v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Dossiê

“A louca dos gatos” ou sobre como gaslaitear o feminino: um estudo sobre a violência psicológica no âmbito do gênero

Carlos Henrique de Lucas
Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB)
Biografia
Fabio de Sousa Fernandes
Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB)
Biografia
Diana Yoshie Takemoto
Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB)
Biografia
Publicado April 17, 2020
Palavras-chave
  • Gaslighting,
  • Violência de Gênero,
  • “Louca dos Gatos”,
  • Discurso
Como Citar
Henrique de Lucas, Carlos, Fabio de Sousa Fernandes, e Diana Yoshie Takemoto. 2020. “‘A Louca Dos gatos’ Ou Sobre Como Gaslaitear O Feminino: Um Estudo Sobre a Violência psicológica No âmbito Do Gênero”. Locus: Revista De História 26 (1), 99-122. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.29808.

Resumo

O artigo conceitua o gaslighting e suas formas de atuação por meio de fundamentação teórica e análise de produtos culturais e midiáticos, demonstrando-o como um fenômeno social originado no interior de sociedades historicamente patriarcais, mais especificamente as ocidentais, e, por conseguinte, dicotômicas – binomiais, que instituem papeis baseados no gênero para todas as pessoas. Ao não obedecer a essa imposição de papéis, ou normatividade, conforme se verá, a sujeita-alvo do gaslighting se torna um ser abjeto. Neste texto, o abjeto pode ser observado pela criação, via discurso, da personagem “Louca dos Gatos”. Concluímos, mesmo que provisoriamente, que o gaslighting e os estereótipos sobre o gênero distorcem as relações de modo intencional para assegurar, reforçar e naturalizar sistemas de poder como o machismo e a heteronormatividade, o que relega as mulheres (e por que não dizer as mais diversas formas de vivência do feminino) a constantes violências e a um eterno silêncio social.

Referências

  1. Alos, Anselmo Peres. “Gênero, epistemologia e performatividade: estratégias pedagógicas de subversão”. Revista Estudos Feministas, 9, n. 2 (2011): 421-449. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200007
  2. Beauvoir, Simone. O Segundo sexo – fatos e mitos; tradução de Sérgio Milliet. 4 ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.
  3. Bergamesco, Débora, e Pardellas, Sérgio. 2016. “Uma presidente fora de si”. https://istoe.com.br/450027_UMA+PRESIDENTE+FORA+DE+SI/.
  4. Berti, Ilemar Christina Lansoni Wey. “Práticas e regime de informação - os acontecimentos “carta de Temer a Dilma” e “Marcela Temer: bela, recatada e do lar”“. 2018. Tese de Doutorado em Ciência da Informação, Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.
  5. Boléu, Luísa V. de Paiva. D. Maria I – A Rainha Louca. Portugal: A Esfera dos Livros, 2009.
  6. Butler, Judith. Cuerpos que importan: Sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2002.
  7. Butler, Judith. “Fundamentos Contingentes: o feminismo e a questão do ‘Pós-Modernismo’”. Cadernos Pagu, n. 11 (1998): 11-42.
  8. Butler, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
  9. Caetano, Márcio, e Hernandez, Jimena de Garay. “Para além das dicotomias: Performances de gênero, sexualidades e questões à escola”. Advir (ASDUERJ), 28 (2012): 38-53.
  10. Caetano, Márcio, e Hernandez, Jimena de Garay. “Heteronormatividad y androcentrismo: ensayo sobre sus acciones curriculares”. Em Lecturas críticas en investigación feminista, org. Norma Blazquez Graf, Martha Patricia Castañeda Salgado, 253-278. Cidade do México: UNAM, 2016.
  11. Chauí, Marilena. “Sobre o Medo”. Em Os Sentidos da Paixão, org. Adauto Novaes. 33-82. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
  12. Ciribelli, Marilda Corrêa. Mulheres Singulares e Plurais (Sofrimento e Criatividade). Rio de Janeiro: 7letras. 2006.
  13. Colling, Leandro. “A igualdade não faz o meu gênero. Em defesa das políticas das diferenças para o respeito à diversidade sexual e de gênero no Brasil”. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, 3, n. 2 (2013): 405-28.
  14. Colling, Leandro, e Nogueira, Gilmaro. “Relacionados mas diferentes: Sobre os conceitos de homofobia, heterossexualidade compulsória e heteronormatividade”. Em Transposições: lugares e fronteiras em sexualidade e educação, org. Alexsandro Rodrigues; Catarina Dallapicula; Sérgio Rodrigo da S. Ferreira, 171-184. Vitória: EDUFES, 2015.
  15. Connell, Raewyn W., e Messerschmidt, James W.. “Masculinidade hegemônica: repensando o conceito”. Revista Estudos Feministas, 21, n. 1 (2013): 241-282. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000100014
  16. Dedecca, Claudio Salvadori; Ribeiro, Camila Santos Matos de Freitas; Ishii, Fernando Hajime. “Gênero e jornada de trabalho: análise das relações entre mercado de trabalho e família”. Trab. educ. saúde, 7, n. 1 (2009): 65-90. https://doi.org/10.1590/S1981-77462009000100004
  17. Fett, Shea Emma. 2017. “10 coisas que aprendi sobre gaslighting como estratégia de abuso”. Traduzido por Bianca Busato Portella. http://desacato.info/10-coisas-que-aprendi-sobre-gaslighting-como-estrategia-de-abuso/.
  18. Ferreira, Victória. 2016. “O mito da mulher histérica e sua consequência sobre as mulheres”. https://medium.com/lado-m/o-mito-da-mulher-hist%C3%A9rica-e-sua-consequ%C3%AAncia-sobre-as-mulheres-1346068f6bc4.
  19. Foucault, Michel. “História da sexualidade I: a vontade de saber”. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon de Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.
  20. Foucault, Michel. “Nietzsche, a genealogia e a história”. Em Microfísica do poder, Michel Foucault, 15-38. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.
  21. Gonçalves, Renata. “De antigas e velhas loucas: Madres e Mães de maio contra a violência de Estado”. Lutas Sociais, [S.l.], n. 29 (2012): 130-143.
  22. Grisci, Carmem Lígia Iochins. “Mulher – mãe”. Psicologia: Ciência e Profissão, 15, n. 1-3 (1995), p. 12-17. https://doi.org/10.1590/S1414-98931995000100003
  23. Haraway, Donna. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, n. 5 (1995): 7-41.
  24. Kendall, K. “Masking violence against women: The case of premenstrual syndrome”. Canadian woman studies/ les cahiers de la femme, 12 (1) (1991): 17-20.
  25. Kilomba, Grada. Memórias da plantação. Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
  26. Linhares, Juliana. 2016. “Marcela Temer: bela, recatada e ‘do lar’”. https://veja.abril.com.br/brasil/marcela-temer-bela-recatada-e-do-lar/.
  27. Love is respect. 2015. “O que é gaslighting?” Tradução Bruna de Lara. http://www.livredeabuso.com.br/#!O-que-%C3%A9-gaslighting/cy34/555ea4ab0cf298b2d3d687fe.
  28. Lima, Carlos Henrique Lucas; Caetano, Márcio. “Em defesa de uma Historiografia Literária Fora do Armário”. Aedos: Revista do Corpo Discente do Programa de Pós-Graduação em História da UFRGS, 08, n. 19 (2016): 24-36.
  29. Lima, Carlos Henrique Lucas. Linguagens pajubeyras: re(ex)sistência cultural e subversão da heteronormatividade. Salvador: Devires, 2017.
  30. Miskolci, Richard. “Negociando visibilidades: segredo e desejo em relações homoeróticas masculinas criadas por mídias digitais”. Bagoas, 08, n. 11 (2014): 51-78.
  31. Organização mundial da saúde (OMS). Relatório Mundial sobre a Prevenção da Violência 2014. Núcleo de Estudos da Violência (Trad.) São Paulo: 2015.
  32. Penteado, Letícia. 2015. “Estou ficando louca?”. http://www.revistaforum.com.br/leticiapenteado/2015/03/02/estou-ficando-louca/.
  33. Perrot, Michelle. Minha História das Mulheres. (Tradução Angela M. S. Côrrea). 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2012.
  34. Queiroz, Nana. 2016. “Termos em inglês estão elitizando o feminismo”. http://azmina.com.br/2016/04/termos-em-ingles-estao-elitizando-o-feminismo/.
  35. Reed, Evelyn. O Mito da Inferioridade da Mulher. Sexo Contra Sexo ou Classe Contra Classe. São Paulo: Editora Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2008.
  36. Revista istoé. As explosões nervosas da presidente. REVISTA ISTOÉ. Abril de 2016. Ano 39. No 2417. Editora Três.
  37. Rocha, Gustavo Rodrigues; Rocha, Luana Fonseca da Silva. “Uma história social do conceito de feminilidade na psicanálise de 1910 a 1930”. Scientiae Studia, 15, n. 1 (2017): 121-144. https://doi.org/10.11606/51678-31662017000100007
  38. Rush, Florence. The Best Kept Secret. New York: McGraw-Hill, 1980.
  39. Stocker, Pâmela Caroline; Dalmaso, Silvana Copetti. “Uma questão de gênero: ofensas de leitores à Dilma Rousseff no Facebook da Folha”. Revista Estudos Feministas, 24, n. 3 (2016): 679-690. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2016v24n3p679
  40. Souza, Camila. 2015. “Não são atos isolados – gaslighting: por que eles querem que você acredite que está louca“. http://www.catarticos.com.br/doce/nao-sao-atos-isolados-gaslighting-por-que-eles-querem-que-voce-acredite-que-esta-louca/.
  41. Vieira, João Luiz. 2015. “Sobre o artigo ‘Dilma e o sexo’”. https://epoca.globo.com/vida/romance-urbano/joao-luiz-vieira/noticia/2015/08/dilma-e-o-sexo.html.
  42. Vieira, Josênia Antunes. “A identidade da mulher na modernidade”. DELTA, 21, n. spe (2005): 207-238. https://doi.org/10.1590/S0102-44502005000300012
  43. Yashar, Ali. 2013. “Por que as mulheres não estão loucas”. http://papodehomem.com.br/porque-as-mulheres-nao-estao-loucas/.