v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Dossiê

Revisitando o nascimento da teoria feminista no Brasil a partir de A mulher é uma degenerada, de Maria Lacerda de Moura

Adriana Aparecida de Figueiredo Fiuza
Unioeste
Simone Pinheiro Achre
UNIOESTE
Biografia
Publicado April 17, 2020
Palavras-chave
  • Feminismos,
  • História e Literatura,
  • Maria Lacerda de Moura
Como Citar
de Figueiredo Fiuza, A. A., & Pinheiro Achre , S. (2020). Revisitando o nascimento da teoria feminista no Brasil a partir de A mulher é uma degenerada, de Maria Lacerda de Moura. Locus: Revista De História, 26(1), 16-31. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.30004

Resumo

Uma das grandes expoentes das teorias do feminismo é Maria Lacerda de Moura. Por meio de seus textos é possível entender a condição das mulheres no Brasil no século XX e quais são as ações necessárias para a libertação das amarras do patriarcado. Esses aspectos podem ser lidos em A Mulher é uma degenerada (1924). O objetivo do artigo é analisar a obra, percebendo a visão da autora quanto ao papel da mulher e de como o resgate de sua obra contribui para a discussão acerca do nascimento e da memória do movimento feminista no país. O suporte teórico está centrado em estudos de Walter Benjamin e Michel Foucault, entre outros. Esse trabalho se justifica dada a necessidade de rever a história e demonstrar os silenciamentos no discurso oficial, pois se percebe que a luta pela emancipação da mulher tem o seu surgimento muito antes da década de 1970, uma vez que nos anos 20 do século passado Maria Lacerda de Moura, desde uma perspectiva anarquista, já levantava a bandeira da emancipação feminina e da luta por direitos igualitários entre homens e mulheres. Acredita-se que ao se revisitar a teoria feminista contribui-se para a formação de uma memória nacional sobre a luta por direitos das mulheres.

Referências

  1. Assmann, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.
  2. Beauvoir, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.
  3. Benjamin, Walter. O anjo da História. Organização e tradução de João Barreto. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.
  4. Benjamin, Walter. Rua de mão única. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. (Obras escolhidas v.2).
  5. Dias, Mabel e Coletivo Insubmiss@s. Mulheres anarquistas: o resgate de uma história pouco contada. João Pessoa: Imprensa Marginal, s/d.
  6. Didi-Huberman, Georges. “Remontar, remontagem (do tempo)”. Caderno de Leituras, 1, n. 47 (2016): 01-07.
  7. Foucault, Michel. A coragem da verdade. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
  8. Foucault, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2014.
  9. Gallo, Sílvio. “Francisco Ferrer Guardia: o mártir da Escola Moderna”. Pro-Posições, 24, n. 2 (2013): 241-251. https://doi.org/10.1590/S0103-73072013000200015
  10. Leite, Miriam Moreira. Outra Face do Feminismo: Maria Lacerda de Moura. São Paulo: Ática, 1984.
  11. Lousada, Isabel; Laguardia, Angela. Maria “Lacerda de Moura e Ana de Castro Osório: correspondência em trânsitos atlânticos e feministas”. Navegações, 6, n. 1 (2013): 99-104.
  12. Miranda, Jussara Valéria de. “’Recuso-me’! Ditos e escritos de Maria Lacerda de Moura”. Dissertação de mestrado, Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia, 2006.
  13. Moraes, Isaías Albertin de; Aguiar. Mônica Heinzelmann Portella de. “Redescobrindo Maria Lacerda de Moura: 130 anos de nascimento”, Unespciência, agosto de 2017, Direitos Femininos, 10-11.
  14. Moura, Maria Lacerda de. A mulher é uma degenerada. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.
  15. Pinto, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.
  16. Rago, Margareth. Do cabaré ao lar: utopia da cidade disciplinar e a resistência anarquista: Brasil 1890 -1930. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.
  17. Rago, Margareth. “Trabalho feminino e sexualidade”. Em História das mulheres no Brasil, org. Mary del Priori e Carla Bassanezi Pinsky, 578-606. 10.ed. São Paulo: Contexto, 2017.
  18. Silva, Jacilene Maria. Feminismo na atualidade: a formação da quarta onda. Recife: Independently published, 2019.
  19. Woolf, Virgínia. Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.
  20. Zolin, Lúcia Osana. “Crítica feminista”. Em Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas, org. Thomas Bonnici e Lúcia Osana, 181-203. 3.ed. Maringá: Eduem, 2009.