v. 26 n. 2 (2020): Dossiê - Patrimônio e Relações Internacionais
Artigos

No Caminho das Minas, os jesuítas não eram bem-vindos: conflitos e disputas de poder na capitania do Rio de Janeiro, 1756-1759

Marcia Amantino
UNIVERSO
Publicado September 10, 2020
Palavras-chave
  • jesuítas,
  • Caminho das Minas,
  • Antijesuitismo
Como Citar
Amantino, Marcia. 2020. “No Caminho Das Minas, Os jesuítas não Eram Bem-Vindos: Conflitos E Disputas De Poder Na Capitania Do Rio De Janeiro, 1756-1759”. Locus: Revista De História 26 (2), 342-58. https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/30127.

Resumo

Este texto tem o objetivo de analisar a representação que os moradores do Caminho de Inhomirim enviaram ao governador interino da capitania do Rio de Janeiro, José Antonio Freire de Andrade em agosto de 1756, acusando os jesuítas de terem se estabelecido na região não para catequisar os índios, mas sim para conseguirem mais terras para as suas propriedades. A partir desta queixa, documentos foram trocados entre as autoridades dos dois lados do Atlântico, permitindo reconstruir um momento de grande desgaste para a Companhia de Jesus, tanto com relação ao poder político que sempre tiveram, como também com relação à sociedade, que se sentiu mais poderosa para denunciar o que considerava como abusivo, a partir da política antijesuítica de Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro marquês de Pombal.

Referências

  1. Alden, Dauril. “Aspectos econômicos da expulsão dos jesuítas do Brasil: notícia preliminar”. Em Conflito e continuidade na sociedade brasileira: ensaios, org. H. Keith & S. F. Edwards, 31-78. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.
  2. Alden, Dauril.The Making of an enterprise: The Society of Jesus in Portugal, its Empire and Beyond 1540-1750. California: Stanford University Press, 1996.
  3. Alencastro, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: a formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
  4. Almeida, Rita Heloisa de. O Diretório dos Índios: um projeto de civilização no Brasil do século XVIII. Brasília: Ed. UNB, 1997.
  5. Amantino, Marcia. “Os jesuítas e os índios Gessaruçus nos sertões do Rio de Janeiro, século XVIII”. Revista Caminhos da História, 1 (2014): 11-32.
  6. Amantino, Marcia.A Companhia de Jesus na cidade do Rio de Janeiro: o caso do Engenho Velho, século XVIII. Jundiaí: Paco Editorial, 2018.
  7. Amantino, Marcia. “Quando a igreja e a coroa se uniram para julgar a Companhia de Jesus: a reforma de 1758 e a sua devassa no Rio de Janeiro”. Nomos. Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFC. Volume 39.1 (2019): 299-316.
  8. Assunção, Paulo de. Negócios Jesuíticos: cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Edusp, 2004.
  9. Caeiro, José. Sobre o exílio das Províncias Transmarinas da Assistência Portuguesa da Companhia de Jesus. Bahia: Escola Tipográfica Salesiana, 1936.
  10. Carvalho, Roberta Lobão. “O antijesuitismo como projeto de governo: a construção do antijesuitismo na Amazônia colonial, século XVIII”. Em A ação global da Companhia de Jesus: embaixada política e mediação cultural, org. Eliane C. D. Fleck e Jairo Henrique Rogge. São Leopoldo: Oikos, 2018, p. 1378-1415.
  11. Coelho, Mauro Cezar. “A construção de uma lei: o Diretório dos Índios”. RIHGB, 437 (2007): 29-48.
  12. Costa, Antonio Gilberto. “Registro do Caminho Novo para as minas de ouro nos mapas antigos”. Atas do VI simpósio luso-brasileiro de cartografia histórica, Braga, Portugal, 4 a 7 de novembro de 2015.
  13. Franco, Eduardo. O Mito dos jesuítas em Portugal, no Brasil e no Oriente (séculos XVI a XX). Lisboa: Gradiva, vol. 1, 2006.
  14. Franco, Eduardo. “O “terremoto” pombalino e a campanha de “desjesuitização” de Portugal”. Lusitânia Sacra, 18 (2006): 147-218.
  15. Figueiredo, Luciano. “Pombal cordial: reformas, fiscalidade e distensão política no Brasil: 1750-1777. Em A “Época pombalina” no mundo luso-brasileiro, org. Francisco Falcon e Cláudia Rodrigues, 125-174. Rio de Janeiro: FGV: Faperj, 2015.
  16. Golin, Tau. A Guerra Guaranítica (1750-1756). Porto Alegre: Ed. da Universidade; Passo Fundo: UPF Editora, 1998.
  17. Golin, Tau.A Guerra Guaranítica; o levante indígena que desafiou Portugal e Espanha. São Paulo; Terceiro Nome, 2014.
  18. Hespanha, Antonio Manuel e Subtil, José Manuel. “Corporativismo e Estado de polícia como modelos de governo das sociedades euro-americanas do Antigo Regime”. Em Brasil colonial, org. João Fragoso e Maria de Fátima Gouveia, 127-166. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, vol. 1, 2014.
  19. Leite, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1967.
  20. Marquese, Rafael de Bivar. Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
  21. Mendonça, Marcos Carneiro de. A Amazônia na Era pombalina. Rio de Janeiro: IHGB, vol.1, 63-78, s/data.
  22. Pollig, João Victor Diniz Coutinho. “O caminho Novo e a Boa Razão: conflito e a Lei de 1769”. Tese de doutoramento. Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2017.
  23. Rocha, Igor Tadeu Camilo. “Entre o ‘ímpeto secularizador’ e a ‘sã teologia’: tolerância religiosa, secularização e ilustração católica no mundo luso (séculos XVIII-XIX)”. Tese de doutoramento, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, 2019.
  24. Sampaio, Antonio Carlos Jucá de. Magé na crise do escravismo: sistema agrário e evolução econômica na produção de alimentos, 1850-1888. Dissertação de mestrado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 1994.
  25. Santos, Fabrício Lyrio. Te Deum Laudamus. A expulsão dos jesuítas da Bahia, 1758-1763. Salvador: Saga, 2019.
  26. Santos, Fabrício Lyrio.Da catequese à civilização: colonização e povos indígenas na Bahia (1750-1800). Tese de doutoramento, Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2012.
  27. Schwartz, S.B. “A economia do Império Português”. Em A expansão marítima portuguesa, 1400-1800, org. Francisco Bethencourt e Ramada Diogo Curto, 21-52, Lisboa: Ed. 70, 2010.
  28. Silva, Francisco Carlos Teixeira da. A morfologia da escassez: crises de subsistência e política econômica no Brasil colônia: (Salvador e Rio de Janeiro, 1680-1790). Dissertação de Mestrado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 1990.
  29. Souza, Evergton Sales. “Igreja e Estado no período pombalino”. Em A “Época pombalina” no mundo luso-brasileiro, org. Francisco Falcon e Cláudia Rodrigues, 277-306. Rio de Janeiro: FGV: Faperj, 2015.
  30. Straforini, Rafael. “Estradas reais no século XVIII: a importância de um complexo sistema de circulação na produção territorial brasileiro”. Scripta Nova: Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona. Vol. X, núm. 218 (33), 1 de agosto de 2006. http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-218-33.htm#_ftn28;
  31. Villalta, Luiz Carlos et ali. “As reformas pombalinas e a instrução (1759-1777)”. Em A “Época pombalina” no mundo luso-brasileiro, org. Francisco Falcon e Cláudia Rodrigues, 453-498. Rio de Janeiro: FGV/Faperj, 2015.