As imagens indisciplinadas do documentário em vídeo: panorama do analógico ao digital

  • Gilberto Alexandre Sobrinho Unicamp
Palavras-chave: documentário, vídeo, identidade

Resumo

O artigo analisa o desenvolvimento do documentário em vídeo e as questões identitárias que surgem, num primeiro momento, na realização de práticas videográficas analógicas, seguindo-se para o estudo das continuidades entre documentário e ativismo, no contexto digital. Nesse movimento, encontram-se estratégias distintas de territorializar a imagem. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto Alexandre Sobrinho, Unicamp
Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação, Pós-Graduação em Multimeios, Insituto de Artes

Referências

BOMFIM, Felipe. Os documentários de Geraldo Sarno (1974-1987): sertão, poesia e religiosidade. Campinas, SP: 2015. Dissertação (Pós-Graduação em Multimeios). IA/UNICAMP.
COSTA, André. Videografias no espaço. Caderno Sesc Videobrasil/SESC-SP, Associação Cultural Videobrasil.Vol. 3, n. 3 (2007). São Paulo: Edições SESC SP, Associação Cultural Videobrasil, 2007.
HAMBURGUER, Esther. Telenovelas e interpretações do Brasil. Lua Nova, São Paulo, 82: 61-86, 2011.
MACHADO, Arlindo. Máquina e imaginário: o desafio das poéticas tecnológicas. São Paulo: Edusp, 1993.
___, Made in Brasil: três décadas do vídeo brasileiro. São Paulo: Itaú Cultural, 2007.
MELLO, Christine. Extremidades do vídeo. São Paulo: SENAC, 2008.
MULVEY, Laura. Death 24x a second: stillness and the moving image. London: Reaktion Books, 2006.
SOBRINHO, Gilberto Alexandre. “Questões de gêneros: vídeos, documentários e mulheres no Brasil”, In: SUPPIA, A. (org.) Gêneros cinematográfico e audiovisuais: perspectivas contemporâneas. Campinas: Margem da Palavra, 2016.
RAMOS (2004) , José Mário Ortiz. Cinema, televisão e publicidade: cultura popular de massa no Brasil nos anos 1970-1980. São Paulo: Annablume, 2004.
RIBEIRO, Ana Paula Goulart, SACRAMENTO, Igor, ROXO, Marcos. História da televisão no Brasil: do ínicio aos dias de hoje. São Paulo: Contexto, 2010.
RUSH, Michael. Novas midias na arte contemporânea. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
SOTOMAIOR, Gabriel de Barcelos. Imagens, imaginários e representações no novo movimento de vídeo popular. Esferas. Ano 4, no 7, Julho a Dezembro de 2015, Disponível em: Acessado em 01 de outubro de 2016.
TABET, Luiz Fernando Lopez. TV anhembi: as experiências participativas de uma TV municipal ao vivo nas ruas de São Paulo. São Paulo: 2006. Dissertação (Mestrado em Comunicação e estética do audiovisual). ECA/USP.
TOLEDO, M. Educação audiovisual popular no Brasil Panorama 1990-2009. São Paulo, 2010. Tese (Doutorado), ECA/USP.
Publicado
2016-12-22
Como Citar
SOBRINHO, G. A. As imagens indisciplinadas do documentário em vídeo: panorama do analógico ao digital. Lumina, v. 10, n. 3, 22 dez. 2016.
Seção
Dossiê TV: Formas Audiovisuais de Ficção e Documentário n.2