“Cala a boca, Galvão!”: hegemonia, linguagem e filosofia espontânea das massas

  • Eduardo Granja Coutinho UFRJ
Palavras-chave: linguagem, hegemonia, reificação

Resumo

Refletir sobre a linguagem, entendida como um campo de
luta pela hegemonia político-cultural. A partir de uma perspectiva
teórica de inspiração gramsciana, pretende-se mostrar que o
procedimento típico da hegemonia burguesa é a subordinação das
falas populares ao discurso monológico oficial (M. Bakhtin). Mostrase,
em contrapartida, que a organização de uma cultura contrahegemônica
envolve esforço de historização daquilo que se impõe,
ideologicamente, como uma verdade eterna. Nessa perspectiva,
analisa-se um episódio de grande repercussão mundial, envolvendo
um representante emblemático do que se pode chamar de “monopólio
da fala”: o locutor de programas esportivos Galvão Bueno. Busca-se
identificar, na resistência popular a seu discurso, uma fala
carnavalizante que zomba da ordem dominante e das idéias
cristalizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2011-06-13
Como Citar
COUTINHO, E. G. “Cala a boca, Galvão!”: hegemonia, linguagem e filosofia espontânea das massas. Lumina, v. 5, n. 1, 13 jun. 2011.
Seção
Artigos