Perfil sociodemográfico, internações e óbitos por obesidade nas regiões brasileiras

Autores

  • Jaqueline Teixeira Teles Gonçalves Universidade Estadual de Montes Claros
  • Kássia Héllen Vieira Faculdade de Saúde e Humanidades Ibituruna - FASI https://orcid.org/0000-0002-9272-4131
  • Camila Teles Gonçalves Hospital Federal de Bonsucesso
  • Maria Cristina Seixas Faculdade de Saúde e Humanidades Ibituruna - FASI
  • Renata Ferreira Santana Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Michelle Aparecida Ribeiro Borges Universidade Estadual de Montes Claros
  • Karina Andrade de Prince Universidade Estadual de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2023.v49.40428

Palavras-chave:

Hospitalização, Mortalidade, Obesidade, Peso Corporal, Saúde Pública

Resumo

Introdução: Os números relacionados à presença de obesidade são crescentes tanto no Brasil, quanto no mundo. Objetivo: Descrever o perfil sociodemográfico, internações e o óbitos por obesidade nas regiões do Brasil. Material e Métodos: Trata-se de um estudo investigativo, observacional, retrospectivo, de delineamento quantitativo. A coleta de dados, referente ao período de 2008 a 2018, foi realizada no sistema de informação hospitalar do SUS (SIH/SUS), disponibilizado pelo departamento de informática do SUS (DATASUS).  Resultados: Em relação ao número de internações e taxa de mortalidade por obesidade, de acordo com o sexo no período pesquisado, houve um predomínio no sexo feminino (N= 91889) em relação ao masculino (N= 13568), entretanto ao analisar a taxa de mortalidade percebeu-se que apesar do número de internações nos homens ter sido menor a taxa de mortalidade foi maior do que nas mulheres respectivamente (0,52 e 0,17). A maior taxa de prevalência de pacientes internados por obesidade foi na região Sul (N= 169,65) e o menor número ocorreu na região Norte (N= 6,11). Em relação à taxa de mortalidade, a maior foi na região Norte (0,53%) e a menor na região Sul taxa (0,2%). Conclusão: O índice de internações por obesidade durante o período analisado apresentou um aumento considerável na maioria das regiões, sendo que a taxa de mortalidade foi maior nas regiões norte e nordeste. Além disso, notou-se que o sexo feminino concentra os maiores números de internações, que ocorreram com maior frequência no caráter eletivo do sistema de saúde privado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Geloneze B. Tratamento farmacológico da obesidade: passado, presente e futuro. HU Rev. 2018; 44(2):261-8. doi: 10.34019/1982-8047.2018.v44.13989

World Health Organization. Obesity and overweight: fact sheet n° 311 [Internet]. [citado 2023 maio 1]. Updated 2016. Acesso em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/obesity-and- overweight.

Ezequiel DGA, Costa MB, Pinheiro HS. Obesidade: da fisiopatologia ao tratamento. HU Rev. 2018; 44(1):5.

Oliveira LSF, Mazini Filho ML, Castro JBP, Touguinha HM, Silva PCR, Ferreira MEC. Repercussões da cirurgia bariátrica na qualidade de vida, no perfil bioquímico e na pressão arterial de pacientes com obesidade mórbida. Fisioter Pesqui. 2023; 25(3):284-93. doi: 10.1590/1809-2950/17017725032018

Brandão IS. A obesidade, suas causas e consequências para a saúde. Francisco do Conde: Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira; 2018.

Castanha CR, TCBC-PE, Castanha AR, Belo GQMB, Lacerda RMR, Vilar L. Avaliação da qualidade de vida, perda de peso e comorbidades de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica. Rev Col Bras Cir. 2018; 45(3):e1864. doi: 10.1590/0100-6991e-20181864

Bahia LR, Araújo DV. Impacto econômico da obesidade no Brasil. Rev HUPE. 2014; 13(1):13-7.

Carvalho AS, Rosa RS. Cirurgias bariátricas realizadas pelo Sistema Único de Saúde no período 2010-2016: estudo descritivo das hospitalizações no Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2019; 28(1):e2018260. doi: 10.5123/S1679-49742019000100023

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Taxa de internações por obesidade ocorridas no Brasil no período de janeiro 2008 a dezembro de 2018 (SINAN) [Internet]. [citado em 2023 maio 1]. Brasília: [2023]. Acesso em: https://datasus.saude.gov.br/

Ministério da Saúde (BR). Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. [citado em 2023 maio 01]. Brasília: Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar; 2017. Acesso em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2017_vigilancia_fatores_risco.pdf

Costa MAP, Vasconcelos AGG, Fonseca MJM. Prevalência de obesidade, excesso de peso e obesidade abdominal e associação com prática de atividade física em uma universidade federal. Rev Bras Epidemiol. 2014; 17(2):421-36. doi: 10.1590/1809-4503201400020011ENG

Ferreira APS, Szwarcwald CL, Damacena GN. Prevalência e fatores associados da obesidade na população brasileira: estudo com dados aferidos da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2019; 1(22):1-14. doi: 0.1590/1980-549720190024

Ayoub JAS, Alonso PA, Guimarães LMV. Efeitos da cirurgia bariátrica sobre a síndrome metabólica. ABCD, Arq Bras Cir Dig. 2001; 24(2):140-3. doi: 10.1590/S0102-67202011000200010

Carvalho TS, Vasconcelos FC, Carvalho MDBM. Análise do histórico de métodos de emagrecimento dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica em um hospital público de Belém – PA. RBONE. 2016; 10(55):4-11.

Oliveira LF, Tisott CG, Silvano DM, Campos DM, Nascimento RR. Glycemic behavior in 48 hours postoperative period of patients with type 2 diabetes mellitus and non-diabetic submitted to bariatric surgery. ABCD, Arq Bras Cir Dig. 2015; 28:26-30. doi: 10.1590/S0102-6720201500S100009

Carvalho AS, Rosa RS. Cirurgias bariátricas realizadas pelo Sistema Único de Saúde em residentes da Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 2010-2016. Epidemiol Serv Saúde. 2018; 27(2):e2017010. doi:10.5123/S1679-49742018000200008

Canella DS, Novaes HMD, Levy RB. Influência do excesso de peso e da obesidade nos gastos em saúde nos domicílios brasileiros. Cad Saúde pública. 2015; 31(11):2331-41. doi: 10.1590/0102-311X00184214

Kelles SMB, Machado CJ, Barreto SM. Dez anos de cirurgia bariátrica no Brasil: mortalidade intra-hospitalar em pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde ou por operadora da saúde suplementar. Arq Bras Cir Dig. 2014; 27(4):261-7. doi: 10.1590/S0102-67202014000400008

Melo TF, Melo TL. Estratégias de ensino utilizadas na educação física escolar para prevenção da obesidade em adolescentes escolares. Rer Ciênc Ideias. 2016; 7(3):298-323. doi: 10.22407/issn.2176-1477.2016v7i3570

Porto TNRS, Cardoso CLR, Baldoino LS, Martins VS, Alcântara SML, Carvalho DP. Prevalência do excesso de peso e fatores de risco para obesidade em adultos. REAS. 2019; 1(22):1-12. doi: 10.25248/reas.e308.2019

Ferreira RAB, Benicio MHDA. Obesidade em mulheres brasileiras: associação com paridade e nível socioeconômico. Rev Panam Salud Pública. 2015; 37(4/5):337-42.

Gonçalves JTT, Silveira MF, Campos MCC, Costa LHR. Sobrepeso e obesidade e fatores associados ao climatério. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(4):1145-55. doi: 10.1590/1413-81232015214.16552015

Lima NP, Horta BL, Motta JVS, Valença MS, Oliveira V, Santos TV et al. Evolução do excesso de peso e obesidade até a idade adulta, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, 1982-2012. Cad Saúde Pública. 2015; 31(9):2017-25. doi: 10.1590/0102-311X00173814

Ramos APS, Melo MFGA, Paiva JA, Paula GN, Rios AKV, Ramalho LAG, Castro JBR. Perfil epidemiológico das internações por obesidade no Brasil, no período de 2017 a 2021. Res Soc Dev. 2022; 11(4):e39111427460. doi: 10.33448/rsd-v11i4.27460

Faria AL, Almeida SG, Ramos TM. Impactos e consequências das dietas da moda e da suplementação no comportamento alimentar. Res Soc Dev. 2021; 10(10):e441101019089. doi: 10.33448/rsd-v10i10.19089

Deram S. O peso das dietas: faça as pazes com a comida dizendo não às dietas. 1. ed. Editora Sextante: Rio de Janeiro; 2018.

Guerra CG, Ferraz RRN, Nascimento MA, Barnabé AS, Fornari JV et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em discentes de uma instituição de ensino superior da região macropolitana paulista. Saúde foco. 2016; 1(8):1-11.

Martins TCR, Chagas RB, Andrade JFR, Mendes DC, Souza LPS et al. Excesso de peso e fatores associados: um estudo de base populacional. Enferméria Global. 2016; 1(44):63-74.

Ulbrich AZ, Bertin RL, Stabelini Neto A, Bozza R, Piola TS, Campos W. Associação do estado nutricional com a hipertensão arterial de adultos. Motriz: Rev Educ Fis. 2011; 17(1):424-30. doi: 10.1590/S1980-65742011000300006

Lesser, J. Um Brasil melhor. Hist Ciênc Saúde-Manguinhos. 2014; 21(1):1-14. doi: 10.1590/S0104-59702014005000010

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Contas nacionais: conta-satélite de saúde: Brasil, 2007-2009 [Internet]. [citado em 2023 mar 1]. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2012. Rio de Janeiro: [2023]. Acesso em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9056-conta-satelite-de-saude.html?=&t=resultados

Bahia L, Coutinho ESF, Barufaldi LA, Abreu GA, Malhão TA, Souza CPR, Araújo DV. The costs of overweight and obesity-related diseases in the Brazilian public health system: cross-sectional study. BMC Public Health. 2012; 12(440):1-7. doi: 10.1186/1471-2458-12-440

Oliveira ML, Santos LMP, Silva EN. Direct healthcare cost of obesity in Brazil: an application of the cost-of-illness method from the perspective of the public health system in 2011. PLoS One. 2015; 10(4):e0121160. doi: 10.1371/journal.pone.0121160

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Tábua completa de mortalidade para o Brasil: 2018: breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. [Internet]. [citado em 2023 abr 30]. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2018. Rio de Janeiro: [2023]. Acesso em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3097/tcmb_2018.pdf

Moura EC, Gomes R, Falcão MTC, Schwarz E, Neves ACM et al. Desigualdades de gênero na mortalidade por causas externas no Brasil, 2010. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(3):779-88. doi: 10.1590/1413-81232015203.11172014

Lemos AP, Ribeiro C, Fernandes J, Bernardes K, Fernandes R. Saúde do homem: os motivos da procura dos homens pelos serviços de saúde. Rev enferm UFPE online. 2017; 11(Supl. 11):4546-53. doi: 10.5205/reuol.11138-99362-1-SM.1111sup201714

Melo EMA, Marques APO, Leal MCC, Melo HMA. Síndrome da fragilidade e fatores associados em idosos residentes em instituições de longa permanência. Saúde debate. 2018; 42(117):468-80. doi: 10.1590/0103-1104201811710

Santos PHS, Fernandes MH, Casotti CA, Coqueiro RS, Carneiro JAO. Perfil de fragilidade e fatores associados em idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(6):1917-24. doi: 10.1590/1413-81232015206.17232014

Downloads

Publicado

2023-07-03

Como Citar

1.
Teixeira Teles Gonçalves J, Vieira KH, Teles Gonçalves C, Seixas MC, Ferreira Santana R, Ribeiro Borges MA, Andrade de Prince K. Perfil sociodemográfico, internações e óbitos por obesidade nas regiões brasileiras. HU Rev [Internet]. 3º de julho de 2023 [citado 17º de abril de 2024];49:1-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/40428

Edição

Seção

Artigos Originais