Jornalismo, bases de dados e memória em tempos de convergência: o Dever de informar X o Direito de ser esquecido

  • Edson Dalmonte Universidade Federal da Bahia
  • Wanise Cabral Silva Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: jornalismo, convergência, memória, direito ao esquecimento

Resumo

Discute a formação de arquivos dinâmicos, no contexto do jornalismo contemporâneo, e as questões acarretadas pelo amplo acesso a dados que, em outro contexto, ficariam restritos ao momento de veiculação do conteúdo. Desse modo, com base no chamado Direito ao Esquecimento, aborda o tensionamento entre o direito individual à privacidade em contraste com o direito de informação e imprensa em tempos de convergência midiática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Dalmonte, Universidade Federal da Bahia
Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia.
Wanise Cabral Silva, Universidade Federal Fluminense
Doutora em Direito, professora da Faculdade de Direito, Universidade Federal Fluminense.

Referências

AGOSTINHO, Santo. Confissões. São Paulo: Paulus, 1984.
ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Imprensa Nacional, 2000.
BARBOSA, Suzana. Jornalismo Digital em Base de Dados (JDBD): um paradigma para produtos jornalísticos digitais dinâmicos. 2007. 331.p. Tese (Doutorado em Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. Salvador (BA), 2007.
BARBOSA, Rui. A Imprensa e o Dever da Verdade. São Paulo: Com Arte, Editora da Universidade de São Paulo, 1990 (Os clássicos do jornalismo brasileiro).
CARVALHO, Luis Gustavo Grandinetti Castanho de. Liberdade de Informação e o Direito Difuso à Informação Verdadeira. Rio de Janeiro: Renovar, 1994.
CAUGHT in the web: case histories of people whose digital past haunts them. The Gardian. Disponível em: http://www.theguardian.com/technology/2013/apr/04/webcasehistoriesdigitalpast. 04 de abril de 2013. Acesso em: 03 JUL. 2015.
DALMONTE, Edson F. Pensar o discurso no webjornalismo: temporalidade, paratexto e comunidades de experiência. Salvador: EDUFBA, 2009.
______. Presente: o tempo do jornalismo e seus desdobramentos. História, Franca, v. 29, n. 1, p. 328-344, 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742010000100019&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 10 de Julho de 2015.
ELIAS, Norbert. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed. 1994.
FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 2002.
GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Manual do Consumidor e Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90). Vitória: Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania — SEJUC, 1996.
HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.
HEGEL, Georg Wilheln Fiedrich. Filosofia da história. Brasília: UnB, 2008.
JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. Tradução, Susana Alexandria. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2009.
JENKINS, Henry; FORD, Sam & GREEN, Joshua. Spreadable Media: creating value and meaning in a networked culture. Nova York: New York University Press, 2013.
LAFER, Celso. Ensaios Sobre a Liberdade. São Paulo: Perspectiva, 1980.
LOPES, Vera Maria de Oliveira Nusdeo. O Direito à Informação e as Concessões de Rádio e Televisão. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.
MACHADO, Elias. O jornalismo digital em base de dados. Florianópolis: Calandra, 2006.
MANOVICH, Lev. Software takes command. New York: Continuum Publishing, 2013.
MARX, Karl. Liberdade de Imprensa. Porto Alegre: L&P, 2000.
MORAIS, Christian Escot. Liberdade ameaçada. Revista da Comunicação, Ano 12, número 44, maio de 1996.
PALACIOS, Marcos. Jornalismo online, informação e memória: apontamentos para debate. 2002. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/jol/producao.html. Acesso em 10 de Julho de 2015.
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tomo 1. Campinas, SP: Papirus, 1994.
SCOLARI, Carlos A. Narrativas transmedia: cuando todos los medios cuentan. Planeta: Barcelona, 2013.
SILVA, Wanise Cabral. Liberdade de imprensa x presunção de inocência. Diálogos possíveis, Salvador, ano 4, n. 2, jul.-dez., 2005, p. 137-160. Disponível: http://faculdadesocial.edu.br/dialogospossiveis/artigos/7/11.pdf.
Tribunal de Justiça da União Europeia COMUNICADO DE IMPRENSA n. 70/14 Luxemburgo, 13 de maio de 2014. Acórdão no processo C-131/12 Google Spain SL, Google Inc. / Agencia Española de Protección de Datos, Mario Costeja González. Disponível em: http://curia.europa.eu/juris/document/document_print.jsf?doclang=PT&text=&pageIndex=0&part=1&mode=req&docid=153853&occ=first&dir=&cid=95699.
O direito de se deixado em paz. Noticia STJ, disponível em: http://www.stj.jus.br/sites/STJ/default/pt_BR/noticias/noticias/%C3%9Altimas/O-direito-de-ser-deixado-em-paz.
Notícia Seminário EMERJ, disponível em: http://www.emerj.tjrj.jus.br/paginas/noticias_todas/EMERJ-realiza-seminario-sobre-os-desafios-contemporaneos-da-liberdade-de-expressao.html
Publicado
2016-04-29
Como Citar
DALMONTE, E.; SILVA, W. C. Jornalismo, bases de dados e memória em tempos de convergência: o Dever de informar X o Direito de ser esquecido. Lumina, v. 10, n. 1, 29 abr. 2016.
Seção
Artigos