v. 25 n. 2 (2019): Dossiê - 130 Anos de República no Brasil: entre avanços e retrocessos
Dossiê

Delações e vida cotidiana no Brasil durante a ditadura civil-militar

Janaina Martins Cordeiro
Universidade Federal Fluminense
Biografia
Publicado December 5, 2019
Palavras-chave
  • ditadura,
  • delações,
  • vida cotidiana
Como Citar
Martins Cordeiro, Janaina. 2019. “Delações E Vida Cotidiana No Brasil Durante a Ditadura Civil-Militar”. Locus: Revista De História 25 (2). https://doi.org/10.34019/2594-8296.2019.v25.28595.

Resumo

A formulação de denúncias e delações contra indivíduos, grupos ou situações consideradas suspeitas tem sido prática recorrente na modernidade. Especificamente, as ditaduras e regimes autoritários do século XX incentivaram amplamente tais comportamentos. Este artigo propõe analisar as práticas delatórias no Brasil durante a ditadura civil-militar de 1964. Busca, sob este aspecto, compreender as formas a partir das quais cidadãos passaram a recorrer ao Estado e suas instituições com o objetivo de delatar autoridades locais, vizinhos, conhecidos, colegas de trabalho, etc. Considerando a pluralidade das práticas de delação, para além das denúncias fornecidas por informantes do regime, o artigo propõe analisar as motivações de “informantes eventuais” e, de maneira mais ampla, tem como objetivo compreender como o cotidiano da sociedade foi invadido e moldado pela linguagem e modus operandi da ditadura.

Referências

  1. ALONSO, Gustavo. Quem não tem swing morre com a boca cheia de formiga: Wilson Simonal e os limites de uma memória tropical. Rio de Janeiro: Record, 2011.
  2. BERGERSON, Andrew Stuart. Ordinary Germans in extraordinary times. The Nazi revolution in Hildesheim. Bloomington: Indiana University Press, 2004.
  3. BORGES, Nilson. “A Doutrina de Segurança Nacional e os governos militares”. In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucília de Almeida Neves (orgs.). O Brasil Republicano. O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira: 2007.
  4. CASTRO, Adyr Fiúza de. In: D'ARAÚJO, Maria Celina et all. Os anos de chumbo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.
  5. CORDEIRO, Janaina Martins. A ditadura em tempos de milagre: comemorações, orgulho e consentimento. Rio de Janeiro: FGV, 2015.
  6. FITZPATRICK, Sheila; GELLATELY, Robert (eds.). Accusatory practices: Denunciation in Modern European History, 1789-1989. Chicago: The University of Chicago Press Books, 1996.
  7. GABEIRA, Fernando. O que é isso, companheiro? São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
  8. JOLY, Laurent. “Introduction”. In: _____________ (dir.). La délation dans la France des années noires. Paris: Perrin, 2012.
  9. KELLY, Catriona. Comrade Pavlik: The Rise and Fall of a Soviet Boy Hero. London: Granta Books, 2005.
  10. LVOVICH, Daniel. "Sospechar, delatar, incriminar: una aproximación al fenómeno de las denuncias contra el enemigo político en la última dictadura militar argentina". Ayer. Revista de Historia Contemporánea; Lugar: Madrid; Año: 2017.
  11. MAGALHÃES, Marionilde Dias Brepohl de. “A lógica da suspeição: sobre os aparelhos repressivos à época da ditadura militar no Brasil”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 17, n. 34, p. 203-220, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881997000200011&lng=en&nrm=iso. Acesso em 28/09/2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01881997000200011
  12. SCHIAVON, Carmen Burgert e PALMA, Virgilina E.Gularte S.Fidelis. “O Inventário do Comendador Domingos Faustino Correa: processos judiciais como fonte de pesquisa e ensino”. REVISTA LHISTE, v. 2, p. 488-503, 2015.
  13. VELHO, Gilberto. A utopia urbana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 5a ed., 1989.