Representações no Fluxo Televisivo: a naturalização das “novas tecnologias” no telejornal, na telenovela e na publicidade

  • Nathália dos Santos Silva Mestre pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Elisa Reinhardt Piedras Doutora em Comunicação; Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Palavras-chave: Fluxo Televisivo. Representações. Novas Tecnologias.

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar as representações sobre “novas tecnologias” no fluxo televisivo, considerando o encadeamento entre telejornal, telenovela e publicidade. No âmbito teórico, discutimos a circulação social de representações (MOSCOVICI, 1978[1961]; GOFFMAN,1979; HALL, 1997) na perspectiva analítica do fluxo televisivo (WILLIAMS, 1992[1974]; JENSEN, 1995). Quanto às estratégias metodológicas, o corpus é constituído pelo fluxo de fragmentos da programação do canal que tematizaram o assunto investigado. Inspirados na “análise de curto alcance do fluxo” de Williams (1992) e nas estratégias sugeridas por Jensen (1995), enfatizamos uma abordagem qualitativa mesclada a algumas estratégias quantitativas e adotamos os procedimentos da análise documental. Ao final, elaboramos três categorias referentes à estruturação de representações sobre “novas tecnologias” através do encadeamento de diferentes gêneros televisivos. Com uma ocorrência maior no telejornalismo, na publicidade e, depois, na telenovela, o fluxo representou aparatos, tecnologias de conexão e diferentes plataformas digitais a partir de diferentes ritmos, intensidades e valores associados, contribuindo na naturalização de algumas representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathália dos Santos Silva, Mestre pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

 

Nathália dos Santos Silva é graduada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013).

 

Mestre em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016), pesquisou as “Representações sobre ‘novas tecnologias’ no fluxo publicitário televisivo” e foi bolsista da Capes.

 

Elisa Reinhardt Piedras, Doutora em Comunicação; Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Elisa Reinhardt Piedras é graduada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela Universidade Católica de Pelotas (2002) e em Artes Visuais/Design Gráfico pela Universidade Federal de Pelotas (2003).
Mestre em Comunicação e Informação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005), pesquisando "A articulação da publicidade com o mundo social: a constituição do fluxo publicitário nas práticas de produção e de recepção", foi bolsista da Capes.
Doutora em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2007), desenvolvendo tese sobre "Publicidade, imaginário e consumo: anúncios no cotidiano feminino".
Realizou intercâmbio na Universidad de Extremadura / Espanha na área de Design (2002), com bolsa da AECI; e Estágio de Doutorado no Exterior na Universidade Paris V - Sorbonne (2007), com bolsa da Capes.
Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando no Departamento de Comunicação e na Linha de Pesquisa “Cultura e Significação” do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação.
Pesquisa temas como o processo de comunicação publicitária e sua abordagem sociocultural, estudos de recepção, consumo cultural, consumo e consumidor.
Coordena o Projeto de Pesquisa "Recepção de propaganda de utilidade publica: a produção de sentido sobre as campanhas antitabagismo" e participa dos projetos “Jovem brasileiro e práticas midiáticas em tempo de convergência: Brasil Profundo”(PROCAD/Capes) e “Publicidade, propaganda, alteridade e cidadania: estratégias transmetodológicas de análise da diversidade nos contextos de mudança econômica e social do Brasil e da Espanha” (Capes/DGPU).
É autora do livro “Fluxo publicitário” e de diversos artigos sobre publicidade e recepção midiática publicados em periódicos nacionais.

Referências

BURNETT, Robert; MARSHALL, P. David. Web Theory: an introduction. London: Routledge, 2003.

CARLON, Mario; FECHINE, Yvana. O fim da televisão. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

CRUZ, Fernanda Guimarães. Socialização Midiatizada: o papel da televisão na recepção de adolescents de instituições de acolhimento. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo - RS, 2007.

FLICK, Uwe. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIBBS, Graham. Análise de dados qualitativos.Porto Alegre: Artmed, 2009

GOFFMAN, Erving. Gender Advertisements. New York: Harper Torchbooks, 1979.

GOMES, Itania Maria Mota. Questões de método na análise do telejornalismo: premissas, conceitos, operadores de análise. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação E-Compos, abril de 2007. Disponível em: . Acesso em 11-05-2016.

GRUPO DE MÍDIA SÃO PAULO. Midia dados 2016 e MDi. Grupo de Mídia São Paulo: São Paulo, 2016 Disponível em: . Acesso em 23-08-2016

HALL, Stuart. The Work of Representation. In: HALL, Stuart (org.) Representation: Cultural Representations and Signifying Practices. Sage/Open University: London/Thousand Oaks/New Delhi, 1997a.

______. A Centralidade da cultura: notas sobre revoluções do nosso tempo. In:
Educação e Realidade, 22(2) 15-45 jul./dez. 1997b.

JENSEN, Klaus Bruhn. Reception as Flow: Media Constituents of Social Semiotics. In: The Social Semiotics of Mass Comunication. London: SAGE Publications. 1995

MENDES, Chirley Ferreira. Uma vitrine do Brasil: telenovelas brasileiras entre estudantes africanos. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília –DF, 2012. Disponível em: < http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNB_e02d4e22b475451838cef727bf2c52d1>. Acesso em 20 de ago. 2016.

MOSCO, Vincent. The Digital Sublime: Myth, Power and Cyberspace. Cambridge: MIT Press, 2004.

MOSCOVICI, Serge. As Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro, Zahar, 1978 [1961].

______. Representações Sociais - investigação em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

OBITEL Brasil. Quem somos. [S.I]. Disponível em: . Acesso em 20 de ago. 2016.

OLIVEIRA, Vanessa de. “Quilombo contemporâneo”: o fluxo televisivo mediado pela identidade étnica e movimento social. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Pontifícia Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria- RS, 2008. Disponível em: . Acesso em 24 de ago. 2016.

PIEDRAS, Elisa Reinhardt. Fluxo Publicitário - Anúncios, Produtores e Receptores. Porto Alegre : Sulina, 2009.

PROCTER, James. Stuart Hall. Routledge: New York, 2004.

SOARES, Gustavo Gindre Monteiro. Banda larga: direito humano ou mercadoria? In:
BALBONI, Mariana (Coord.). Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e da comunicação no Brasil 2007. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2008. 2ª ed. Disponível em: . Acesso em 10 out. 2015.

SPIGEL, Lynn. Make room for tv: television and the family ideal in Postwar America. Chicago: University of Chicago Press, 1992.

VEJA. Computador: você ainda vai ter um. São Paulo: Abril, ed. 1282, abr. 1993. Acervo Digital. Disponível em: . Acesso em 18-01-2016.

WILLIAMS, Raymond. Television: technology and cultural form. Hanover, London: Wesleyan University Press, 1992[1974].
Publicado
2017-12-30
Como Citar
SILVA, N. DOS S.; PIEDRAS, E. R. Representações no Fluxo Televisivo: a naturalização das “novas tecnologias” no telejornal, na telenovela e na publicidade. Lumina, v. 11, n. 3, p. 173-192, 30 dez. 2017.
Seção
Artigos