Análise cultural-midiática no telejornalismo do Oeste Catarinense: A (re)configuração das identidades regionais

  • Franscesco Flavio da Silva Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó http://orcid.org/0000-0002-0767-1427
  • Flavi Ferreira Lisboa Filho Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: identidade, análise cultural-midiática, telejornalismo

Resumo

Este trabalho busca perceber como dois telejornais do meio dia de Chapecó – Santa Catarina, representam os sujeitos e suas interações da região Oeste do referido Estado em seus textos, contribuindo para (re)configurar uma identidade regional. A incidência da globalização no contexto histórico, político e cultural torna a região uma zona de tensão identitária. Neste sentido, buscamos nos Estudos Culturais suporte teórico e metodológico para realizar uma análise cultural-midiática que desse conta do nosso propósito investigativo. Para uma análise de ordem qualitativa, utilizamos como operador analítico a análise textual (CASETTI e CHIO, 1999), aplicada aos textos produzidos pelos sujeitos dos dois telejornais. Pudemos perceber a diferença das representações entre os telejornais, assim como a forte representação da região a partir de Chapecó e dos chapecoenses, assim como a presença de traços da cultura gaúcha contrastando com a exclusão de certos aspectos culturais de outras regiões do estado de Santa Catarina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franscesco Flavio da Silva, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó
Mestre em Comunicação na Universidade Federal de Santa Maria. Especialista em MBA em Comunicação pelo Centro de Ensino Superior de Chapecó - Uceff Faculdades. Graduado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade de Passo Fundo. Membro do GP Estudos Culturais e Audiovisualidades.
Flavi Ferreira Lisboa Filho, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Ciências da Comunicação, área de processos midiáticos, linha mídias e processos audiovisuais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, do Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Cultural e do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

- A pluralidade cultural de SC e de suas regiões promove a multiculturalidade e também certa tensão histórica em tentar determinar, ou sugerir, uma “identidade catarinense” uníssona (SAYÃO, 2004).
- Foi criada em 1979 a Fundação Catarinense de Cultura - FCC com intuito de gerar estratégias e ações para estimular a promoção da memória e a produção artística catarinense (SAYÃO, 2004).
- Regiões em que os mapas que outrora ordenavam o espaço e davam sentido global aos comportamentos estão agora, como descreve Canclini (1997), se desvanecendo.
- O texto televisivo deve ser visto como um evento que ocorre dentro de um espaço e tempo determinados (CASETTI e CHIO, 1999). Carregado de sentido histórico, geográfico, cultural e social, o texto possui propriedades únicas que condicionam sua existência. Raymond Williams (1979) concebe a televisão como uma tecnologia e uma forma cultural, e o jornalismo como uma instituição social. A concepção de cultura de Williams (1979) para os Estudos Culturais será norteadora neste trabalho, justamente por compreendê-la como todo um modo de vida, presente na sociedade e também nas instituições, como a imprensa.
- Pretendemos promover uma análise cultural-midiática, seguindo o conceito do materialismo cultural de Williams (1979), entendendo os produtos midiáticos como artefatos culturais, não como produtos, mas como ações sociais. A posição do materialismo cultural muda não só o que se olha, o objeto, mas como se olha. Assim, o produto da cultura não é visto como “objeto”, mas como prática social (CEVASCO, 2001).
- Williams (2011), como estudioso da literatura, afirma que cada obra carrega consigo traços das condições em que foi constituída, gerando um sentido próprio, imbuído de elementos culturais de determinado espaço/tempo.
- Para Williams (2011), a noção de cultura se coloca como uma espécie de resposta aos acontecimentos que vivemos e, como um esforço por compreender, interpretar e apreciar as mudanças provocadas na sociedade.
- Segundo o autor, é necessário que esses elementos complexos sejam analisados em sua totalidade social, tanto as trocas gerais como os laços locais (WILLIAMS, 1992)
- Haesbaert (2007) acredita que território e territorialidade devem sempre ser tratados pelas relações de poder exercidas sobre eles, se fazendo necessário distinguir aqueles que o constroem (indivíduos, grupos sociais/culturais, o Estado, empresas, instituições como a Igreja e etc.).
- Muniz Sodré (1988, p.23) traz dois conceitos que dão base a este artigo; território e territorialização, e que comungam com as concepções de Haesbaert (2007), mas sob uma abordagem mais cultural. Para o autor, território é o “[...] lugar marcado de um jogo, que se entende em sentido amplo como a protoforma de qualquer cultura: sistemas de regras de movimentação humana e de um grupo, horizonte de relacionamento com o real”. A territorialização é “a força de apropriação exclusiva de um espaço e que resulta de um ordenamento simbólico, sendo capaz de engendrar regimes de relacionamento, relações de proximidade e distância” (SODRÉ, 1988, p.14-15).
- Ao analisar a questão da formação da identidade nacional, estabelecida e dependente para muitos grupos sociais sob determinados territórios, Hall (2006, p.51) afirma que “[...] as culturas nacionais, ao produzir sentidos sobre nação, constroem identidades”.
- Sodré (1999) estabelece um paralelo sobre a constituição de identidade afirmando que até mesmo o estabelecimento de um idioma em específico para cada uma das nações acaba por contribuir para a formação da identidade de cada uma delas.
- O fator territorial está incluso na lista de matérias-primas que o autor Manuel Castells (1999) acredita contribuir para a constituição da identidade fornecida pela história, geografia, biologia, instituições produtivas e reprodutivas pela memória coletiva e por fantasias pessoais, pelos aparatos de poder e revelações de cunho religioso.
- Castells (1999) afirma que, por si só, ambientes locais não induzem um padrão específico de comportamento ou identidade distinta.
- Na era da sociedade em rede, os sujeitos, se e quando construídos, não são mais formados com base na sociedade civil, que segundo Castells (1999) vem se deteriorando.
- Os autores Casetti e Chio (1999) entendem que a televisão não reproduz a realidade, mas a recria produzindo significados a partir de um sistema de regras que estão direta e indiretamente conectados aos elementos culturais presentes no modo de vida dos sujeitos e de sociedades.
Publicado
2019-12-30
Como Citar
DA SILVA, F. F.; LISBOA FILHO, F. F. Análise cultural-midiática no telejornalismo do Oeste Catarinense: A (re)configuração das identidades regionais. Lumina, v. 13, n. 3, p. 185-199, 30 dez. 2019.