

SILVA, Gislene. Imaginário coletivo: estudos do sensível na teoria do jornalismo. Famecos, v. 17, n. 3, p. 244-252, 2010. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/7382/0. Acesso em: 23 jun. 2020.

TIME. The most influential images of all time. Disponível em: http://100photos.time.com/. Acesso em: 2 mar. 2018.

WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massas. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

WORLD PRESS PHOTO. Collection. Disponível em: https://www.worldpressphoto.org/collection/photo. Acesso em: 9 mar. 2018.

Publicado
2020-12-30
Como Citar
ANAZ, S. A. L. Trivialidade do mal e excepcionalidade do bem nas imagens jornalísticas. Lumina, v. 14, n. 3, p. 149-174, 30 dez. 2020.
Seção
Artigos