v. 26 n. 1 (2020): Dossiê - Identidades e sexualidades hegemônicas e contra-hegemônicas. Feminidades e masculinidades em tempos autoritários
Seção Livre

Biografia, história e identidade. Gonçalo Gonçalves, os processos de colonização lusa nas terras guanabarinas e identidade local

Rui Aniceto Nascimento Fernandes
UERJ
Publicado April 18, 2020
Palavras-chave
  • Biografia,
  • Colonização,
  • Identidade,
  • Rio de Janeiro
Como Citar
Aniceto Nascimento Fernandes, R. (2020). Biografia, história e identidade. Gonçalo Gonçalves, os processos de colonização lusa nas terras guanabarinas e identidade local. Locus: Revista De História, 26(1), 235-260. https://doi.org/10.34019/2594-8296.2020.v26.27600

Resumo

Nos últimos anos, os estudos biográficos ganharam espaço na historiografia consolidando-se como uma estratégia para a compreensão de processos históricos. Nesse sentido a biografia deixou de ser apenas o estudo da trajetória do indivíduo marcada pelas balizas de seu nascimento e morte. O biografado torna-se chave para compreensão de processos por ele vivenciados, mas também como o personagem pode ser apreendido, significado ou ressignificado ao longo do tempo. Neste artigo se propõe um estudo de biografia histórica, analisando um personagem, Gonçalo Gonçalves, em dois momentos. Um deste é seu próprio tempo, associando-o aos processos de conquista e colonização na Baía de Guanabara dos séculos XVI e XVII. O outro, grosso modo o século XX, quando é apropriado como fundador de uma comuna, hoje periférica, e é eleito como índice estratégico para a construção de uma identidade local.

Referências

  1. Albuquerque, Júlio Pompeu de Castro. Álbum do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Officinas da Renascença, 1908.
  2. Almeida, Letícia Gonçalves Alfeu. “O papel da memória na pedagogia da morte (século XV)”. Dissertação de Metrado, Franca, Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquista Filho, 2013.
  3. Alencastro, Luís Felipe de. “Vida privada e ordem privada no Império”. Em História da vida privada no Brasil, org. Luís Felipe de Alencastro. São Paulo: Cia das Letras, 1997. v. 2.
  4. Barata, Carlos Eduardo de Almeida, e Antônio Henrique Cunha Bueno. Dicionário de famílias brasileiras. São Paulo: Ibero-América, 1999. v. 1.
  5. Barros, Roberto. “A história de São Gonçalo começou 25 anos atrasada. Um mergulho em 3 séculos de mistério”. A Gaivota, n.240 (1977).
  6. Bourdieu, Pierre. “A ilusão biográfica”. Em Usos e abusos da História Oral, orgs. Marieta de Moraes Ferreira e Janaína Amado. Rio de Janeiro: FGV, 1998.
  7. Braga, Maria Nelma. O município de São Gonçalo e suas histórias. S/l: S/n, 1997.
  8. Brown, Peter. The cult of saints and the early Middle Ages. Oxford: University Press, 1999.
  9. Dória, Escragnolle. Terra fluminense. Rio de Janeiro: Typ. D’A Encadernadora S.A., 1929.
  10. Duby, Georges. Guilherme Marechal ou o melhor cavaleiro do mundo. Rio de Janeiro: Graal, 1995.
  11. Durkeim, Émile. Regras do método sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
  12. Fazenda, José Vieira. “Antiqualhas e memórias do Rio de Janeiro. Volume I”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Tomo 86, v. 140 (1921).
  13. Fazenda, José Vieira. “Antiqualhas e memórias do Rio de Janeiro. Volume III”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Tomo 89, v. 143 (1924).
  14. Fernandes, Rui. Um santo nome. São Gonçalo: São Gonçalo Letras, 2004.
  15. Ferreira, Osvaldo Luiz, e Salvador Mata e Silva. São Gonçalo, 1890-1990. São Gonçalo: Editora Belarmino de Mattos, 1993.
  16. Forte, José M. Maia. O estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Jornal do Comercio, 1928.
  17. Fragoso, João. “A nobreza da República. Notas sobre a formação da primeira elite senhorial do Rio de Janeiro (séculos XVI e XVII)”. Topoi, n. 1 (2000): 45-122. https://doi.org/10.1590/2237-101X001001002
  18. Garcia, José Manuel (Coord.). Cabral, o viajante do Rei. As origens do Brasil. S/l: Imagio Produções, 2000. http://www.projetomemoria.art.br/PedroAlvaresCabral/portuga/edicao.htm
  19. Ginzburg, Carlo. “O nome e o como”. Em A micro-história e outros ensaios, orgs. Carlo Ginzburg, Enrico Castelnuovo, e Carlo Poni. 169-178. Lisboa: Difel, 1989.
  20. Ginzburg, Carlo. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
  21. Guião Filho, Homero Thomaz. História de São Gonçalo. São Gonçalo: s/n., 1968.
  22. Gonçalves, Albenir Itaboraí. O regramento jurídico das sesmarias. São Paulo: Leud, 2014.
  23. Langlois, C, e C. Seignobos. Introdução aos Estudos Históricos. São Paulo: Renascença, 1946.
  24. Le Goff, Jacques. São Francisco de Assis. Rio de Janeiro: Record, 1998.
  25. Le Goff, Jacques. São Luís. Rio de Janeiro: Record, 1999.
  26. Levillain, Philippe. “Os protagonistas: da biografia”. Em Por uma história política, org. René Rémond. 141-184. Rio de Janeiro: FGV, 2003.
  27. Macedo, D. Leite de. Introdução. Em Tombo das Cartas das sesmarias do Rio de Janeiro. 1594-1595. 1602-1605. Rio de Janeiro: Ministério da Justiça/Arquivo Nacional, 1967.
  28. Malatian, Teresa Maria. “A biografia e a história”. Cadernos CEDEM, v. 1 (2008): 16-32.
  29. Mendes Filha, Nilda Ferreira, e Marcos Vinícius Macedo Varella. São Gonçalo, sua história e seus monumentos. Niterói: Disk Cópia – Gráfica Rápida, 2000.
  30. Mendonça, Paulo Knauss de. O Rio de Janeiro da Pacificação. Franceses e portugueses na disputa colonial. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1991.
  31. Molina, Evadyr, e Salvador Mata e Silva. São Gonçalo no século XVI. Rio de Janeiro: Companhia Brasileira de Artes Gráficas, 1995.
  32. Molina, Evadyr, e Salvador Mata e Silva. São Gonçalo no século XVII. Rio de Janeiro: Companhia Brasileira de Artes Gráficas, 1997.
  33. MELLO, Afrânio. Genealogia. 2015. Afrânio Mello fornece gratuitamente informações sobre famílias Gonçalves e Nogueira. http://www.jornalrol.com.br/genealogia-afranio-mello-fornece-gratuitamente-informacoes-sobre-as-familias-goncalves-e-nogueira/
  34. Moreira, Eugênio. São Gonçalo de Amarante. Niterói: La Cava Ltda., 1987.
  35. Nascentes, Antenor. Dicionário etimológico da língua portuguesa: nomes próprios. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1952.
  36. Novinsky, Anita. Inquisição, inventário de bens confiscados a cristãos novos. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1976.
  37. Oliveira, Elysio Belchior de. Conquistadores e povoadores do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Livraria Brasiliana Editora, 1964.
  38. Oliveira, Oscar de. Os dízimos eclesiásticos do Brasil nos períodos da Colônia e do Império. S/l: Pontifícia Universidade Gregoriana, 1939.
  39. Palmier, Luiz. São Gonçalo, cinquentenário. Rio de Janeiro: IBGE, 1940.
  40. Pinto, Alfredo Moreira Pinto. Apontamentos para o dicionário geográfico do Brazil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1896. v. 2.
  41. Priori, Mary del. “Biografia: quando o indivíduo entra na história”. Topoi, 10., n.19 (2009): 7-16. https://doi.org/10.1590/2237-101X010019001
  42. Rau, Virginia. Sesmarias medievais portuguesas. Lisboa: Editorial Presença, 1982.
  43. Saint-Adolphe, J. C. R. Milliet de. Diccionario Geographico, historico e descriptivo do Império do Brazil. Pariz: J. P. Aillaud, 1845. v. 2.
  44. Salgado, Graça, org. Fiscais e Meirinhos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985
  45. Serrão, Joaquim Veríssimo. O Rio de Janeiro no século XVI. Lisboa: s/l.,1965. v. 1.
  46. Silva, Antônio José Caetano da Silva. “Chorographia fluminense”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Tomo 67, parte II (1906).
  47. Silva, Nuno J. Espinosa. História do direito português. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2006.
  48. Varella, Marcos. Igrejas e capelas de São Gonçalo. São Gonçalo: São Gonçalo Letras, 2013a.
  49. Varella, Marcos. Igrejas e capelas de São Gonçalo. São Gonçalo: São Gonçalo Letras, 2013b.
  50. Varnhagen, Francisco Adolfo. História Geral do Brazil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Laemmert, s/d.
  51. Fontes:
  52. Anais da Biblioteca Nacional. Vol. LVII. 1935. Rio de Janeiro: MESP, 1939.
  53. Anais da Biblioteca Nacional. Vol. 82. 1962. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1968.
  54. Anchieta, José de. Cartas, informações, fragmentos históricos e sermões. 1554-1594. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1933.
  55. Araújo, José de Sousa Azevedo Pizarro e. Memórias históricas do Rio de Janeiro e das províncias anexas a jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1820. Tomo III.
  56. Araújo, José de Sousa Azevedo Pizarro e. “Relação das sesmarias da Capitania do Rio de Janeiro, extraída dos Livros das sesmarias e registros do Cartório do Tabelião Antônio Teixeira de Carvalho. De 1565 a 1796”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 63 (1900): 93-153.
  57. Araújo, José de Sousa Azevedo Pizarro e. O Rio de Janeiro nas visitas pastorais de Monsenhor Pizarro. Inventário de arte sacra fluminense. Rio de Janeiro: INEPAC/SENAC, 2008. v. 1. p. 147.
  58. Archivo do Districto Federal. Rio de Janeiro, Vol. I, nº 1., 1894. p. 53-55.
  59. Archivo do Districto Federal. Rio de Janeiro, Ano I, Nº 2, fevereiro de 1894. p. 49-50.
  60. Bluteau, Raphael. Vocabulo Portuguez e latino. Lisboa: Officina de Pascoal da Sylva, Impressor de Sua Magestade, 1720. v. 6.
  61. Reino de Portugal. Ordenaçoens do senhor Rey D. Manuel. Coimbra: Real Imprensa da Universidade, 1797.
  62. Teixeira Filho, Álvaro. Roteiro cartográfico da Baía de Guanabara e cidade do Rio de Janeiro século XVI e XVII. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1975.
  63. Tombo das Cartas das Sesmarias do Rio de Janeiro. 1594-1595. 1602-1605. Rio de Janeiro: SEDREGA, 1967.