v. 28 n. 1 (2022): Dossiê: História recente da política externa da América Latina: uma questão de elites?
Seção Livre

Liberdade para o capital: intelectuais do IBRE-FGV e as legislações sobre capital estrangeiro no Brasil (1951-1967)

Rafael Brasil
IFRJ

Publicado 2022-07-04

Palavras-chave

  • Modernização-conservadora.,
  • Reformas estatais.,
  • Intelectuais.

Como Citar

Brasil, Rafael. 2022. “Liberdade Para O Capital: Intelectuais Do IBRE-FGV E As legislações Sobre Capital Estrangeiro No Brasil (1951-1967)”. Locus: Revista De História 28 (1):245-70. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2022.v28.33726.

Resumo

Em 1951, uma poderosa agência da sociedade civil surgiu sob o crivo da Fundação Getúlio Vargas: o Instituto Brasileiro de Economia (IBRE), unidade que desde cedo elaborou e
veiculou estratégias para a construção de um consenso em torno da “modernização conservadora” das estruturas capitalistas do país. Diversas esferas da vida social foram
remodeladas após 1964: as relações e direitos trabalhistas, o arcabouço da administração pública, a previdência social, além dos sistemas judiciário, eleitoral, bancário, partidário, tributário e fiscal. No centro desses eventos históricos, a FGV não apenas participou como instituição em alguns momentos, como também forneceu personagens que atuaram vigorosamente no palco e nos bastidores dessa remodelagem estatal. Este artigo investiga as vinculações entre as propostas de intervenção econômica formuladas por intelectuais conectados ao IBRE-FGV e as diretrizes reformadoras implantadas durante o primeiro governo ditatorial pós-64.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. Alves, Maria Helena Moreira. Estado e Oposição no Brasil, 1964-1984. Petrópolis: Vozes, 1984.
  2. Biderman, Ciro, Luís Felipe Cozac, e José Márcio Rego. Conversas com economistas brasileiros. São Paulo: Editora 34, 1996.
  3. Bielschowsky, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: IPEA/INPES, 1988.
  4. Bulhões, Octávio Gouvêa de. “Economia e nacionalismo”. Revista Brasileira de Economia, v. 6, n. 1 (1952): 91-118.
  5. Campos, Fábio. “Estratégias de desenvolvimento nacional: o papel do capital estrangeiro entre o Segundo Governo Vargas e o Governo Castelo Branco (1951-1966)”. Dissertação de Mestrado, Campinas, Universidade Estadual de Campinas, 2003.
  6. Campos, Roberto de Oliveira. A lanterna na popa: memórias. Rio de Janeiro: Topbooks, 1994.
  7. Campos, Roberto de Oliveira. Economia, planejamento e nacionalismo. Rio de Janeiro: APEC, 1963.
  8. Campos, Roberto, e Mário Henrique Simonsen. A nova economia brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1976.
  9. Cardoso, Fernando Henrique. “O modelo político brasileiro”. Em O modelo político brasileiro e outros ensaios, Fernando Henrique Cardoso, 50-82. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1972.
  10. Chacel, Julian. “O Instituto Brasileiro de Economia”. Revista Brasileira de Economia, v. 20, n. 2-3 (1966): 37-46.
  11. Costa, Jorge Gustavo da. Fundação Getúlio Vargas: pioneirismo a serviço do desenvolvimento nacional. Rio de Janeiro: FGV, 1986.
  12. Dreifuss, René Armand. 1964: A conquista do Estado. Ação Política, Poder e Golpe de Classe. Petrópolis: Vozes, 1981.
  13. Escobar, Arturo. La invención del Tercer Mundo. Construcción y desconstrucción del desarrollo. Caracas: Fundación Editorial El Perro y La Rana, 2007.
  14. Fundação Getúlio Vargas. 20 Anos de Atividades (1944 – 1964). Rio de Janeiro, FGV, 1966.
  15. Fundação Getúlio Vargas. “Ineditorial”. Conjuntura Econômica, v. 17, n. 12 (1963): 98.
  16. Fundação Getúlio Vargas. “Situação cambial e remessa de lucros”. Conjuntura Econômica, n. 1 (1962): 43-53.
  17. Kuperman, Esther. “Tons de chumbo: o papel do Banco Central do Brasil no modelo econômico implantado a partir de 1964”. Em Política econômica nos anos de chumbo, org. Pedro Campos, Rafael Brandão, e Maria Martins, 55-69. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.
  18. Loureiro, Felipe Pereira. “A aprovação da lei de limitação de remessa de lucros no governo Goulart e o empresariado nacional e estrangeiro (1961-1964)”. Revista Brasileira de História, 36, n. 71 (2016): 155-177. https://doi.org/10.1590/1806-93472016v36n71_007
  19. Loureiro, Maria Rita. Os economistas no governo: gestão econômica e democracia. Rio de Janeiro: FGV, 1997.
  20. Mandel, Ernest. O capitalismo tardio. São Paulo: Abril Cultural, 1982.
  21. Mendonça, Sônia Regina de. Estado e economia no Brasil: opções de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Graal, 1986.
  22. Motta, Marly, e Dora Rocha. “O Brasil em números”. Em Memórias do IBRE – Instituto Brasileiro de Economia: depoimentos ao CPDOC, org. Marly Motta e Dora Rocha, 17-25. Rio de Janeiro: FGV, 2008.
  23. Oliveira, Francisco de. A economia da dependência imperfeita. Rio de Janeiro: Graal, 1989.
  24. Penholato, Diego. “José Garrido Torres nas sombras do poder: um economista na construção do projeto de modernização de 1964”. Dissertação de Mestrado, São Paulo, Universidade de São Paulo, 2017.
  25. Simonsen, Mário Henrique. “O Brasil e as multinacionais”. Revista de Administração Pública, v. 10, n. 1 (1976): 161-170.
  26. Skidmore, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo. São Paulo: Paz e Terra, 1988.
  27. Vianna, Sérgio. “A Política Econômica no Segundo Governo Vargas: 1951-1954”. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1987.