v. 26 n. 2 (2020): Dossiê - Patrimônio e Relações Internacionais
Dossiê

Política Externa de Cidades : Estratégia Internacional Modelada e Patrimônio Cultural

Gilberto Marcos Antonio Rodrigues
Universidade Federal do ABC
Publicado September 10, 2020
Palavras-chave
  • Cidades e Patrimônio Cultural,
  • História e Relações Internacionais,
  • Paradiplomacia de cidades,
  • Política Externa de Cidades,
  • Patrimônio Cultural e Relações Internacionais
Como Citar
Rodrigues, Gilberto Marcos Antonio. 2020. “Política Externa De Cidades : Estratégia Internacional Modelada E Patrimônio Cultural”. Locus: Revista De História 26 (2), 78-94. https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/31203.

Resumo

No âmbito da dimensão cultural das relações internacionais de cidades, o patrimônio cultural é um vetor pouco explorado em sua potencialidade e capacidade de promover a inserção internacional local do Brasil. O problema principal que se coloca nesse artigo é: no caso de patrimônios culturais, sejam eles materiais ou imateriais, que não dispõem de valorização ou proteção nacional, como pode a cidade aproveitá-lo como vetor de uma ação internacional? O objetivo do artigo é analisar como o patrimônio cultural pode ser transformado em recurso ativo para uma Estratégia Internacional Modelada (EIM) visando alavancar e apoiar a política externa de uma cidade média ou pequena no Brasil. A hipótese principal a ser explorada é que o patrimônio cultural, embora pouco valorizado no país como recurso ativo de inserção e projeção internacional, pode ser um interessante e efetivo vetor para a uma EIM visando a elaboração de políticas externas de cidades pequenas e médias. Num cenário adverso para a cultura no Brasil, as cidades ganham novo papel como atores internacionais em prol da proteção do patrimônio cultural local.

Referências

  1. Castells, Manuel, e Jordi Borja. “As cidades como atores políticos”. Novos Estudos CEBRAP, n. 45
  2. (1996): 152-166.
  3. CGLU. 2020. “Agenda 2030”. https://www.cglu.org/es/search/node/agenda%202030.
  4. Christofoletti, Rodrigo, org. Bens Culturais e Relações Internacionais: O Patrimônio como Espelho do Soft Power. Santos: Editora Universitária Leopoldinaum, 2017.
  5. CNM. 2011. As Áreas Internacionais dos Municípios Brasileiros. Brasília: CNM. https://paradiplomacia.org/libro/5062020183129.
  6. Cornago, Noe. Paradiplomacy and Protodiplomacy. The Encyclopedia of Diplomacy. May, 2018.
  7. https://doi.org/10.1002/9781118885154.dipl0211.
  8. Corradi, Rodrigo, e Joseli Gomes, org. Paradiplomacia em movimento: perspectivas em homenagem aos 20 anos de atuação da Rede Mercocidades. Porto Alegre: UniRitter, 2015.
  9. Dallari, Pedro B. Constituição e Relações Exteriores. São Paulo: Saraiva, 2001.
  10. FAL. “El impacto mundial del covid-19”. Foreign Affairs Latinoamerica, Vol. 20, n. 30 (2020).
  11. Froio, Liliana R.; Priscilla E. A. Medeiros. “Internacionalização de cidades pequenas. O caso dos municípios paraibanos”, Revista Relações Exteriores, 14 de agosto de 2020. Disponível em: https://relacoesexteriores.com.br/internacionalizacao-de-cidades-pequenas/
  12. IPHAN. 2020. “Patrimônio Cultural do Mercosul”. http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/411.
  13. Keating, Michael, e Francisco Aldecoa, orgs. Las relaciones internacionales de las regiones. Madrid: Marcial Pons, 2000.
  14. Marcovitch, Jacques, e Pedro Dallari, org. 2014. Relações internacionais de âmbito subnacional: a experiência de Estados e Municípios no Brasil. São Paulo: IRI/USP. http://www.livrosabertos.sibi.usp.br/portaldelivrosUSP/catalog/download/266/239/1062-1?inline=1
  15. Mattioli, Thiago, e Gilberto M. A. Rodrigues. “Paradiplomacy, security policies and city networks: the case of the Mercocities Citizen Security Thematic Unit”. Contexto Internacional, Vol. 39, n. 3 (2017): 569-587. https://doi.org/10.1590/s0102-8529.2017390300006
  16. Mercociudades. 2019. “Unidad Temática de Cultura”. https://mercociudades.org/descarga/plan-de-trabajo-de-la-unidad-tematica-de-cultura-4/.
  17. Michelmann, Hans, ed. Foreign Relations in Federal Countries. Montreal: Mac Gill Queen’s University Press, 2009.
  18. Mumford, Lewis. A Cidade na História. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
  19. Norwich, John J. The Great Cities in History. London: Thames & Hudson, 2009. ONU. 2020. “Agenda 2030”. https://nacoesunidas.org/tema/agenda2030/.
  20. Pinheiro, Leticia. Política Externa Brasileira (1889-2002). Rio de Janeiro: Zahar, 2004.
  21. Prado, Debora F. M. “A atuação internacional dos governos subnacionais: Construções conceituais, limites e contribuições para o caso brasileiro”. Carta Internacional, V. 13, n. 3 (2018). https://doi.org/10.21530/ci.v13n3.2018.846.
  22. Puntaschart, William. Mauá. Entendo o passado, trabalhando o presente e construindo o futuro. São Paulo: Noovah America, 2012.
  23. Rodrigues, Gilberto M. A. A implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em cidades médias por meio de Estratégias Internacionais Modeladas (EIM). Projeto de Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DT), UFABC/CNPq (2019-2022), 2019. Disponível em: https://sig.ufabc.edu.br/sigaa/public/programa/pesquisa.jsf
  24. Rodrigues, Gilberto M. A., Wagner Romão e Marcos Xavier, org. Cidades em Relações Internacionais. São Paulo: Desatino, 2009.
  25. Rodrigues, Gilberto M. A. “Política Externa de Cidades”. Margem, n. 20 (2004): 19-30.
  26. Rodrigues, Gilberto M. A. “Relações internacionais federativas no Brasil”. Dados, Vol. 51, n. 4 (2008): 1015-1034. http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582008000400007.
  27. Rolnik, Raquel. Guerra dos Lugares. A Colonização da Terra e da Moradia na Era das Finanças. São Paulo: Boitempo, 2016.
  28. Rykwert, Joseph. A ideia de cidade: A antropologia da forma urbana em Roma, Itália e no mundo antigo. São Paulo: Perspectiva, 2006.
  29. Sala, Jose Blanes, org. O município e as relações internacionais: aspectos jurídicos. São Paulo: Educ, 2009.
  30. Santomauro, Fernando. “Os governos locais e um novo mundo possível”. Em Paradiplomacia do Estado do Rio de Janeiro (2007-2017). 36-51. Niterói: Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro, 2017.
  31. Sassen, Saskia. The Global City: New York, London, Tokyo. New Jersey: Princeton University Press, 1991.
  32. Silva, Fernando Fernandes da. As cidades brasileiras e o patrimônio cultural da humanidade. 2a. ed. revista e ampliada. São Paulo: Edusp/Peirópolis, 2012.
  33. Tavares, Rodrigo. Paradiplomacy. Oxford University Press, 2012.
  34. Trindade, Raquel. Embu. De aldeia de m’boy a terra das artes. 2a. ed., São Paulo: Noovah America, 2010.
  35. UNESCO. 2020. “Patrimônio Mundial no Brasil”. https://pt.unesco.org/fieldoffice/brasilia/expertise/world-heritage-brazil.
  36. Vigevani, Tullo, Luiz E. Wanderley, L. E., et al., org. A dimensão subnacional e as relações internacionais. São Paulo: Educ, 2004.
  37. Yhan Filho, Armando Gallo. “A inserção internacional da cidade de Uberlândia-MG: um processo em evolução”. Brazilian Journal of International Relations, Vol. 8, n. 1(2019): 70-96. https://doi.org/10.36311/2237-7743.2019.v8n1.05.p69.