A questão da paisagem no universo acadêmico do século XIX: o caso de Agostinho José da Mota

  • Sonia Gomes Pereira Escola de Belas Artes - UFRJ

Resumo

Este artigo parte de duas premissas: de um lado, o fato de que
a nossa historiografia sempre insistiu no papel secundário da
paisagem entre os artistas brasileiros do século XIX, por outro, a
constatação de que ainda sabemos pouco sobre este tipo de pintura
no intervalo entre os Taunay, na primeira metade do século,
e o Grupo Grimm, na década de 1880. É exatamente sobre este
período intermediário, que este trabalho pretende contribuir,
destacando o artista Agostinho José da Mota. Formado pela
Academia carioca, foi o único ganhador do Prêmio de Viagem na
categoria pintura de paisagem durante o Império, indo estudar
em Roma. Posteriormente, foi professor de paisagem na Academia
por 18 anos. Manteve seu ateliê particular aberto a alunos, fora
do circuito acadêmico, inclusive mulheres. Sua obra conhecida
apresenta paisagens e

Publicado
2013-11-22
Como Citar
Pereira, S. G. (2013). A questão da paisagem no universo acadêmico do século XIX: o caso de Agostinho José da Mota. Locus - Revista De História, 19(2). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/20728