Cultura de simulação, videojogos e educação: uma (nova) caixa de ferramentas para a aprendizagem

Autores

  • Luís Filipe B. Teixeira

DOI:

https://doi.org/10.34019/1981-4070.2013.v7.20912

Palavras-chave:

Ludologia, Novos Médias, Jogabilidade

Resumo

Com este ensaio pretende-se, em linhas gerais, reflectir sobre as potenciais capacidades (aditivas) dos videojogos. Com efeito, mesmo alguns dos auto-rotulados ‘videojogos violentos’ cumprem (ou podem cumprir) o seu papel cognitivo, social, nomeadamente, ao ajudarem a resolver problemas e ao simularem contextos históricos antigos (exemplo dos jogos de estratégia tipo Sid Meier’s Civilization (Microprose, 1991), Rome Total War (Creative Assembly, 2004) ou Portugal 1111 (Ciberbit, 2004)) ou ainda, ao possibilitarem ao jogador movimentar-se num espaço de simulação (quer de fantasia quer de ‘replicação’ do real), fazendo-o aceder a contextos educacionais novos ou melhorados, ou, mesmo, permitindo formas de catarse e/ou de terapias (será o caso, por exemplo, dos jogos utilizados para o tratamento pós-traumático dos ex-combatentes de guerra). Assim sendo, a “experiência ergódica de jogabilidade” e de “mediação”, para além dessa dimensão (aditiva) de violência, em muitos casos, também presente noutros contextos de (outros) médias, também possui essa capacidade geradora (e mesmo motivadora) de (novos e essenciais) conhecimentos/competências em novos contextos de acção. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-03-08

Como Citar

TEIXEIRA, L. F. B. Cultura de simulação, videojogos e educação: uma (nova) caixa de ferramentas para a aprendizagem. Lumina, [S. l.], v. 7, n. 1, 2014. DOI: 10.34019/1981-4070.2013.v7.20912. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/lumina/article/view/20912. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Internacionais