v. 28 n. 1 (2022): Dossiê: História recente da política externa da América Latina: uma questão de elites?
Seção Livre

A obra de Oliveira de Cadornega na Biblioteca Nacional de Portugal: a história da Angola seiscentista encomendada pelos Marqueses de Alegrete

Priscila Weber
USP

Publicado 2022-07-04

Palavras-chave

  • História Geral das Guerras Angolanas,
  • António de Oliveira de Cadornega,
  • Marqueses de Alegrete,
  • História de Angola,
  • História de Portugal

Como Citar

Weber, Priscila. 2022. “A Obra De Oliveira De Cadornega Na Biblioteca Nacional De Portugal: A história Da Angola Seiscentista Encomendada Pelos Marqueses De Alegrete”. Locus: Revista De História 28 (1):206-28. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2022.v28.34935.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar o manuscrito da obra História Geral das Guerras Angolanas, cuja autoria é atrelada a António de Oliveira de Cadornega, e que compõe o acervo da Biblioteca Nacional de Portugal. Através de características textuais e paleográficas do documento, podemos observar que se trata de uma cópia datada de meados do século XVIII, um século depois da escrita da versão manuscrita a próprio punho por Cadornega, e que hoje encontra-se no acervo da Academia das Ciências de Portugal. Ao contextualizar a feitura desta cópia manuscrita, observamos que ela foi mandada fazer pelos Telles Silva, os Marqueses de Alegrete, com o intuito de assegurar a sua posição nobiliárquica quando de um período de manutenção do espaço ultramarino português. Essa análise importa, pois discute manuscritos amplamente utilizados pela historiografia que trabalha com Angola seiscentista, contribuindo para a construção da história de Angola e de Portugal, bem como de suas conexões atlânticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. Alencastro, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul: séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
  2. Alexandre, Valentim. Velho Brasil, novas Áfricas: Portugal e o Império (1808-1975). Porto: Afrontamento, 2000.
  3. Andrade, Elias Alves de. Aspectos paleográficos em manuscritos dos séculos XVIII e XIX. Revista Filologia Linguística Portuguesa USP, n. 10-11, (2008/2009). https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i10-11p149-172
  4. Berwanger, Ana Regina. Noções de paleografia e diplomática. Santa Maria: Editora UFSM, 2015.
  5. Birgmingan, David. The portuguese conquest of Angola. London: Oxford Univ. Press., 1965.
  6. Boxer, Charles. A “História” de Cadornega no Museu Britânico. Separata da Revista Portuguesa de História. Coimbra: Faculdade de Letras Uni. Coimbra, 1961.
  7. Boxer, Charles. O Império marítimo português. 1415-1825. São Paulo, Companhia das Letras, 2002.
  8. Catroga, Fernando. Ainda será a história mestra da vida? Estudos Ibero-Americanos. PUCRS, Edição Especial, n. 2, (2006): 7-34. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2006.s.1347
  9. Castelo, Cláudia. O modo português de estar no mundo: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto: Afrontamento, 1998.
  10. Castillo, Francisco de Andújar. “Venalidade de ofícios y honores. Metodologia de Investigacion.” Em Stumpf, Roberta e Nandini Chaturvedula, p. 175-198. Cargos e ofícios nas monarquias Ibéricas: provimento, controlo e venalidade (séculos XVII e XVIII). Lisboa, Centro de História do Além-Mar, Universidade de Nova Lisboa, 2012.
  11. Cardim, Pedro. A Casa Real e os órgãos centrais de governo no Portugal da segunda metade dos seiscentos. Tempo, Rio de Janeiro, n. 13, v. 7, jul. (2002): 13-57.
  12. Carvalho, Flávia Maria. O Reino do Ndongo no Contexto da Restauração: Mbundus, Portugueses e Holandeses na África Centro Ocidental, In. Revista de História da África e de Estudos da Diáspora Africana. N. 07, (2011). https://doi.org/10.11606/issn.1983-6023.sank.2011.88793
  13. Cunha, Mafalda Soares. Bragança e a casa ducal: comunicação política e gestão senhorial, séculos XV-XVII. Revista Monumentos 32: Lisboa, (2011).
  14. Demaret, Mathieu Mogo. Portugueses e africanos em Angola no século XVII: problemas de representação e de comunicação a partir da obra História Geral das Guerras Angolanas. Em
  15. Representações de África e dos africanos na História e Cultura – Séculos XV a XXI. Ponta Delgada: Centro de História do Além-mar, Universidade de Nova Lisboa, 2011.
  16. Domínguez Ortiz, Antonio. Valoración social de los hábitos de las órdenes militares. Em Las Órdenes Militares en la Península Ibérica, vol. 2, Cuenca, ed. de La Universidad de Castilla-La-Mancha, 2000.
  17. Fachin, Phablo Roberto. Descaminhos e dificuldade: leitura de manuscritos século XVIII. Goiânia: trilhas Urbanas, 2008.
  18. Gago, Maria Alexandra Trindade da Câmara, Coelho, Teresa Campos. O palácio dos marqueses de Alegrete à Mouraria: do palácio ausente à memória do sítio. Cadernos do Arquivo Municipal. ISSN 2183-3176. 2ª Série Nº 5 (janeiro - junho 2016).
  19. Gil, José. Salazar: A retórica da invisibilidade. Lisboa: Relógio D’água Editores, 1995.
  20. Heintze, Beatrix. Angola nos séculos XVI e XVII: estudos sobre fontes, métodos e história. Luanda: Kilombelombe, 2007.
  21. Henriques, Isabel Castro. O pássaro de mel – Estudos de História Africana. Lisboa: Colibri, 2003.
  22. Hespanha, António Manuel. Poder e instituições na Europa do Antigo Regime. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.
  23. Heywood, Linda. Jinga de Angola. A rainha guerreira da África. São Paulo: Todavia, 2019.
  24. Marques, Silvino. Salazar e a defesa do ultramar. Revista de Estudos Africanos da Universidade do Porto: Porto, n. 7, (1990).
  25. Martins, Oliveira. História de Portugal. Lisboa: Guimarães, 2007.
  26. Miller, Joseph. Poder político e parentesco. Os antigos estados Mbundo em Angola. Luanda: Arquivo Histórico Nacional e Instituto Camões, 2002.
  27. Monteiro, Nuno Gonçalo. O crepúsculo dos grandes: a casa e o património da aristocracia em Portugal: 1750-1832. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2003.
  28. Nascimento, Denise da Silva. O poder negociado: os crimes contra a pessoa e sua honra no reinado de D. João II. Tese de doutorado PPGH-USP, São Paulo, 2009.
  29. Olival, Fernanda. Mercado de hábitos de serviços em Portugal. Revista Análise Social, v. XXXVIII 168, (2003).
  30. Oliveira Marques, H. A. de. História de Portugal – do Renascimento às Revoluções Liberais. Barbacena (PT): Editorial Presença, 1998.
  31. Payen, Pascal. A constituição da história como ciência no século XIX e seus modelos antigos: fim de uma ilusão ou futuro de uma herança? Revista História da historiografia: Ouro Preto, (2011). https://doi.org/10.15848/hh.v0i6.250
  32. Parreira, Adriano. Economia e sociedade em Angola na Época da Rainha Jinga. Lisboa: Editorial Estampa, 1989.
  33. Pereira, José Fernandes. Resistências e aceitação do espaço barroco: a arquitectura religiosa e civil. Em História da Arte em Portugal. Volume 8 - O limiar do Barroco. Lisboa: Publicações Alfa, (1993).
  34. Serrão, Veríssimo. Dicionário de História de Portugal. Porto: Figueirinhas, 1984.
  35. Serrão, Vítor. História de Arte em Portugal, o Barroco. Lisboa: Editorial Presença, 2003.
  36. Smith, Robert. Art of Portugal: 1500-1800. New York: Meredith Press, 1968.
  37. Silva, Alberto da Costa. A manilha e o libambo: a África e a escravidão, de 1500 a 1700. Rio de Janeiro, Nova fronteira, 2002.
  38. Silva, Alberto da Costa e. A enxada e a Lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.
  39. Souza, Marina de Melo. Além do visível. Poder, catolicismo e comércio no Congo e Angola (séculos XVI e XVII). São Paulo: Edusp, 2018.
  40. Souza, Marina de Mello e. Catolicismo e poder no Congo: o papel dos intermediários nativos, séculos XVI a XVIII. Anos 90: Revista do PPGH/UFRGS, v. 21, n 40, Porto Alegre: dez (2014). https://doi.org/10.22456/1983-201X.46181
  41. Souza, Marina de Mello e. Missionários e mestres na construção do catolicismo centro-africano, século XVII. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, ANPUH, São Paulo, 2011.
  42. Souza, Marina de Mello. Reis negros no Brasil escravista – História da Festa de Coroação de rei Congo. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.
  43. Thornton, John. A Resurrection for the Jaga. Cahiers détudes africaines, vol. 18, n°69-70, (1978). https://doi.org/10.3406/cea.1978.2407
  44. Thornton, John. The art of war in Angola, 1575-1680. Em Comparative studies in society and history, v. 30, n. 2, april 1998, Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/S0010417500015231
  45. Thornton. John. A África e os africanos na formação do mundo Atlântico (1400-1800). Rio de Janeiro, Editora Campus/Elsivier, 2004.
  46. Thornton, John. Elite women in the kingdom of Kongo: historical perspectives on women’s political power. Journal of African History, 47 (2006): 437–60. https://doi.org/10.1017/S0021853706001812
  47. Torgal, L. R. Restauração e razão de estado. Em Penélope: fazer e desfazer da história. Lisboa: Cosmos, 1993.
  48. Weber, Priscila Maria. Angola como conceito: uma análise da obra História Geral das Guerras Angolanas de Oliveira de Cadornega (Século XVII). Tese de doutorado em História, PPGH Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2018.
  49. Wheeler, Douglas e René Pélissier. História de Angola. Lisboa: Tinta da China, 2013.