Call for Papers - Dossiê: Comunicação Política, Eleições 2018 e Campanha Permanente

2019-07-10

 

CHAMADA ENCERRADA

Revista Lumina, v. 13, n. 3 (2019)

Dossiê: Comunicação Política, Eleições 2018 e Campanha Permanente

Editores Convidados:  Dr. Luiz Ademir de Oliveira (UFSJ/UFJF), Dr. Paulo Roberto Figueira Leal (UFJF) e Dra. Vera Chaia (PUC/SP)

As eleições de 2018 (e as consequências políticas e institucionais que dela emergem) constituem um objeto duplamente privilegiado para os pesquisadores de Comunicação Política. Por um lado, apontam para uma nova configuração nas relações entre os campos da comunicação e da política: a emergência das redes sociais digitais como palco privilegiado da campanha de Jair Bolsonaro, que dispunha de exíguo tempo de Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE), sinaliza a constituição de uma ambiência comunicacional distinta daquela que foi hegemônica nas eleições presidenciais brasileiras anteriores. Fenômenos como os da personalização da política, do incremento da polarização ideológica e da lógica de campanha permanente são potencializados neste cenário.

Por outro lado, o processo eleitoral desenvolveu-se num contexto de aprofundamento da crise das instituições representativas tradicionais - e daí emerge a necessidade de reflexão sobre as variáveis comunicacionais que se relacionam com esse processo. É necessário que se discuta que papel foi desempenhado pelas mídias tradicionais e pelas redes sociais na consolidação de uma percepção antipolítica acolhida e disseminada por numerosos segmentos da sociedade. Igualmente, é relevante que se aponte como se articularam comunicacionalmente novas forças políticas não institucionalizadas partidariamente (por exemplo, novos movimentos de direita), bem como se debatam os efeitos eleitorais que decorreram da conversação política travada em aplicativos como o whatsapp, por exemplo.

Questões como essas reforçam a necessidade de se discutir a ambiência comunicacional contemporânea para a compreensão da realidade política. Esta demanda se espraia para além do processo eleitoral e produz uma agenda de reflexão sobre as práticas e políticas comunicacionais dos governos, bem como suas relações com a sociedade e com a imprensa. No nível federal brasileiro, já nos seus primeiros meses, o governo Bolsonaro vem vivenciando os dilemas de compatibilizar a comunicação governamental com os moldes adotados na campa nha eleitoral - com todas as contradições e os efeitos não intencionados que a isso se associam. Como essas práticas comunicacionais afetam a governabilidade? De que modo as variáveis comunicacionais e políticas se articulam neste cenário? As perguntas configuram, portanto, uma possível agenda de pesquisa em Comunicação Política que correlacione o cenário eleitoral e a construção da governabilidade à interface com a sociedade midiatizada que caracteriza a contemporaneidade.

Os artigos enviados podem atender a um ou mais dos tópicos abaixo:

1. A nova ambiência midiática como variável-chave para a compreensão da disputa eleitoral de 2018 e/ou da configuração de padrões de governabilidade
2. Eleições 2018: estratégias e discursos
3. Instituições, Comunicação Governamental e Campanha Permanente
4. Cobertura noticiosa da disputa eleitoral e/ou de governos
5. Relação das mídias massivas com novos dispositivos digitais e suas consequências eleitorais, políticas ou ideológicas
6. A atuação da grande mídia e dos grupos sociais na definição de agendas públicas
7. Conversação política nas redes e (re)configuração de cenário político

Datas Importantes:

·       Deadline para o envio de artigos: 30/09/2019

·       Envio de parecer: até 30/10/2019

·       unnamed.png Dúvidas: revista.lumina@ufjf.edu.br