O imaginário hodierno em Once Upon a Time: os regimes da imagem feérica na pós-modernidade

Autores

  • Larissa Lauffer Reinhardt Azubel Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Palavras-chave:

Imaginário, Pós-Modernidade, Contos de Fada.

Resumo

O presente artigo pretende realizar uma leitura do hodierno por meio da narrativa feérica seriada de televisão, Once Upon a Time (Era uma vez), considerando sua comunicação em retroalimentação recursiva com o social. Para isso, discutiremos, fundamentalmente, as noções de imaginário, pós-modernidade, imaginação simbólica e regimes das imagens. Buscamos, nesse caminho, referências em autores como Durand, Lyotard e Maffesoli. Por meio do diálogo complexo entre essas noções e pensadores, pretendemos realizar uma análise qualitativa, na perspectiva da Sociologia Compreensiva, pensando nas imagens emblemáticas do primeiro episódio da série, denominado Pilot (Piloto).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Lauffer Reinhardt Azubel, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)

Doutoranda em Comunicação Social pela PUCRS, bolsista CNPq, na linha de Práticas culturais nas mídias, comportamentos e imaginários da sociedade da comunicação. Pesquisa atualmente os contos de fada como tecnologias do imaginário contemporâneo. Mestra em Comunicação Social pela PUCRS (bolsa CNPq), na linha de Práticas profissionais e processos sociopolíticos nas mídias e na comunicação das organizações, tendo pesquisado o jornalismo de revista através da Semiologia barthesiana e da Complexidade moriniana. Possui graduação em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo, pela Universidade Católica de Pelotas (2008). Tem experiência profissional como docente e nas áreas de telejornalismo, assessoria de imprensa, jornalismo impresso e marketing político no rádio. 

Referências

COELHO, Nelly N. O conto de fadas. São Paulo: Ática, 1987.

______. Literatura infantil: Teoria, Análise, Didática. São Paulo:
Moderna, 2000.

CORSO, Diana; CORSO, Mário. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed 2006, p.326.

DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. São Paulo: Cultrix, 1988.

______. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

______. O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem. Rio de Janeiro: Difel, 1998.

ELIADE, Mircea. Imagens e símbolos: ensaio sobre o simbolismo mágico-religioso. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HOROWITZ, Adam; KITSIS, Edward; ABC Studios. [Série-vídeo].Pilot. Produção de Adam Horowitz, Edward Kitsis e ABC Studios. Estados Unidos, 2011. 43 min. color. son.

JORON, Philippe. Heterologia e alteridade social ou a comunicação pela margem. In Contemporânea, Salvador, v.4, n. 1, p. 11-24,jun. 2006. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/contemporanea-poscom/article/view/3484/2541. Acesso em: 20 nov. 2013.

JUNG, Carl Gustav. O eu e o inconsciente. Petrópolis: Vozes, 2011.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

MAFFESOLI, Michel. A contemplação do mundo. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1995.

______. O conhecimento comum: introdução à Sociologia Compreensiva. Porto Alegre: Sulina, 2010.

______. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2012.

TONIN, Juliana; AZUBEL, Larissa. Contos de fada e pós-modernidade: reflexões sobre o oximoro do reencantamento desencantado. In XIII Congreso Internacional Ibercom, Santiago de Compostela. Actas: Divisións Temáticas Ibercom. Santiago de Compostela: 2013, p. 156-165.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

AZUBEL, L. L. R. O imaginário hodierno em Once Upon a Time: os regimes da imagem feérica na pós-modernidade. Lumina, [S. l.], v. 9, n. 1, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21108. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos