Abandono afetivo: registros midiáticos da vida privada

Autores

  • Renata Tomaz UFRJ

Palavras-chave:

abandono afetivo, emoções, família afetiva, mídia, paternidade.

Resumo

Este trabalho parte da curiosidade de entender como o termo abandono afetivo, que ganhou certo destaque na mídia com o assassinato do menino Bernardo Boldrini, em abril deste ano, foi enquadrado pela mídia. O objetivo dessa reflexão é apontar condições de possibilidade através das quais se possa compreender a emergência de tal conceito. Além de pensar como sua disseminação midiática colabora para que experiências afetivas privadas circulem cada vez mais no espaço público, de modo a qualificar as demonstrações de afeto, vinculando-as a valores contemporâneos prementes. Para tanto, foram analisadas duas matérias: uma do jornal Zero Hora, que aborda os sinais de abandono afetivo no caso Bernardo Boldrini, e outra do Fantástico, que trata a condenação de um pai, pelo STF, por negligência afetiva. A análise permitiu observar fortes elementos de valorização dos investimentos afetivos na vida dos filhos, especialmente por parte do pai, identificado não só como a figura de autoridade e provisão, mas como um elemento fundamental nos processos de socialização da criança, no interior da chamada cultura terapêutica. A interpretação de que receber atenção, carinho e cuidados diários implica um direito e uma necessidade do filho, dessa forma, chancela uma compreensão que tem sua gênese nesse contexto específico, em que os indivíduos são resultado de um núcleo psicológico que precisa de investimento. Sendo assim, o abandono afetivo se configura mais do que um termo jurídico que circula nos aparatos midiáticos. Ele se constitui, antes, como sinal discursivo de uma dada cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Tomaz, UFRJ

Doutoranda em Comunicação e cultura pela Escola de Comunicação da UFRJ, onde concluiu o mestrado (2011) e a gradução em jornalismo (2004). Possui experiência profissional em jornalismo impresso, eletrônico e digital.

Referências

AFETO no banco dos réus. São Paulo. IstoÉ, 19 mar. 2008. Disponível em: http://www.istoe.com.br/reportagens/1907_AFETO+NO+BANCO+DOS+REUS. Acesso: 30 jun. 2014

BELO HORIZONTE. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social. Dicionário de termos técnicos da assistência social. Belo Horizonte: ASCOM, 2007.

BOEIRA, José Bernardo Ramos. Investigação de paternidade: posse de estado de filho. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1999.

CASTRO, Lucia Rabello de (Ed.). O futuro da infância. Rio de Janeiro: Faperj / 7 Letras, 2013.

CHODOROW, Nancy. The reproduction of mothering: psychoanlysis and the sociology of gender. Berkeley, Los Angeles (CA): University of California Press, 1978.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

CORRÊA, Carlos Pinto. O afeto no tempo. Estudos da Psicanálise. Rio de Janeiro, n. 28, set. 2005, pp. 61-68.

COSTA, José Luís. Especialistas apontam falhas no sistema de proteção à infância no caso Bernardo. Porto Alegre. Zero Hora, 17 abr. 2014. Disponível em: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2014/04/especialistas-apontam-falhas-no-sistema-de-protecao-a-infancia-no-caso-bernardo-4477179.html. Acesso em: 30 jun. 2014.

COSTA, Juraci. Paternidade socioafetiva. Revista Jurídica, v. 13, n. 26, p. 127-140, jul./dez. 2009.

D'AGOSTINO, Rosanne. Denúncias de negligência contra pais superam de violência física e sexual. São Paulo. G1, 24 abr. 2014. Disponível em: http://g1.globo.com/brasil/noticia/2014/04/denuncias-de-negligencia-contra-pais-superam-de-violencia-fisica-e-sexual.html. Acesso em: 30 jun. 2014.

DIAS, Maria Berenice. Manual de direito das famílias. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador Vol. 1 - Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994 [1939].

FACHIN, Luiz Edson. Elementos críticos do direito de família. Rio de Janeiro: Renovar,1990.

FILHA busca na Justiça compensação por falta de amor do pai. Fantástico. Rio de Janeiro: TV Globo, 06 mai. 2012. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=bP_tnKDWwKw. Acesso em: 30 jun. 2014.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREIRE FILHO, João. A comunicação passional dos fãs: expressões de amor e de ódio nas redes sociais. Conferência de abertura. Intercom Sudeste, Bauru-SP, Unesp, 2013. (Comunicação oral).

FÜREDI, Frank. Therapy culture: Cultivating vulnerability in an uncertain age. Psychology Press, 2004.

HUTCHBY, I., MORAN-ELLIS, J. Children and Social Competence: arenas of action. London: Falmer Press, 1998.

LASCH, Christopher. The culture of narcisism: american life in an age of dimishing expectations. New York: W. W. Norton & Company, 1979.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio. Lisboa: Relógio d'água, 1988.

NOGUEIRA, Jaqueline Filgueras. A filiação que se constrói: o reconhecimento do afeto como valor jurídico. São Paulo: Memória Editora, 2001.

NUBLAT, Johanna. Justiça avança em conflitos modernos. São Paulo. Folha de São Paulo, 06 mai. 2012. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/41233-justica-avanca-em-conflitos-modernos.shtml. Acesso em: 30 jun. 2014.

QUEIROZ, Juliane Fernandes. Paternidade: aspectos jurídicos e técnicas de inseminação artificial. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: Correntes e Confluências. In: SARMENTO, Manuel Jacinto, GOUVÊA, Maria Cristina Soares de (orgs.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 17-39.

SCAVONE, Lucila. Dar a vida e cuidar da vida: sobre maternidade e saúde. SCAVONE, Lucila (Ed.). Dar a vida e cuidar da vida: feminismo e ciências sociais. São Paulo: Editora Unesp, 2004, p. 127-139.

SENNETT, Richard. O Declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999 [1974].

SODRÉ, Muniz. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

TREZZI, Humberto. Cotidiano de omissão, carência e frieza culminou no assassinato de Bernardo Boldrini. Porto Alegre. Zero Hora, 19 abr. 2014. Disponível em: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/policia/noticia/2014/04/cotidiano-de-omissoes-carencia-e-frieza-culminou-no-assassinato-de-bernardo-boldrini-4479266.html. Acesso em: 30 jun. 2014.

VAZ, Paulo; SÁ-CARVALHO, Carolina; POMBO, Mariana. Risco e sofrimento evitável: a imagem da polícia no noticiário de crime. São Paulo: e-compós, dez. 2005, 1-22.

ZAKABI, Rosana. Com o seu advogado ou com o meu? São Paulo. Veja, 23 mai. 2007, p. 118.

ZIMERMAN, David E. Vocabulário contemporâneo de psicanálise. Porto Alegre: Artmed, 2008.

______. Etimologia de termos psicanalíticos. Porto Alegre: Artmed, 2012.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

TOMAZ, R. Abandono afetivo: registros midiáticos da vida privada. Lumina, [S. l.], v. 9, n. 1, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21115. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos