v. 25 n. 2 (2019): Dossiê - 130 Anos de República no Brasil: entre avanços e retrocessos
Dossiê

Eleições na Primeira República: uma abordagem alternativa acerca da participação popular

Cláudia M.R. Viscardi
Universidade Federal de Juiz de Fora
Biografia
Vitor Fonseca Figueiredo
Universidade Federal de Juiz de Fora
Biografia
Publicado December 5, 2019
Palavras-chave
  • Eleições,
  • Primeira República,
  • Abstenção
Como Citar
M.R. Viscardi, Cláudia, e Vitor Fonseca Figueiredo. 2019. “Eleições Na Primeira República: Uma Abordagem Alternativa Acerca Da participação Popular”. Locus: Revista De História 25 (2). https://doi.org/10.34019/2594-8296.2019.v25.28740.

Resumo

O presente artigo analisa as eleições realizadas na Primeira República (1889-1930), mais especificamente a participação da população nos pleitos presidenciais. A abordagem adotada difere de boa parte dos estudos já produzidos sobre a história política da primeira fase do regime republicano brasileiro. Interessa-nos compreender porque os cidadãos deixavam de participar do processo de escolha dos seus representantes. Durante o período votar não era uma obrigação, mas um direito a ser exercido aos que se interessassem. Essa característica impunha uma lógica diferenciada ao campo político e, em especial às campanhas. Cabia aos candidatos atrair os seus eleitores, o que nem sempre ocorria sob coação, como parte da historiografia já afirmou. Portanto, levar os eleitores às urnas constituía um desafio. Para os fins deste artigo foram analisadas quatro eleições presidenciais em quatro unidades federadas, por meio de pesquisa realizada sobre os Diários do Congresso, a Imprensa e dados demográficos históricos do IBGE

Referências

  1. ARRUDA, Larissa R. V. de. Disputas oligárquicas: as práticas políticas da elites mato-grossenses (1892-1906). São Carlos: EdUFSCAR, 2015.
  2. BORGES, Vera Lúcia Bógea. A batalha eleitoral de 1910: imprensa e cultura política na Primeira República. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.
  3. BRITTO, Jonas. Um Às na mesa do jogo: a Bahia na História Política da I República (1920-1926). Salvador: UFBA, 2019.
  4. CAMMACK, Paul. O coronelismo e o compromisso coronelista: uma crítica. Cadernos do DCP, Belo Horizonte. n.5, 1979.
  5. CARVALHO, José M. de. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: uma discussão conceitual. Revista Dados, v. 40, n. 2, Rio de Janeiro, 1997. https://doi.org/10.1590/S0011-52581997000200003
  6. FIGUEIREDO, Vítor F. Voto e competição política na Primeira república: o caso de Minas Gerais (1889-1930). Curitiba: CRV, 2017. https://doi.org/10.24824/978854441836.9
  7. GASPARETTO JÚNIOR, Antônio. Atmosféra de Plomo: las declaraciones de estado de sitio em la Primera República Brasileña. Valência: Tirant lo Blanch, 2019.
  8. GOMES, Ângela de C. Primeira Republica no Brasil. Uma História da Historiografia. In: MOURÃO, Alda e GOMES, Angela de C. (coord.) Experiência da Primeira República no Brasil e em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014.
  9. LEAL, Victor N. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 6 ed, São Paulo: Alfa-Ômega, 1993.
  10. MAGALHÃES, Maria Carmem C. O mecanismo das “comissões verificadoras” de poderes: estabilidade e dominação política, 1894-1930. Dissertação de mestrado em História, UNB, Brasília: 1986.
  11. MARTINS FILHO, Amílcar. Clientelismo e representação em Minas Gerais du¬rante a Primeira República: uma crítica a Paul Cammack. Revista Dados, Rio de Janeiro: 27 (2): 175-97, 1984.
  12. PANG, Eul-Soo. Coronelismo e oligarquias (1889-1943): a Bahia na Primeira República brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.
  13. PASQUINO, Gianfranco. Abstencionismo. In: BOBBIO, N., MATTEUCCI, N. e PASQUINO, J. Dicionário de política. Brasília: UNB, 1986.
  14. PORTO, Walter C. O Voto no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2002.
  15. PORTO, Walter C. Eleições presidenciais no Brasil: Primeira República. Brasília: Senado Federal, 2019.
  16. QUEIROZ, Maria Isaura P. O mandonismo local na vida política brasileira. São Paulo: I.E.B., 1969.
  17. RICCI, Paolo; ZULINE, Jaqueline. Partidos, Competição Política e Fraude Eleitoral: A Tônica das Eleições na Primeira República. Revista Dados, v. 57, n. 2, 2014. https://doi.org/10.1590/0011-5258201414
  18. RICCI, Paolo; ZULINE, Jaqueline. Quem ganhou as eleições? A validação dos resultados antes da criação da justiça eleitoral. Revista de Sociologia e Política. v. 21, n. 45, p.91-105, 2013. https://doi.org/10.1590/S0104-44782013000100008
  19. SILVA, Francisco B. da. Acre, a Sibéria Tropical: desterros para as regiões do Acre em 1904 e 1910. Rio Branco: Nepan, 2017.
  20. TORELLI, Leandro S. A política econômica de defesa do café: os debates parlamentares (1898-1920). São Paulo: Chiado, 2019.
  21. VISCARDI, Cláudia M. R. Unidos perderemos: a construção do federalismo republicano brasileiro. Curitiba: CRV, 2017.
  22. VISCARDI, Cláudia M.R. Teatro das oligarquias: uma revisão da política do café com leite. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.
  23. VISCARDI, Cláudia, M. R.; FREITAS, Lívia. Votos, partidos e eleições na Primeira República A dinâmica política a partir das charges de “O Malho”. Revista de História, São Paulo, USP, v. 177, p. 1-31, 2018.
  24. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2018.134470
  25. VISCARDI, Cláudia. M. R.. Voto, representação política e soberania popular na república brasileira. Revista Estudos Ibero-Americanos, v. 41, p. 14-39, 2015. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2015.1.20448