Validação de intervalos de referência de exames bioquímicos do laboratório de análises clínicas de um hospital universitário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.37592

Palavras-chave:

Técnicas de Laboratório Clínico, Testes de Química Clínica, Valores de Referência

Resumo

Introdução: Os intervalos de referência (IRs) disponibilizados em laudos de exames laboratoriais orientam a interpretação dos resultados, respaldando a avaliação clínica realizada por profissionais de saúde. Objetivo: Validar IRs de parâmetros bioquímicos, com base nas características da população local, bem como em informações disponíveis nas bulas dos reagentes e na literatura científica. Material e Métodos: Foi realizado um estudo observacional, descritivo e transversal para padronização de IRs de trinta e quatro parâmetros bioquímicos, executados pelo laboratório de análises clínicas de um hospital universitário. Participaram do estudo quarenta indivíduos adultos, pareados pelo sexo, que responderam um questionário sobre o estado geral de saúde. Uma amostra de sangue foi coletada de cada participante e analisada conforme os padrões do laboratório. Resultados: Os dados obtidos com os voluntários saudáveis permitiram a validação dos IRs de albumina, alanina aminotransferase, amilase, aspartato aminotransferase, bilirrubina direta, bilirrubina indireta, bilirrubina total, cálcio iônico, capacidade total e latente de fixação de ferro, creatinoquinase fração MB, cloro, ferro, fosfatase alcalina, fósforo, gama glutamiltransferase, glicose, lipoproteína de alta densidade, lactato, lactato desidrogenase, lipase, magnésio, potássio, proteínas totais, saturação da transferrina, sódio, triglicerídeos e ureia, de ambos os sexos. Ácido úrico foi validado apenas para o sexo masculino e creatinoquinase total (CK) foi validado apenas para o sexo feminino. Conclusão: Os IRs contidos nas bulas destes reagentes representam a população atendida pelo laboratório e podem continuar sendo utilizados. Em contrapartida, os IRs dos analitos colesterol total, lipoproteína de baixa densidade, cálcio, ácido úrico feminino e CK masculino não foram validados e necessitam de novos estudos para a validação dos intervalos de referência utilizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). RDC n° 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre regulamento técnico para funcionamento de laboratórios clínicos [Internet]. [citado em 2020 nov 07]. Diário Oficial da União. 2005. Acesso em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_302_2005_COMP.pdf/7038e853-afae-4729-948b-ef6eb3931b19

Aragão DP, Araujo RML. Orientação ao paciente antes da realização de exames laboratoriais. Rev Bras Análises Clínicas. 2019; 51(2):98-102. doi: 10.21877/2448-3877.201900759

Ferreira VBM. Variação biológica na interpretação dos resultados laboratoriais dos pacientes do IPEC portadores de AIDS/HIV [Dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas; 2008.

Ramos LR, Oliveira MV, Souza CL. Avaliação de variáveis pré-analíticas em exames laboratoriais de pacientes atendidos no Laboratório Central de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 2020; 56:1-8. doi: https://doi.org/10.5935/1676-2444.20200009

Shcolnik W. Erros laboratoriais e segurança do paciente: revisão sistemática [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2012.

Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (BR). Brasil: Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos [Internet]. [citado em 2021 fev 02]. c2021. Available from: http://bibliotecasbpc.org.br/arcs/pdf/NormaPALC2021_web.pdf.

Centers for Medicare & Medicaid Services, Centers for Disease Control and Prevention. Clinical Laboratory Improvement Amendments of 1988: fecal occult blood (FOB) testing: Final rule. Fed Regit. 2017; 82(202):48770-3.

College of American Pathologists (EUA). Laboratory general checklist: CAP accreditation program [Internet]. [citado em 2021 fev 02]. Nothfield: College of American Pathologists; 2017. Acesso em: https://elss.cap.org/elss/ShowProperty?nodePath=/UCMCON/Contribution%20Folders/DctmContent/education/OnlineCourseContent/2017/LAP-TLTM/checklists/cl-gen.pdf.

Escott-Stump S, Krauss B, Pavlinac J, Robinson G. Joint commission on accreditation of healthcare organizations: friend, not foe. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics. 2000; 100(7):839. doi: 10.1016/S0002-8223(00)00243-1

Clinical and Laboratory Standards Institute (EUA). Defining, establishing, and verifying reference intervals in the clinical laboratory: approved guideline [Internet]. [citado em 2021 fev 02]. 3th. ed. Wayne: Clinical and Laboratory Standards Institute; 2010. Acesso em: https://clsi.org/media/1421/ep28a3c_sample.pdf

Ferreira, CEDS, Andriolo A. Intervalos de referência no laboratório clínico. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 2008; 44:11-16.

Clinical and Laboratory Standards Institute (EUA). How to define and determine reference intervals in the clinical laboratory: approved guideline [Internet]. [citado em 2021 fev 02]. 2nd. ed. Wayne: Clinical and Laboratory Standards Institute; 2000. Available from: https://docs.ufpr.br/~taconeli/CE06219/Artigo_FR3.pdf

Jones GR, Haeckel R, Loh TP, Sikaris K, Streichert T et al. Indirect methods for reference interval determination: review and recommendations. Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. 2018; 57(1):20-9. doi: https://doi.org/10.1515/cclm-2018-0073

Geffré A, Friedrichs K, Harr K, Concordet D, Trumel C, Braun JP. Reference values: a review. Veterinary clinical pathology. 2009; 38(3):288-98. doi: 10.1111/j.1939-165X.2009.00179.x

Horowitz GL. Reference intervals: practical aspects. Electronic Journal of the International Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. 2008; 19(2):95.

Solberg HE, PetirClerc C. International Federation of Clinical Chemistry (IFCC), Scientific Committee, Clinical Section, Expert Panel on Theory of Reference Values. Approved recommendation (1988) on the theory of reference values: part 3: preparation of individuals and collection of specimens for the production of reference values. J Clin Chem Clin Biochem. 1988; 26(9):593-8.

Ozarda Y. Reference intervals: current status, recent developments and future considerations. Biochemia medica. 2016; 26(1):5-16. doi: https://doi.org/10.11613/BM.2016.001

Ritchie RF, Palomaki G. Selecting clinically relevant populations for reference intervals. Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. 2004; 42(7):702-9. doi: https://doi.org/10.1515/CCLM.2004.120

Campos JADB, Loffredo LCM, Almeida JC. Razão de prevalências: alcoolismo nas diferentes regiões geográficas do Brasil segundo o sexo. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada. 2007. 28(3):347-50.

Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, Sociedade Brasileira de Diabetes, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (BR). Consenso brasileiro para a normatização da determinação do perfil lipídico [Internet]. [citado em 2022 jan 22]. 2016. Acesso em: http://www.sbpc.org.br/upload/conteudo/consenso_jejum_dez2016_final.pdf.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic [Internet]. [citado em 2022 fev 03]. Geneva: c2000. Acesso em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/42330

Duarte MEC, González MG. Relación entre el IMC, las funciones motoras y cognitivas en niños escolares. Revista Universitaria de la Educación Física y el Deporte. 2021; 14(2). doi: 10.28997/ruefd.v14i2.3

Gonçalves ECDA, Silva DAS, Nunes HEG, Lima TRD, Capdeboscq MC, Rinaldi W. Overweight and factors associated in civil servants from Southern Brazil. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. 2016; 18:277-86. doi: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2016v18n3p277

Paula FJ, Foss MC. Tratamento da hipercalcemia e hipocalcemia. Medicina. 2003; 36(2/4):370-4. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v36i2/4p370-374

Boulesteix G, Bourin P, Fabre G, de Vaucouleurs AB, Molinié C et al. Marqueurs des hépatites virales B et D et taux des alanine aminotransférases: chez les donneurs de sang en milieu militaire: bilan sur 30 000 dons de sang en 1989. Revue française de transfusion et d'hémobiologie. 1990; 33(1):9-20. doi: 10.1016/s1140-4639(05)80001-2

Downloads

Publicado

2022-08-11

Como Citar

1.
Arruda L, Silvino Ferreira Assis A. Validação de intervalos de referência de exames bioquímicos do laboratório de análises clínicas de um hospital universitário . hu rev [Internet]. 11º de agosto de 2022 [citado 26º de setembro de 2022];48:1-10. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/37592

Edição

Seção

Artigos Originais