v. 25 n. 2 (2019): Dossiê - 130 Anos de República no Brasil: entre avanços e retrocessos
Dossiê

A Nova República (1985-2016) e as disputas de narrativas sobre a Lei da Anistia

Pedro Ernesto Fagundes
Universidade Federal do Espírito Santo
Biografia
Publicado December 5, 2019
Palavras-chave
  • Nova República,
  • Anistia,
  • Brasil República
Como Citar
Fagundes, Pedro Ernesto. 2019. “A Nova República (1985-2016) E As Disputas De Narrativas Sobre a Lei Da Anistia”. Locus: Revista De História 25 (2). https://doi.org/10.34019/2594-8296.2019.v25.28623.

Resumo

Durante a chamada Nova República surgiram diversas controvérsias. O presente artigo analisa as disputas de narrativas sobre a Lei da Anistia de 1979. Analisa também, como o caso da anistia se liga às polêmicas mais gerais – e ainda atuais – relacionadas ao modo como a sociedade brasileira lidou, durante as últimas décadas, e lida com as marcas e traumas da Ditadura Militar. O presente trabalho foi elaborado por meio da pesquisa bibliográfica e documental.

Referências

  1. ABRÃO, Paulo et alli. Justiça de Transição no Brasil: O Papel da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça. In: Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Brasília: Ministério da Justiça, n.º 01, jan/jun 2009, p.18.
  2. ABRÃO, Paulo; TORELLY, Marcelo. Mutações do conceito de anistia na Justiça de Transição brasileira: a terceira fase de luta pela anistia. Revista de Direito Brasileira, n. 3, 2012.
  3. BAUER, Caroline Silveira. Como será o passado? História, Historiadores e a Comissão Nacional da Verdade. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.
  4. COOPER, Caroline Castelo Branco. Os usos do passado e o Supremo Tribunal Federal: a Lei da Anistia em questão. 2018, 103 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2018.
  5. FIGUEIREDO, Lucas. Olho por olho: Os livros secretos da ditadura. Rio de Janeiro: Record, 2009.
  6. MEZAROBBA, Glenda. Um Acerto de Contas com o Futuro — A Anistia e suas Consequências: Um Estudo do Caso Brasileiro. São Paulo: Editora Humanitas, 2006.
  7. MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidade e o regime militar: Cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar. 2014, pp 12-14.
  8. NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2014, p. 286.
  9. REIS, Daniel Aarão. O governo Lula e a construção da memória do regime civil-militar. IN: PINTO, Antônio Costa e MARTINHO, Francisco Carlos Palomanes (Orgs). O passado que não passa: a sombra das ditaduras na Europa do Sul e na América Latina. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.
  10. REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura, anistia e reconciliação. Revista de Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 23, n° 45, p. 171-186, janeiro-junho de 2010.
  11. RODEGHERO, Carla. A Anistia de 1979 e seus significados, ontem e hoje. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá; REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo (ORG.). A ditadura que mudou o Brasil — 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
  12. RODRIGUES, Georgete M. Legislação de acesso aos Arquivos no Brasil: um terreno de disputas pela memória e pela história. Acervo. Rio de Janeiro, v. 24, no1, jan/jun 2011, p.257-286
  13. RODRIGUES, Gergete. M. Arquivos. Anistia política e justiça de transição no Brasil: onde os nexos? Revista Anistia Política e Justiça de Transição, v. 1, p. 136-151, 2009.
  14. TELES, Janaína Almeida. Luto e Memória da ditadura: O Memorial dos Desaparecidos de Vila Formosa, em São Paulo. REVISTA M. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, jan./jun. 2017, p. 75.