Epidemia de HIV/AIDS entre a população idosa do Brasil de 2008 a 2018: uma análise epidemiológica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.37626

Palavras-chave:

Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, HIV, Idoso, Epidemiologia, Atenção Integral à Saúde

Resumo

Introdução: A queda da taxa de fecundidade, a modernização da prática médica e consequente aumento da sobrevida são fatores que culminaram no processo de envelhecimento populacional, vivido hoje no Brasil. Esse aumento da população de pessoas idosas associado a mudanças no comportamento sexual destes indivíduos, a resistência ao uso de preservativos e a grande disponibilidade de medicamentos para disfunção erétil têm contribuído para a construção de um novo perfil epidemiológico da infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (Human Immunodeficiency Virus – HIV) e da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Acquired Immunideficiency Syndrome – AIDS) na terceira idade. Objetivo: Descrever os dados epidemiológicos referentes aos casos diagnosticados de HIV/AIDS, no Brasil, em indivíduos com idade igual ou superior a 60 anos. Material e Métodos: Executou-se uma coleta de dados no endereço eletrônico do DATASUS, referentes ao período de 2008 a 2018. Resultados: Neste período foram diagnosticados 21.701 novos casos de HIV/AIDS em pessoas com idade ≥60 anos, o que representa 4,9% do total de casos notificados em território nacional. Segundo a proporção de casos de acordo com o sexo, os homens são os mais acometidos, a categoria de exposição hierarquizada mais frequente foi de heterossexuais e a região com maior número de casos foi a Sudeste. Além disso, de acordo com a escolaridade, o HIV/AIDS se mostrou mais prevalente naqueles que apresentavam menos tempo de estudo. Conclusão: Conclui-se que, devido ao aumento da demanda de idosos portadores da patologia, faz-se necessária a elaboração e implementação de campanhas de prevenção e promoção de saúde especificamente voltadas para esse público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Júnior CSD, Costa CS, Lacerda MA. O envelhecimento da população brasileira: uma análise de conteúdo das páginas da REBEP. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2006; 9(2):7-24.

Carvalho JAM, Brito F. A demografia brasileira e o declínio da fecundidade no Brasil: contribuições, equívocos e silêncios. Rev Bras Est Pop. 2005; 22(2):351-69.

Camarano AA. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. Texto para discussão. 2002; 858:1-29.

Carvalho JAM. Crescimento populacional e estrutura demográfica no Brasil. Texto para discussão. 2004: 227:1-18.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Retroprojeção da População do Brasil por sexo e grupo de idade: 2010-2000 [Internet]. [citado em 2020 set 19]. Brasília: [2020]. Acesso em: https://www.ibge.gov.br.

Lima AM, Maia JCV, Sousa AB. Perfil epidemiológico da aids em idosos no estado do Pará utilizando dados do Sistema de Informações de Saúde do DATASUS. Revista Paraense de Medicina. 2013; 27(4):53-8.

Barbosa AS. Avaliação da adesão ao tratamento antirretroviral em pacientes idosos soropositivos [Dissertação]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Casos de Aids – Desde 1980 (SINAN) [Internet]. [citado em 2020 set 19]. Brasília: [2020]. Acesso em: https://datasus.saude.gov.br/.

Godoy VS, Ferreira MD, Silva EC, Gir E, Canini SRMS. O perfil epidemiológico da aids em idosos utilizando Sistemas de Informação em Saúde do DATASUS: realidades e desafios. J Bras Doenças Sex Transm. 2008; 20(1):7-11.

Almeida MRCB, Labronici LM. A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela história oral. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 12(1):263-74.

Brasil. Portaria n° 542, de 22 de dezembro de 1986 [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. [citado em 2020 nov 30]. 24 de dezembro de 1986; Seção 1:19827-1986. Acesso em: http://www.aids.gov.br/pt-br/gestores/vigilancia-epidemiologica.

Brasil. Portaria n° 1271, de 06 de junho de 2014 [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. [citado em 2022 ago 02]. 09 de junho de 2014; Seção 1:68. Acesso em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html

Luz TCB, Pedrosa ML. A subnotificação de casos de doenças sexualmente transmissíveis: a situação do Estado do Rio de Janeiro. J Bras Doenças Sex Transm. 2005; 17(2):111-6.

Silva EC, Costa Junior ML. Transtornos mentais e comportamentais no sistema de informações hospitalares do SUS: perspectivas para a enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2006; 40(2):196-202.

World Health Organization. Integrated care for older people: guidelines on community-level interventions to manage declines in intrinsic capacity [Internet]. [citado em 2020 out 28]. Genebra: WHO; 2017. Acesso em: https://www.who.int/health-topics/ageing#tab=tab_1.

Ministério da Saúde (BR). Estatuto do idoso [Internet]. [citado em 2020 out 28]. Brasília: 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estatuto_idoso_2ed.pdf.

Aguiar RB, Leal MCC, Marques APO, Torres KMS, Tavares MTDB. Idosos vivendo com HIV: comportamento e conhecimento sobre sexualidade: revisão integrativa. Ciênc Saúde Coletiva. 2020; 25(2):575-84.

Aguiar RB, Leal MCC, Marques APO. Conhecimento e atitudes sobre sexualidade em pessoas idosas com HIV. Ciênc Saúde Coletiva. 2020; 25(6):2051-62.

Bezerra VP, Serra MAP, Cabral IPP, Moreira MASP, Almeida AS, Patrício ACFA. Práticas preventivas de idosos e a vulnerabilidade ao HIV. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(4):70-6.

Sousa LRM, Moura LKB, Vale ARMC, Magalhães RLB, Moura MEB. Representações sociais do HIV/AIDS por idosos e a interface com a prevenção. Rev Bras Enferm. 2019; 72(5):1129-36.

Alencar RA, Ciosak SI. O diagnóstico tardio e as vulnerabilidades dos idosos vivendo com HIV/AIDS. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(2):229-35.

Alencar RA, Ciosak SI. Aids em idosos: motivos que levam ao diagnóstico tardio. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):1140-6.

Oliveira CS, Mendonça DS, Assis LM, Garcia PG. Perfil epidemiológico da AIDS no Brasil utilizando sistemas de informações do DATASUS. RBAC. 2020; 52(3):281-5.

Knauth DR, Hentges B, Macedo JL, Pilecco FB, Teixeira LB, Leal AF. O diagnóstico do HIV/AIDS em homens heterossexuais: a surpresa permanece mesmo após mais de 30 anos de epidemia. Cad Saúde Pública. 2020; 36(6):e00170118.

Cerqueira MBR, Rodrigues RN. Fatores associados à vulnerabilidade de idosos vivendo com HIV/AIDS em Belo Horizonte (MG), Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2016; 21(11):3331-8.

Sousa JL, Silva MDP, Montarroyos UR. Tendência de AIDS no grupo etário de 50 anos e mais no período anterior e posterior à introdução de medicamentos para disfunção erétil: Brasil, 1990 a 2003. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2007; 10(2):203-16.

Godoy MR, Sousa TRV, Silva EN. O impacto do status socioeconômico na incidência de casos de aids nos municípios brasileiros: estudos por dados em painel. Econ Região. 2013; 1(1):4-25.

Laguardia J, Domingues CMA, Carvalho C, Lauerman CR, Macário E, Glatt R. Sistema de informação de agravos de notificação em saúde (SINAN): desafios no desenvolvimento de um sistema de informação em saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2004; 13(3):135-146.

Downloads

Publicado

2022-08-24

Como Citar

1.
Arruda de Carvalho P, Picone Borges de Aragão I. Epidemia de HIV/AIDS entre a população idosa do Brasil de 2008 a 2018: uma análise epidemiológica. hu rev [Internet]. 24º de agosto de 2022 [citado 26º de setembro de 2022];48:1-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/37626

Edição

Seção

Artigos Originais