v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Seção Livre

A Microstoria Italiana e os desafios biográficos na historiografia recente (1980-2000)

Deivy Carneiro
UFU
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • Micro-história italiana,
  • Biografia,
  • Historiografia.
Como Citar
Carneiro, Deivy. 2020. “A Microstoria Italiana E Os Desafios biográficos Na Historiografia Recente (1980-2000)”. Locus: Revista De História 26 (1), 211-34. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.27812.

Resumo

Pretende-se investigar alguns dos trabalhos e reflexões produzidas por historiadores ligados à micro-história italiana em relação à escrita biográfica e seus desafios. Examinaremos como alguns micro-historiadores se posicionaram, sobretudo no debate biográfico dos anos 1980-2000, e analisaremos como os trabalhos em questão avançaram para além da perspectiva denominada “Biografia Modal”. De maneira geral, analisaremos como a biografia foi pensada e desenvolvida pela historiadora Simona Cerutti em seu livro de 2012 e observamos como Maurizio Gribaudi pensa e realiza o estudo de trajetórias individuais em seu artigo Percorsi individuali ed evoluzione storica: quattro percorsi operai attraverso la Francia dell’ottocento, publicado na revista Quaderni Storici em 2001.

Referências

  1. Ago, Renata. “From the archives to the library and back: culture and microhistory”. Em Between Sociology and History. Essays on Microhistory, Collective Action, and Nation-Building, org. A. M. Castrén, M. Lonkila e M. Peltonen.41-50. Helsinki: SNK, 2004.
  2. Barreto, Adriana. “Experiência, configuração e ação política: uma reflexão sobre as trajetórias do duque de Caxias e do general Osório”. Topoi, 10, n. 19 (2009). https://doi.org/10.1590/2237-101X010019006
  3. Bonato, Massimo. 2011. “A Micro-história e o método da história de vida”. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, Brasil, 2011.
  4. Bourdieu, Pierre. “A ilusão biográfica”. Em Usos e abusos da História Oral, Ferreira, Marieta Morais Ferreira e Janaina Amado. 183-192. Rio de Janeiro: EdFGV, 2006.
  5. Carneiro, Deivy F. “Micro-História e História do Crime e da Justiça Criminal: um diálogo possível e desejado”. Em Crime e Justiça: reflexões, fontes e possibilidades de pesquisa, org. Maíra I. Vendrame, Cláudia Mauche e Paulo R. S. Moreira. 33-66. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2018b.
  6. Carneiro, Deivy F. “Os usos da biografia pela micro-história italiana: interdependência, biografias coletivas e network analysis”. Em O que pode a biografia, org. Alexandre Sá Avelar e Benito Bisso Schmidt, 33-58. São Paulo: Letra & Voz, 2018.
  7. Cerutti, Simona. “Langage des acteurs, langage des historiens : de quoi parlent les sources judiciaires ?”. L'Atelier du Centre de recherches historiques, 05 (2009). https://doi.org/10.4000/acrh.1645
  8. Cerutti, Simona. “‘A rebrousse-poil’. Dialogue sur la méthode”. Critique, 769-770 (2011): 564-575. https://doi.org/10.3917/criti.769.0564
  9. Cerutti, Simona. “Processo e experiência: indivíduos, grupos e identidades em Turim no século XVII”. Em Jogos de Escalas: a experiência da microanálise, org. Jacques Revel. 173-202. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1998.
  10. Cerutti, Simona. “Faits et ‘faits judiciaires’. Changements dans le statut de la preuve à Turin au XVIIIE siècle”. Cahiers du Centre des Recherches Historiques, 45 (2010): 151-180. https://doi.org/10.4000/ccrh.3566
  11. Cerutti, Simona. “Normes et pratiques, ou de la légitimité de leur opposition”. Em Les formes de l'expérience. Une autre histoire sociale, org. B. Lepetit. 175-204. Paris : Découvert, 1995.
  12. Cerutti, Simona. “Travail, mobilité et légitimité : suppliques au roi dans une société d’Ancien Régime (Turin, XVIIIe siècle)”. Annales Histoire, Sciences Sociales, 65, 3 (2010): 571-611. https://doi.org/10.1017/S0395264900040798
  13. Cerutti, Simona. Étrangers : étude d’une condition d’incertitude dans une société d’Ancien Régime. Paris: Bayard, 2012.
  14. Cerutti, Simona. “Histoire pragmatique, ou de la rencontre entre histoire sociale et histoire culturelle”. Tracés, n. 15 (2008): 147-168. https://doi.org/10.4000/traces.733
  15. Cerutti, Simona. “Who is below ? E. P. Thompson, historien des sociétés modernes : une relecture”. Annales. Histoire, Sciences Sociales, 70, 4 (2015): 931-956. https://doi.org/10.1353/ahs.2015.0167
  16. Dosse, François. O desafio Biográfico: escrever uma vida. São Paulo: Edusp, 2009.
  17. Duby, George. Guilherme Marechal ou o melhor cavalheiro do mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
  18. Farinatti, Luiz Augusto E. “Construção de séries e micro-análise: notas sobre o tratamento de fontes para a história social”. Anos 90, 15, n.28 (2008a). https://doi.org/10.22456/1983-201X.7958
  19. Farinatti, L. A. E. “Escravos do pastoreio: pecuária e escravidão na fronteira meridional do Brasil (Alegrete, 1831-1850)”. Ciência & Ambiente, v. 1 (2006).
  20. Farinatti, L. A. E. “Para além de estancieiros e colonos: o Rio Grande do Sul rural dos oitocentos e os lavradores nacionais”. Em Historiadores do novo Século, org. Júlio Quevedo. 1 ed. 45-73. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2001.
  21. Farinatti, L. A. E. “Peões de estância e produção familiar na fronteira sul do Brasil (1845-1865)”. Anos 90, v. 15, (2008b). https://doi.org/10.22456/1983-201X.6749
  22. Febvre, Lucien. Martinho Lutero, um destino. São Paulo: Editora três estrelas, 2012.
  23. Febvre, Lucien. O problema da incredulidade no século XVI: a religião de Rabelais. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.
  24. Ferreira, Roquinaldo. “Biografia, Mobilidade e cultura Atlântica: a micro-escala do tráfico de escravos em Benguela, séculos XVIII-XIX”. Tempo, Revista do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro: UFF, 10, n. 20 (2006). https://doi.org/10.1590/S1413-77042006000100003
  25. Ferreras, Norberto. “História e Trabalho: entre a renovação e a nostalgia”. Revista Trajetos, 1, n. 2 (2002).
  26. Fragoso, João, e Maria de Fátima Gouvêa, org. Na Trama das Redes: políticas e negócios no império português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010a.
  27. Fragoso, João. “Afogando em Nomes: temas e experiências na história econômica”. Topói, 5, n. 5 (2002). https://doi.org/10.1590/2237-101X003005002
  28. Fragoso, João. “Efigênia angola, Francisca Muniz forra parda, seus parceiros e senhores: freguesias rurais do Rio de Janeiro, século XVIII. Uma contribuição metodológica para a história colonial”. Topói, 11, n. 21 (2010b). https://doi.org/10.1590/2237-101X011021005
  29. Gandelman, Luciana Mendes. “Trajetórias individuais no Império português do século XVII: o caso do financista João de Mattos de Aguiar”. Em Sujeitos na história: perspectivas e abordagens, org. Gisele Venancio e Larissa Viana. 61-82. Rio de Janeiro: EDUFF, 2018.
  30. Giulli, Mateo. “Morfologia Social e contextualização topográfica: a micro-história de Edoardo Grendi”. Revista Brasileira de História. 37, n. 76 (2017). https://doi.org/10.1590/1806-93472017v37n76-07
  31. Grendi, Edoardo. Balbi: una famiglia genovese fra Spagna e Impero. Torino: Einaudi, 1997.
  32. Gribaudi, Maurizio. 1848 – La révolution oubliée. Paris : La Découverte, 2008.
  33. Gribaudi, Maurizio. Escala, Pertinência, Configuração. Em Jogos de escalas: a experiência da microanálise, org. Jacques Revel. 121-150. Rio de Janeiro: EdFGV, 1998.
  34. Gribaudi, Maurizio. 2018. “Forma, tensão, movimento: a plasticidade da História”. Conferência apresentada no III Simpósio Internacional Micro-História, trajetória e imigração, São Leopoldo, Unisinos, 2018.
  35. Gribaudi, Maurizio. Itinéraires ouvriers : espaces et groupes sociaux à Turin au début du XXe siècle. Paris: Éditions de l’EHESS, 1987.
  36. Gribaudi, Maurizio. Paris, ville ouvrière : une histoire occultée. 1789-1848. Paris : La Découverte, 2014.
  37. Gribaudi, Maurizio. “Percorsi individuali ed evoluzione storica: quattro percorsi operai attraverso la Francia dell’Ottocento”. Quaderni Storici, 36, n. 106 (1) (2001).
  38. Guedes, Roberto, e João Fragoso. História Social em Registros Paroquiais: sul e sudeste do Brasil, séculos XVIII e XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.
  39. Kuhn, Fabio. “Gente da fronteira: família, sociedade e poder no sul da América Portuguesa – século XVIII”. Tese de doutoramento, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2006.
  40. Levi, Giovanni. Herança Imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
  41. Levi, Giovanni. “Usos da biografia”. Em Usos e abusos da história oral, org. Janaína Amado e Marieta de Moraes Ferreira. 167-182. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996.
  42. Loriga, Sabina. “A biografia como problema”. Em Jogos de escalas: a experiência da microanálise, org. Jacques Revel. 225-250. Rio de Janeiro: EdFGV, 1998.
  43. Loriga, Sabina. O pequeno X: da biografia à história. São Paulo: Autêntica, 2011.
  44. Loriga, Sabina. Soldats : un laboratoire disciplinaire - l'armée piémontaise au XVIIIème siècle. Paris : Belles Lettres, 2007.
  45. Matheus, Marcelo Santos. “Por ter ido ao Estado Oriental: guerra e fronteira nas cartas de alforria de Alegrete (1832 – 1871)”. VIII Mostra de Pesquisa do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, CORAG, 2010.
  46. Moreira, Paulo Roberto S., e Marcelo Santos Matheus. “A microanálise como suporte teórico-metodológico para o estudo do sistema escravista brasileiro a partir da reconstituição de trajetórias de escravos (Alegrete, século XIX)”. Revista CLIO – Revista de Pesquisa Histórica, 28, n.2 (2013).
  47. Osório, Helen. O Império Português no Sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.
  48. Reguera, Andréa. Patrón de estancias. Ramón Santamarina: uma biografia de fortuna y poder en la pampa. Buenos Aires: EUDEBA, 2006
  49. Reis, João José. Domingos Sodré. Um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Cia. das Letras, 2008.
  50. Revel, Jacques. A biografia como problema historiográfico. Em História e historiografia: exercícios críticos, org. Jacques Revel. 24-48. Curitiba: Editora UFPR, 2010.
  51. Rizzini, Irma. “Pesquisa histórica dos internatos de ensino profissional: revendo as fontes produzidas entre os séculos XIX e XX”. Revista Contemporânea de Educação, 4, n. 7 (2009).
  52. Santos, Marília Nogueira. “Privilégios institucionais ou individuais? Vice-reis da Índia e governadores-gerais do Brasil nos séculos XVII e XVIII”. Em Sujeitos na história: perspectivas e abordagens, org. Gisele Venancio e Larissa Viana. 83-102. Rio de Janeiro: EDUFF, 2018.
  53. Schmidt, Benito Bisso. Entrevista com Sabina Loriga: a História Biográfica. MÉTIS: história & cultura. v. 2, n. 3, (2003).
  54. Schmidt, Benito Bisso. “Entrevista com Sabina Loriga: a História Biográfica”. MÉTIS: história & cultura, 2, n. 3 (2003).
  55. Silveira, Eder da Silva. “Estudo de caso e Micro-História: distanciamentos, características e aproximações”. Revista História em Reflexão, 4, n. 8 (2010).
  56. Trivellato, Francesca. “Is There a Future for Italian Microhistory in the Age of Global History?”, California Italian Studies, 2 (1) (2011).
  57. Venancio, Gisele, e Larissa Viana. Sujeitos na História : perspectivas e abordagens. Rio de Janeiro : EDUFF, 2018.