Historiografia e historicidade de mulheres que vivenciaram o parto vaginal: contribuições para a enfermagem obstétrica

Autores

  • Elayne Arantes Elias Faculdade de Ciências, Educação, Saúde, Pesquisa e Gestão (CENSUPEG) https://orcid.org/0000-0001-5380-8888
  • Dayanne Teresinha Granetto Cardoso Floriani Faculdade de Ciências, Educação, Saúde, Pesquisa e Gestão (CENSUPEG)
  • Letycia Sardinha Peixoto Manhães Faculdade de Ciências, Educação, Saúde, Pesquisa e Gestão (CENSUPEG) https://orcid.org/0000-0003-4224-2158
  • Viviam Lombardi Ferreira Faculdade de Ciências, Educação, Saúde, Pesquisa e Gestão (CENSUPEG)
  • Matheus Alves Ribeiro Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro
  • Lauanna Malafaia da Silva Faculdade de Ciências, Educação, Saúde, Pesquisa e Gestão (CENSUPEG)
  • Tarcísio Manhães Souza Universidade Salgado de Oliveira https://orcid.org/0000-0003-3904-1750

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.37786

Palavras-chave:

Mulheres, Parto, Enfermagem Obstétrica, Historiografia

Resumo

Introdução: Visando a saúde das mulheres e a redução da morbimortalidade, o Brasil vem revisando o modelo de atenção ao parto e implementando ações para incentivar o parto vaginal. O estudo se justifica pela necessidade do direito das gestantes ao pré-natal e ao parto, de forma digna e respeitosa, livre de violência obstétrica, com cuidados equitativos e cumprimento do tempo de licença maternidade. Objetivo: Descrever a historiografia e a historicidade da mulher no parto vaginal e na maternidade e identificar a assistência recebida. Métodos: Pesquisa qualitativa fenomenológica heideggeriana realizada com 14 mulheres que passaram pelo parto vaginal entre setembro de 2018 e abril de 2019. A coleta de dados respeitou os princípios éticos e utilizou a entrevista aberta audiogravada, para a abertura do desvelamento do fenômeno da historiografia e da historicidade, que deram seguimento para a etapa analítica, também chamada de compreensão vaga e mediana em estudos fenomenológicos, confrontando os achados com a literatura. Resultados: A idade das 14 participantes variou entre 22 e 41 anos. O parto vaginal foi decidido pela maioria e 7 depoentes afirmaram não terem tido informação acerca dele. A maioria também se preocupou se haveria lesão vaginal e como seria o sexo após o parto, mas com relatos de ter voltado ao normal. Muitas não receberam informações sobre a vida sexual após o parto e buscaram se informar. Nenhuma delas se arrependeu de ter passado pelo parto vaginal. A minoria contou que fez o planejamento da gravidez. Conclusão: A vivência desse parto foi positiva, protagonizando a mulher e a fisiologia, porém há fragilidade na atuação do enfermeiro na consulta pré-natal e puerperal e no planejamento reprodutivo, bem como a invisibilidade na assistência ao parto. Uma abordagem completa inclui informações e assistência de enfermagem obstétrica de qualidade e humanizada, como preconizado nas políticas públicas de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Sales JL, Quitete JB, Knupp VMAO, Martins MAR. Assistência ao parto em um hospital da Baixada Litorânea do Rio de Janeiro: desafios para um parto respeitoso. Rev Pesq Cuid Fundam Online. 2020; 12:108-14. DOI: 10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.709.

Ayoubi S, Pazandeh F, Simbar M, Moridi M, Zare E, Potrata B. A questionnaire to assess women's perception of respectful maternity care (WP-RMC): development and psychometric properties. Midwifery 2020; 80: e102573. DOI: https://doi.org/10.1016/j.midw.2019.102573.

Amariz LCB, Queiroz CG, Costa ST, Oliveira PSD, Oliveira RFR. Conhecimento e prática dos profissionais da atenção primária a saúde sobre a participação paterna durante os períodos gestacional e puerperal. HU Rev. 2021; 47: 1-8. DOI: 10.34019/1982-8047.2021.v47.35708.

Entringer AP, Pinto M, Dias MAB, Gomes MASM. Análise de custo-efetividade do parto vaginal espontâneo e da cesariana eletiva para gestantes de risco habitual no Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2018; 34(5): e00022517. DOI: 10.1590/0102-311X00022517.

Pereira LC, Tsallis AC. Maternidade versus sacrifício: uma análise do efeito moral dos discursos e práticas sobre a maternidade comumente engendrados nos corpos das mulheres. Pesq Prát Psicossociais. 2020; 15(3): 1-14.

Santos JMJ, Matos TS, Mendes RB, Freitas CKAC, Leite AM, Rodrigues IDCV. Influência do planejamento reprodutivo e da satisfação materna com a descoberta da gravidez na qualidade da assistência pré-natal no Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2019; 19(3): 537-40. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-93042019000300003.

Grein TAD, Nascimento VF, Hattori TY, Terças ACP, Borges AP. Saberes de puérperas sobre o planejamento reprodutivo. Semina: Ciênc Biológ Saúde. 2017; 38(2): 145-54. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2017v38n2p145.

Mertens RSK, Santos GA. A influência de Nietzsche na concepção de historicidade e historiografia de Heidegger. Aufklärung. 2020; 7(1): 6778. DOI: https://doi.org/10.18012/arf.v7i1.49010.

Heidegger, M. Ser e Tempo. 7. ed. Petrópolis: Vozes; 2012.

Amorim TV, Souza IEO, Salimena AMO, Padoin SMM, Melo RCJ. Operationality of concepts in Heideggerian phenomenological investigation: epistemological reflection on Nursing. Rev Bras Enferm. 2019; 72(1): 304-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0941.

Guerrero-Castañeda RF, Menezes TMO, Ojeda-Vargas MG. Characteristics of the phenomenological interview in nursing research. Rev Gaúcha Enferm. 2017; 38(2): e67458. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.02.67458.

Braga JO, Thevenaz P. O que é a fenomenologia?: Parte I, a fenomenologia de Husserl. Rev Abord Gestalt. 2017; 23(2): 246-56.

Souza VR, Marziale MH, Silva GT, Translation and validation into Brazilian Portuguese and assessment of the COREQ checklist. Acta

Paul Enferm. 2021; 34: eAPE02631. DOI: https://doi.org/10.37689/acta-

ape/2021AO02631.

Silva LF, Amorim TV, Souza IEO, Batista DCS, Padoin SMM, Melo MCSC. Historiografia e historicidade de mulheres portadoras de cardiopatia: revelações na consulta de enfermagem que contribuem para a integralidade da atenção em saúde. Investigação Qualitativa em Saúde. 2015; 1.

Medeiros GS, Rocha Filho JB. Fenomenologia hermenêutica: da filosofia à pesquisa qualitativa no ensino: educadores dialógicos e perspectivas de mundo. Rev Cienc Educ. 2016; 36: 139-52. DOI: https://doi.org/10.19091/reced.v1i36.543.

Berger, BO, Wolfson, C, Reid, LD, Strobino, DM. Adverse birth outcomes among women of advanced maternal age with and without health conditions in Maryland. Womens Health Issues. 2021; 31(1): 40-8. DOI: 10.1016/j.whi.2020.08.008.

Peres JF, Carvalho ARS, Viera CS, Linares AM, Christoffel MM, Toso BRGO. Qualidade da relação da gestante com as pessoas próximas e o aleitamento materno. Esc Anna Nery. 2021; 25(2): e20200163. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2020-0163.

Franze AMAK, Benedet DCF, Wall ML, Trigueiro TH, Souza SRRK. Planejamento reprodutivo nas orientações em saúde: revisão integrativa. REFACS. 2019; 7(3): 366-377. DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i3.3759.

Silva GA, Lanza FM, Oliveira PP de, Oliveira VC de, Pimenta AM, Viegas SMF. Informações sobre sexo e sexualidade na adolescência: uma barreira a ser vencida. HU Rev. 2021; 47: 1-7. DOI: 10.34019/1982-8047.2021.v47.33961.

Marques BL, Tomasi YT, Saraiva SS, Boing AF, Geremia DS. Orientações às gestantes no pré-natal: a importância do cuidado compartilhado na atenção primária em saúde. Esc Anna Nery. 2021; 25(1): e20200098. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2020-0098.

Castiglioni CM, Cremonese L, Prates LA, Schimith MD, Sehnem GD, Wilhelm LA. Práticas de cuidado no puerpério desenvolvidas por enfermeiras em Estratégias de Saúde da Família. Rev Enferm UFSM. 2020; 10(e50): 1-19. DOI: 10.5902/2179769237087.

Wang E, Glazer KB, Sofaer S, Balbierz A, Howell EA. Racial and ethnic disparities in severe maternal morbidity: a qualitative study of women's experiences of peripartum care. Womens Health Issues. 2021; 31(1): 75-81. DOI: 10.1016/j.whi.2020.09.002.

Vargens OMC, Alehagen S, Silva ACV. Desejando parir naturalmente: perspectiva de mulheres sobre o parto domiciliary planejado com uma enfermeira obstétrica. Rev Enferm UERJ. 2021; 29: e56113. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2021.56113.

Bautista-Charry AA, Grillo-Ardila CF. Parto vaginal a término en presentación pelviana, ¿una opción temeraria o una oportunidad?. Rev Colomb Obstet Ginecol. 2019; 70(4): 215-18. DOI: http://dx.doi.org/10.18597/rcog.3483.

Downloads

Publicado

2022-09-13

Como Citar

1.
Arantes Elias E, Teresinha Granetto Cardoso Floriani D, Sardinha Peixoto Manhães L, Lombardi Ferreira V, Alves Ribeiro M, Malafaia da Silva L, Manhães Souza T. Historiografia e historicidade de mulheres que vivenciaram o parto vaginal: contribuições para a enfermagem obstétrica. hu rev [Internet]. 13º de setembro de 2022 [citado 26º de setembro de 2022];48:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/37786

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.