v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Seção Livre

Taça Independência (1972): o futebol no Brasil em tempos de “milagre”

Bruno Duarte Rei
Colégio Pedro II
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • Futebol,
  • Propaganda política,
  • Consenso social
Como Citar
Duarte Rei, B. (2020). Taça Independência (1972). Locus: Revista De História, 26(1), 337-363. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.28279

Resumo

A relação entre futebol e política é tema que recentemente tem recebido maior atenção por parte de historiadores. Neste artigo, analisa-se tais relações no âmbito da Taça Independência: torneio internacional de futebol, ocorrido de 11 de junho a 9 de julho de 1972, como parte da programação das comemorações do Sesquicentenário da Independência do Brasil. Discute-se como é que o evento estabeleceu quadros de diálogo com o projeto de propaganda política em voga no país, bem como se constituiu, simultaneamente, em um mecanismo de reafirmação de um consenso social formado em torno do regime militar.

Referências

  1. “0 x 0. Primeira barreira”. Manchete, 15 de julho de 1972f. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82a.
  2. “A taça mais cara do mundo”. O Cruzeiro, 21 de junho de 1972, 19.
  3. Almeida, Adjovanes Thadeu Silva de. O regime militar em festa. Rio de Janeiro: Apicuri, 2013.
  4. Almeida, Adjovanes Thadeu Silva de. “O regime militar em festa: a comemoração do Sesquicentenário da Independência brasileira (1972)”. Tese de doutoramento, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009.
  5. Almeida, Adjovanes Thadeu Silva de. “Popularizando os festejos: a Taça Independência e o Sesquicentenário”. In: Almeida, Adjovanes Thadeu Silva de. “O regime militar em festa: a comemoração do Sesquicentenário da Independência brasileira (1972)”. Tese de doutoramento, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009.
  6. Antunes, Fátima Martin Rodrigues Ferreira. “Com brasileiro não há quem possa!”: futebol e identidade nacional em José Lins do Rego, Mário Filho e Nelson Rodrigues. São Paulo: Editora UNESP, 2004. https://doi.org/10.7476/9788539302789
  7. “Argentina, França, Portugal, Eire, Peru e Iugoslávia disputam as três vagas que restam nas semifinais”. Manchete, 24 de junho de 1972d. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82b.
  8. Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, 1972, pastas 58 e 58a.
  9. Bacellar, Carlos. “Fontes documentais: uso e mau uso dos arquivos”. In: Fontes históricas, org. Carla Bassanezi Pinsky. São Paulo: Contexto, 2008.
  10. Baczko, Bronislaw. “Imaginação social”. In: Enciclopédia Einaudi, v. 5, Antrophos – Homem, org. Ruggiero Romano. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985.
  11. Bourdieu, Pierre. O poder simbólico. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
  12. Brasil. Decreto-Lei nº 1.106/1970. Diário Oficial da União, 16 de junho de 1970, s. 1, 4521.
  13. “Brasil favorito decide Taça hoje com Portugal”. Jornal do Brasil, 9 de julho de 1972b, 1.
  14. “Brasil ganha a Taça no último minuto”. Jornal do Brasil, 10 de julho de 1972d, 1.
  15. “Brasil quebra recorde da Hungria”. Jornal do Brasil, 10 de julho de 1972c, 50
  16. Braudel, Fernand. “A longa duração”. In: Braudel, Fernand. História e Ciências Sociais. 4. ed. Lisboa: Presença, 1982.
  17. “Câmera – coluna de Luiz Bayer”. Jornal dos Sports, 13 de junho de 1972e. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  18. “CBD define quem participará da C. Independência”. Jornal do Brasil, 21 de dezembro de 1971, 39.
  19. Cerri, Luís Fernando. “1972: ‘Sete bandeiras do setecentenário por mil cruzeiros velhos’”. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 25, n. 1 (1999): 193-208. https://doi.org/10.15448/1980-864X.1999.1.25569
  20. “Chile arma esquema para barrar Portugal”. Folha de S. Paulo, 16 de junho de 1972b. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  21. “Cobertura jornalística na Taça Independência”. Gazeta Esportiva, 14 de agosto de 1972. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58a.
  22. Confederação Brasileira de Desportos. Ofício no 4554. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 32.
  23. Cordeiro, Janaína Martins. A ditadura em tempos de milagre: comemorações, orgulho e consentimento. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2015.
  24. Cordeiro, Janaína Martins. “Anos de chumbo ou anos de ouro? A memória social sobre o governo Médici”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 43 (2009): 85-104. https://doi.org/10.1590/S0103-21862009000100005
  25. Cordeiro, Janaína Martins. “Da solenidade das comemorações à festa do futebol”. In: Cordeiro, Janaína Martins. “Lembrar o passado, festejar o presente: as comemorações do Sesquicentenário da Independência entre consenso e consentimento (1972)”. Tese de doutoramento, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2012.
  26. Cordeiro, Janaína Martins. “Lembrar o passado, festejar o presente: as comemorações do Sesquicentenário da Independência entre consenso e consentimento (1972)”. Tese de doutoramento, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2012.
  27. Corrêa, Antonio Jorge. As comemorações do Sesquicentenário. Rio de Janeiro: Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, 1972.
  28. D’Araújo, Maria Celina. Militares, democracia e desenvolvimento: Brasil e América do Sul. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2010.
  29. “Das mãos de Médici a Taça para Gerson”. Folha de S. Paulo, 10 de julho de 1972h, 21.
  30. “Dez estádios recebem uma visita importante”. Folha de S. Paulo, 29 de julho de 1972a, 32.
  31. “Espanha diz não ter medo e sim falta de datas”. O Jornal, 26 de fevereiro de 1972. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  32. “Federação não dá mais ingressos”. Jornal dos Sports, 13 de junho de 1972f. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  33. Fico, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1997.
  34. “FIFA, esse sonho”. Manchete, 13 de maio de 1972e. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82b.
  35. Folha de S. Paulo. 2020. “História antiga”. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/11/17/esporte/6.html#_=.
  36. “Havelange: os ingleses virão em 72”. Folha de S. Paulo, 1º de outubro de 1971a, 19.
  37. “Havelange: Taça dá exemplo ao mundo”. Jornal dos Sports, 18 de julho de 1972i. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58a.
  38. Hobsbawm, Eric. “A produção em massa de tradições: Europa, 1879 a 1914”. In: A invenção das tradições, org. Eric Hobsbawm e Terence Ranger. São Paulo: Paz e Terra, 1997.
  39. “Iugoslávia derrota a violência”. Folha de S. Paulo, 10 de julho de 1972d, 19.
  40. “Iugoslávia, terceiro lugar com todos os méritos”. Folha de S. Paulo, 10 de julho de 1972f, 17.
  41. “Jair, quando ninguém esperava”. Folha de S. Paulo, 10 de julho de 1972g, 20.
  42. “Jogo Paraguai x Bolívia movimenta Campo Grande”. O Globo, 17 de maio de 1972. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  43. Larrain, Jorge. “Ideologia”. In: Bottomore, Tom; Harris, Laurence; Kiernan, Victor Gordon; e Miliband, Ralph. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
  44. Laborie, Pierre. “L'idée de résistance, entre définition et sens: retour sur un questionnement”. In: Laborie, Pierre. Les Français des années troubles. De la guerre d’Espagne a la Liberation. Paris: Seuil, 2003.
  45. Luca, Tania Regina de. História “dos, nos e por meio dos periódicos”. In: Fontes históricas, org. Carla Bassanezi Pinsky. São Paulo: Contexto, 2008.
  46. Magalhães, Lívia Gonçalves. Com a taça nas mãos: sociedade, Copa do Mundo e ditadura no Brasil e na Argentina. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.
  47. Malatian, Teresa. “Cartas: narrador, registro e arquivo”. In: O historiador e suas fontes, org. Carla Bassanezi Pinsky e Tania Regina de Luca. São Paulo: Contexto, 2009.
  48. “Maracanã com nova luz e gramado velho”. Folha de S. Paulo, 25 de dezembro de 1971b, 16.
  49. “Médici. Um torcedor de noventa minutos”. Jornal do Brasil, 10 de julho de 1972e, 55.
  50. “Minicopa é show de bola para o mundo”. Jornal do Commércio, 7 de abril de 1972. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  51. “Minicopa – o Brasil não pode perder”. Manchete, 13 de maio de 1972h. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82b.
  52. “No gol de Jair, a taça que fica”. Folha de S. Paulo, 10 de julho de 1972c, 17.
  53. “O escrete em ritmo de vaia”. Manchete, 1º de julho de 1972c. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82b.
  54. “Os europeus aceitam perder campeonatos, mas, jamais, a FIFA”. Manchete, 20 de maio de 1972b. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82a.
  55. “Os maxi prejuízos da Taça”. Veja, 12 de julho de 1972b, 72.
  56. “O presidente não pode ver uma vitória”. Jornal dos Sports, 29 de junho de 1972h. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58a.
  57. “Os segredos de Estado da Minicopa”. Manchete, 3 de junho de 1972a. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82a.
  58. “Primeiro nervoso; depois, só alegria”. Folha de S. Paulo, 10 de julho de 1972e, p. 21.
  59. Rei, Bruno Duarte. “Arquivos e esporte: o Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil (1972)”. Acervo, Rio de Janeiro, v. 27, n. 2 (2014): 62-69.
  60. Rei, Bruno Duarte. Celebrando a pátria amada: esporte, propaganda e consenso nos festejos do Sesquicentenário da Independência do Brasil (1972). Tese de doutoramento, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2019.
  61. Rei, Bruno Duarte. “Esporte e propaganda política nos festejos do Sesquicentenário da Independência do Brasil (1972): notas preliminares de um estudo”. Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v. 1, n. 187 (2013): 1-9.
  62. “Renda em natal sobe com o sorteio”. Jornal dos Sports, 14 de junho 1972d. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  63. Reis Filho, Daniel Aarão. “Ditadura e sociedade: as reconstruções da memória”. In: O golpe e a ditadura militar: 40 anos depois (1964-2004), org. Daniel Aarão Reis Filho, Marcelo Ridenti e Rodrigo Patto Sá Motta. São Paulo: EDUSC, 2004.
  64. Reis Filho, Daniel Aarão. “Revolução e socialismo em Cuba: ditadura revolucionária e construção do consenso”. In: A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no século XX. Volume 2: Brasil e América Latina, org. Denise Rollemberg e Samantha Quadrat. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
  65. Riorda, Mario. “Hacia un modelo de comunicación gubernamental para el consenso”. In: La construcción del consenso. Gestión de la comunicación gubernamental, org. Luciano Elizande, Damián Fernández e Mario Riorda. Buenos Aires: La Crujía, 2006.
  66. Rodrigues, Ernesto. Jogo duro: a história de João Havelange. Rio de Janeiro: Record, 2007.
  67. Rollemberg, Denise e Quadrat, Samantha Viz, org. A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no século XX. Volume 1: África e Ásia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
  68. Rollemberg, Denise e Quadrat, Samantha Viz, org. A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no século XX. Volume 2: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
  69. Rollemberg, Denise e Quadrat, Samantha Viz, org. A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no século XX. Volume 3: Europa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
  70. Rollemberg, Denise. “As trincheiras da memória”. A Associação Brasileira de Imprensa e a ditadura (1964-1974). In: A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no século XX. Volume 2: Brasil e América Latina, org. Denise Rollemberg e Samantha Quadrat, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.
  71. Santos, João Manuel Casquinha Malaia, Costa, Maurício da Silva Drumond, e Melo, Victor Andrade de. “Celebrando a nação nos gramados: o Campeonato Sul-Americano de Futebol de 1922”. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 57, v. 1 (2012): 151-174. https://doi.org/10.5380/his.v57i2.30578
  72. “Segunda barreira. 3 x 0”. Manchete, 15 de julho de 1972g. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 82a.
  73. “Seleções ganham passagens para disputar a Taça”. Jornal dos Sports, 15 de junho de 1972g. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  74. Schatz, Patrícia Volk e Epíndola, Carlos José. “Jogos e estratégias: o campeonato brasileiro de futebol na década de 1970 e a política de integração nacional”. Geo UERJ, Rio de Janeiro, n. 29 (2016): 302-324. https://doi.org/10.12957/geouerj.2016.19444
  75. Serpa, Élio Cantalício. “Revista O Cruzeiro de 1972: conmemorando el Sesquicentenario de la Independencia y exaltando el Brasil moderno“. Studia Historica, Salamanca, v. 27 (2009): 375-398.
  76. Soares, Filipe Menezes. “O governo Médici e o Programa de Integração Nacional (Norte e Nordeste): discursos e políticas governamentais (1969-1974)”. Dissertação de mestrado, Recife, Universidade Federal de Pernambuco, 2015.
  77. Sosnoski, Thaisy. “Historiografia e memória: Biblioteca do Sesquicentenário da Independência do Brasil (1972)”. Dissertação de mestrado, Goiânia, Universidade Federal de Goiás, 2013.
  78. Souto, Sérgio. “Imprensa e memória da copa de 50: a glória e a tragédia de Barbosa”. Dissertação de mestrado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2001.
  79. Souza, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
  80. “Supercopa já tem os cinco que jogam final”. Jornal dos Sports, 4 de março de 1972c. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  81. “Taça mostrará o Brasil”. Última Hora, 1º de junho de 1972. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58a.
  82. “Taça Independência”. A Tribuna, 26 de junho de 1972. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58a.
  83. “Taça Independência”. Jornal dos Sports, 5 de junho de 1972b. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  84. “Taça Independência: calendário vai mudar”. Folha de S. Paulo, 21 de dezembro de 1971c, 32.
  85. “Taça Independência: integração pelo futebol”. Jornal dos Sports, 6 de junho de 1972a. In: Arquivo Nacional, Fundo da Comissão Executiva Central do Sesquicentenário da Independência do Brasil, pasta 58.
  86. “Taça Independência, o torneio de votos de João”. Veja, 14 de junho de 1972a, 81.
  87. “Torcida paulista emociona a seleção”. Jornal do Brasil, 3 de julho de 1972a, 50.
  88. Veja. 2020. Relembre a Taça Independência de 1972, uma verdadeira Minicopa. http://vejario.abril.com.br/blog/historias-do-futebol-carioca/selecao-brasileira/relembre-a-taca-independencia-de-1972-uma-verdadeira-minicopa
  89. “Zagalo se emociona no final do jogo”. Jornal do Brasil, 10 de julho de 1972f, 54.