A teoria dos dois circuitos da economia urbana e a mídia na contemporaneidade

Autores

  • Paulo Celso Silva Universidade de sorocaba

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2015.v9.21092

Palavras-chave:

Mídia, Dois circuitos da Economia, Milton Santos, Tecnologias, Cidade.

Resumo

A teoria dos dois circuitos da economia foi desenvolvida por Milton Santos, na década de 1970, como uma resposta aos estudos urbanos e econômicos tradicionais que tinham como paradigma a planificação, marcada pela política liberal. Em sendo assim, uma constante instabilidade é indicada visando, não atacar as causas da pobreza e do subdesenvolvimento, mas mostrar as consequências desse processo. Igualmente o circuito inferior, a economia informal, a economia com base familiar e as diversas saídas e formas que a população de baixa renda encontra para resolver seu cotidiano, eram vistas, não em um processo totalizador, mas como anomalias que precisavam ser resolvidas imediatamente. Apenas o circuito superior, dentro da lógica capitalista e cada vez mais internacionalizado era visto como resolvido e dono das ações futuras. Passados 35 anos, e já no processo de Globalização, a teoria dos dois circuitos da economia pode ser pensada e atualizada, tendo em vista as indústrias contemporâneas de mídia e sua relação com o território usado, âmbito dos homens lentos e opacos que se apropriam das tecnologias produzidas no circuito superior e a revivem no inferior. Uma cotidianeidade na qual apps e gadgets, dual SIM e outras tecnologias midiáticas são postos a serviço de novas combinações e usos, além daqueles para os quais foram criados. Essas particularidades das tecnologias e de seus usos trazem formas, também novas, de organizar o espaço, principalmente, urbano. Assim, os circuitos superior e inferior devem ser entendidos em uma relação em que, a síntese, é a própria tecnologia midiática urbana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Celso Silva, Universidade de sorocaba

professor e coordenador do programa de mestrasdo em comunicação e cultura

Referências

CARPIO MARTIN, J. (1996). Las telecomunicaciones y dessarrolo local IN Encontro Internacional O mundo do cidadão um cidadão do mundo. São Paulo, 13 a 16/10/1996, pág. 145-6.
CASTELLS, M. (2009). Comunicación y poder. Madrid/España: Alianza.
CASTELLS, M.; FÉRNANDEZ-ARDÈVOL, M.; QIU, J. L. & SEY, A. (2006). Comunicación Móvil y sociedad. Una perspectiva global. Barcelona/España: Ariel/Fundación Telefonica.
CONCEIÇÃO, F. (1996). O cidadão no espaço da mídia IN O mundo do cidadão. Um cidadão no mundo (Conferências e Mesas Redonda - caderno de Resumos) e anotações pessoais da mesa redonda em 14/10/1996, Departamento de Geografia/USP/São Paulo.
HARVEY, D. (1992). Condição Pós moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo. Edições Loyola, 1992.
HARVEY, D. (2013). Ciudades rebeldes: Del derecho de la ciudad a la revolución urbana /traducción Juan Mari Madariaga. Madrid: Akal.
HULTBRG, L (2008). Women Empowerment in Bangladesh. A Study of the Village Pay Phone Program. Disponível em < http://www.divaportal.org/smash/get/diva2:3836/FULLTEXT01 > Acesso em 13.12.2013.
JAMES, J. (2002) Technology, Globalization and Poverty. UK: Edward Elgar.
LEITE, Carlos F.(2013). Comunicação, mídia e lugar: classes sociais não hegemônicas e articulação social para apropriação das mídias no Brasil. Trabalho apresentado no VII Encontro de Pesquisadores em Comunicação e Cultura da Uniso/ Sorocaba, GT3: Mídias e Práticas Socioculturais, de 4 a 8 de Novembro de 2013.
MATTOS, Adriana (2006). Rico quer carro novo, e pobre, celular e televisão. Jornal Folha de S. Paulo, 31/05/2006. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi3105200630.htm> Acesso em 14.12.2013.
PARDO KUKLINSKI, H. (2013). La obsolescencia se ha convertido en una realidad que no podemos obviar". Disponível em <http://revista.consumer.es/web/es/20130301/entrevista/77057.php > Acesso em 20.11.2013.
SANTOS, M. (1960). Marianne em preto e branco (viagens). Livraria Progresso Editora, Salvador. (2010) Segunda Edição: Salvador: Assembleia Legislativa do Estado da Bahia. (Coleção Ponte da Memória).
SANTOS, M. (1978). O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Francisco Alves.
SANTOS, M. (1982). Pensando o espaço do homem, São Paulo: HUCITEC, (3.ª edição, 1991).
SANTOS, M. (1988). Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: HUCITEC. Edição atual: São Paulo: EDUSP, 2008.
SANTOS, M. (1994). Técnica Espaço Tempo. Globalização e meio técnico científico informacional. São Paulo: HUCITEC. Edição atual: São Paulo: EDUSP, 2008.
SANTOS, M. (1996). A natureza do espaço. Técnica e Tempo Razão e Emoção. São Paulo: HUCITEC. Edição atual: São Paulo: EDUSP, 2008.
SANTOS, M. (2007). Espaço, mundo globalizado, pós-modernidade IN Milton Santos, Encontros. A arte da Entrevista. Organização Maria Angela P. Leite, Rio de Janeiro: Beco do Azougue.
SANTOSA, V. (2000). Um olhar dissonante. A atriz Denise Stoklos encontra o geógrafo Milton Santos para conversar sobre os 500 anos do Brasil e sobre a peça Vozes Dissonantes, destaque do Festival de Curitiba. Folha de S. Paulo, 7 de março.
SASSEN, S. – (Department of Sociology and Co-Chair, Committee on Global Thought Columbia University/EUA). Research on Milton Santos [tradução nossa]. Message to: paulo.silva@prof.uniso.br, 23/09/2013.
SASSEN, S. (2008). Cityness IN Urban Transformation. Ruby Press.
SCALCO, L. M. & PINHEIRO-MACHADO, R. (2011). Os sentidos do real e do falso: o consumo popular em perspectiva etnográfica. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2010, v. 53 n°1.
SEABRA, O.; CARVALHO, M. e LEITE, J. C. (entrevistadores). (2000). Território e Sociedade. Entrevista com Milton Santos. São Paulo: Perseu Abramo.
SILVA, M. A. da. (2002). Milton Santos: A trajetória de um mestre IN El ciudadano, la globalización y la geografía. Homenaje a Milton Santos. Scripta Nova. Revista Eletrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universitat de Barcelona, vol. VI núm. 124, 30 de septiembre de 2002. Disponível em <http:// www.ub.edu/geocrit/sn/sn-124.htm> Acesso em 10.07.2012.
SILVA, M. A. da e SILVA, F. S. da. (2004). Uma leitura de Milton Santos (1948-1964). Revista Geosul, Florianópolis, v. 19, n. 37, p 157-189, jan./jun.
TELECO. Estatísticas de Celulares no Brasil. Disponível em <http://www.teleco.com.br/ncel.asp> Acesso em 01.12.2013.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Como Citar

SILVA, P. C. A teoria dos dois circuitos da economia urbana e a mídia na contemporaneidade. Lumina, [S. l.], v. 9, n. 2, 2015. DOI: 10.34019/1981-4070.2015.v9.21092. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/21092. Acesso em: 19 ago. 2022.