v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Seção Livre

O liberalismo e o capitalismo no Portugal do século XIX: expectativas e decepções

Rodrigo do Prado Bittencourt
Universidade de Coimbra
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • Portugal,
  • Liberalismo,
  • Capitalismo,
  • Concentração de Renda,
  • Centralização Estatal
Como Citar
do Prado Bittencourt, R. (2020). O liberalismo e o capitalismo no Portugal do século XIX. Locus: Revista De História, 26(1), 288-311. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.29375

Resumo

Este artigo busca analisar a implantação do Liberalismo em Portugal após a guerra civil fratricida e o avanço paulatino do modo de produção capitalista. O Liberalismo gerou expectativas de liberdade, justiça e igualdade – aspirações de cunho iluminista – que o capitalismo frustrou, graças à sua produção de desigualdade social, à corrupção do poder público por influência do poder econômico e à pressão sobre as instituições responsáveis pela ordem pública no sentido da repressão de manifestações contestatórias do status quo. Assim, assistiu-se a uma maior centralização do poder, a um crescimento do Estado e à formação uma sociedade ainda mais injusta economicamente, em prejuízo dos mais pobres.

Referências

  1. Bonifácio, Maria de Fátima. Seis Estudos Sobre o Liberalismo Português. Lisboa: Estampa, 1991.
  2. Cabral, Manuel Villaverde. “Sobre o século XIX português: a transição para o capitalismo”. Análise Social, 45, (1976): 106-126.
  3. Cascão, Rui. “Demografia e Sociedade”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 365-378. Lisboa; Editorial Estampa, 1998.
  4. Catroga, Fernando. Portugal como "corpo" e como "alma" (sécs. XIX/XX): Uma revisitação sintética. Revista de História das Ideias, 28, (2007), 245-275. https://doi.org/10.14195/2183-8925_28_11
  5. Cunha, Maria do Rosário. A Inscrição do livro e da leitura na ficção de Eça de Queirós. Coimbra: Almedina, 2004.
  6. Engels, Friedrich e Karl Marx. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo Editorial, 1998.
  7. Hobsbawn, Eric. A era do Capital. 1848-1875. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.
  8. Martins, Joaquim Pedro de Oliveira. “Ciências e Letras (3-1-1887). A Abadessa de Jouarre de E. Renan”. Em: A Província. Vol. III. Agosto a Dezembro de 1886 e Janeiro e Fevereiro de 1887. Lisboa: Guimarães Editores, 1958.
  9. Martins, Joaquim Pedro de Oliveira. Portugal Contemporâneo. 2 vols. Mira-Sintra: Europa-América, s/d.
  10. Matos, Sérgio Campos. História e identidade nacional: A formação de Portugal na historiografia contemporânea. Lusotopie, (2002): 123-139.
  11. Mendes, José Amado. “Comércio, Transportes e Comunicações”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 319-328. Lisboa; Editorial Estampa, 1998a.
  12. Mendes, José Amado. “Evolução da Economia Portuguesa”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 269-278. Lisboa; Editorial Estampa, 1998b.
  13. Mendes, José Amado. “O Fim do Antigo Regime Económico?” Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 359-364. Lisboa; Editorial Estampa, 1998c.
  14. Mendes, José Amado. “Teorias e Políticas Económicas”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 353-358. Lisboa; Editorial Estampa, 1998d.
  15. Neto, Margarida e Vaquinhas, Irene Maria. “Agricultura e Mundo Rural: tradicionalismo e inovações”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 279-290. Lisboa; Editorial Estampa, 1998.
  16. Pereira, Hugo Silveira. As viagens ferroviárias em Portugal (1845-1896). CEM: Cultura, Espaço e Memória, 1, (2010): 25-40.
  17. Pereira, Miriam Halpern. “A emigração portuguesa para o Brasil e a geo-estratégia do desenvolvimento euro-americano”. Ler História, 56, (2009): 15-25. https://doi.org/10.4000/lerhistoria.1925
  18. Queirós, José Maria Eça de. “Antero de Quental”. Em: Notas Contemporâneas, José Maria Eça de Queirós, 339-387. Porto: Lello & Irmão, 1913.
  19. Ramos, Rui Manuel Monteiro Lopes. Ideias de República em Portugal até ao século XIX: algumas observações. Polis: Revista de Estudos Jurídico-Políticos,, n. 13-16, (2007): 55-80.
  20. Ribeiro, Maria Manuela Tavares e Isabel Nobre Vargues. “Estruturas Política: Parlamentos, Eleições, Partidos Políticos e Maçonarias”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 155-182. Lisboa; Editorial Estampa, 1998a.
  21. Ribeiro, Maria Manuela Tavares e Isabel Nobre Vargues. “Ideologias e Práticas Políticas”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 183-216. Lisboa; Editorial Estampa, 1998b.
  22. Santos, Maria Lourdes Lima dos. Sobre os intelectuais portugueses no século XIX (do Vintismo à Regeneração). Em: Análise Social, 57 (1979): 69-115.
  23. Silva, António Martins. “A desamortização”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 291-306. Lisboa; Editorial Estampa, 1998a.
  24. Silva, António Martins. “As finanças públicas”. Em: História de Portugal: o Liberalismo, coord. Luís Reis Torgal e João Roque, 329-338. Lisboa; Editorial Estampa, 1998b.
  25. Weber, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2004.