Do nomadismo ao "ideocídio": o imaginário fenomenológico dos rolezinhos na pós-modernidade

  • Eduardo Portanova Barros Unisinos
  • Ana Taís Martins Portanova Barros Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: imaginário, cotidiano, rolezinhos, pós-modernidade, trágico

Resumo

Este artigo procura situar os rolezinhos - jovens de periferia que se deslocam em grupos aos shoppings - dentro de uma leitura interdisciplinar baseada, primeiro, na ideia de nomadismo desenvolvida por Maffesoli (2001). Também veremos os rolezinhos, filosoficamente falando e nos apoiando em Nietzsche, como uma afronta ao “ideal ascético”, o de uma necessidade de um objetivo. Além disso, traremos uma possível relação entre este panorama dos rolezinhos com a perspectiva daquilo que o antropólogo e cientista político indiano Arjun Appadurai (2009) denomina “ideocídio”: um modo de vida considerado perigoso à ordem das coisas. A metodologia se baseia no caráter fenomenológico (aquilo que se dá a ver) dessa prática e na ideia de uma tradição compreensiva de matriz weberiana, no sentido de superar uma visão objetivista dos fenômenos sociais. Isso quer dizer: sem resolução ou acabamento. Trata-se, em suma, de ultrapassar um dualismo das imagens, ultrapassamento esse que reconhece, por outro lado, a configuração de um choque de antíteses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Portanova Barros, Unisinos
Professor-pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Unisinos (PNPD/CAPES/PPGCS), pós-doutor pela Université de Paris V (Sorbonne) e pela Unisinos (PPGCS). Autor de "Truffaut, o homem que amava o cinema" (Canoas: Ed. da ULBRA, 2013). Pesquisador do Grupo de Estudos sobre Comunicação e Imaginário Imaginalis (CNPq).
Ana Taís Martins Portanova Barros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora do PPGCOM/UFRGS, pós-doutora em Filosofia da Imagem pela Universidade de Lyon III. Líder do Grupo de Pesquisa sobre Comunicação e Imaginário Imaginalis (CNPq).

Referências

APPADURAI, A. O medo ao pequeno número. São Paulo: Iluminuras, 2009.
BARROS, E.P. O cinema de Ruy Guerra: um imaginário autoral na pós-modernidade. Porto Alegre, 2009. Tese (Doutorado em Comunicação Social), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), 2009.
BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
COELHO, T. Dicionário crítico de Políticas Culturais. Cultura e imaginário. São Paulo: Iluminuras, 1997.
COELHO, T. Moderno pós moderno. Modos & versões. São Paulo: Iluminuras, 1995.
DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. Introdução à arquetipologia geral. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
DURAND, G. O imaginário. Ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: Difel, 1998.
DURAND, G. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 2000)
DURAND, G. Mito, símbolo e mitodologia. Lisboa: Editorial Presença, 1981.
DURAND, G. Structures. Éranos I. Paris: Éditions La Table Ronde, 2003.
FREUD, S. Além do princípio de prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1998.
LACAN, J. O seminário. Livro 07: a ética da Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1991.
MAFFESOLI, M. Sobre o nomadismo. Vagabundagens pós-modernas. Rio de Janeiro: Record, 2001.
MAFFESOLI, M. A violência totalitária. Ensaio de antropologia política. Porto Alegre: Sulina, 2001.
MAFFESOLI, M. O tempo das tribos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.
MAFFESOLI, M. Homo eroticus. Des communions émotionnelles. Paris: CNRS, 2012.
MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1991.
NIETZSCHE, F. A origem da tragédia. Lisboa: Guimarães Editores, 2002.
NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos. Como se filosofa com o martelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
NIETZSCHE, F. Genealogia da moral. Uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
NIETZSCHE, F. Aurora. São Paulo: Escala, 2007.
PEREIRA, S.L.; ROCHA, Rose de Melo.; SILVA, J.C. Imaginários de uma outra diáspora: consumo, urbanidade e acontecimentos pós-periféricos. XII COMPÓS, Belém, 2014. Anais. Disponível em www.compos.org.br/biblioteca.php. Consultado em 17/mai/2015.
PITTA, D.R. Introdução à teoria do imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica, 2005.
ROLEZEIROS gastam R$ 1.000 em Mizuno; classe A rejeita itens popularizados. UOL, 3/02/2014. Disponível em http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2014/02/03/rolezeiros-gastam-r-1000-em-mizuno-classe-a-rejeita-itens-popularizados.htm.
SANTOS, M. Por uma outra globalização. Rio de Janeiro: Record, 2001.
SIMMEL, G. Questões fundamentais de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
WEBER, M. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
Publicado
2016-04-29
Como Citar
BARROS, E. P.; BARROS, A. T. M. P. Do nomadismo ao "ideocídio": o imaginário fenomenológico dos rolezinhos na pós-modernidade. Lumina, v. 10, n. 1, 29 abr. 2016.
Seção
Artigos