Prevalência de aleitamento materno e fatores associados entre mães adolescentes de Governador Valadares, Minas Gerais

Autores

  • Natália Oliveira Izidoro Departamento de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora campus Governador Valadares, Governador Valadares, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-8446-9444
  • Fernanda Milagres Resende Chitarra Departamento de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora campus Governador Valadares, Governador Valadares, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-8113-1886
  • Lorena Andrade Silva Departamento de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora campus Governador Valadares, Governador Valadares, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-9223-7907
  • Karolina Bortolini Magevski Departamento de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora campus Governador Valadares, Governador Valadares, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0003-1081-1950
  • Mateus Ferreira Franco Departamento de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora campus Governador Valadares, Governador Valadares, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-3548-491X
  • Luíza Magalhães da Rocha https://orcid.org/0000-0001-6109-8070
  • Bruna Celestino Schneider Departamento de Nutrição, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Rio Grande do Sul https://orcid.org/0000-0002-1035-0106
  • Milena de Oliveira Simões Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, Rio Grande do Sul https://orcid.org/0000-0002-1088-7456

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2022.v48.35587

Palavras-chave:

Gravidez na Adolescência, Aleitamento Materno, Estudos Transversais

Resumo

Introdução: O aleitamento materno (AM) é recomendado pela Organização Mundial da Saúde de forma exclusiva até seis meses de vida e complementado até ≥2 anos. Para as nutrizes, a amamentação oferece benefícios como proteção para diabetes tipo II, retorno mais rápido ao peso pré-gestacional e aumento do espaçamento entre gestações. Entretanto, a prevalência da amamentação no Brasil (2013) foi de apenas 56%, sendo a adolescência fator de risco para a não amamentação e o desmame precoce. Objetivo: Analisar a prevalência de AM aos quatro meses após o parto e seus fatores associados entre mães adolescentes do município de Governador Valadares, MG. Material e Métodos: Estudo transversal, parte de pesquisa intitulada “Consumo alimentar de gestantes adolescentes e retenção de peso pós-parto: um estudo de coorte”. Realizou-se um censo abrangendo todas as puérperas adolescentes (idade <20 anos) residentes no município que tiveram seu parto nas três maternidades locais entre outubro de 2018 e outubro de 2019. A coleta de dados ocorreu por questionário nas primeiras 48 horas pós-parto e no 4º mês pós-parto. Os dados foram analisados no software Stata®16.1. Resultados: Foram entrevistadas 367 mães (taxa de resposta 98,6%) com idade média de 17,6 anos (±1,57). Quatro meses após o parto realizou-se visita domiciliar, compreendendo 317 mães. Destas, 75,4% mantiveram a amamentação e somente 25,9% ofereciam exclusivamente leite materno. Conclusão: Verifica-se que, apesar da elevada intenção de amamentar, há baixa prevalência de AM exclusivo ao 4º mês pós-parto. Menor escolaridade, tabagismo, menor idade materna e trabalhar fora de casa apresentaram-se como fatores de risco para menor tempo de manutenção do AM.  Deve-se considerar que a lactação é envolta por grande carga emocional e, na adolescência, somam-se outros fatores psicológicos, fisiológicos e inexperiência para lidar com a maternidade, sendo necessária uma forte rede de apoio profissional durante os períodos pré-natal, parto e pós-parto. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

World Health Organization. Guideline: protecting, promoting and supporting breastfeeding in facilities providing maternity and newborn services. Geneva: c2017. [Citado em 2021 ago]. Acessado em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/259386

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. [Citado em 2021 ago 28]. Acessado em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf

Quadros D, Schimidt L, Deon RG. Prevalência de aleitamento materno em crianças menores de 2 anos de idade. Revista de Enfermagem. 2017; 13(13):29-40.

Ciampo LAD, Ciampo IRLD. Breastfeeding and the benefits of lactation for women’s health. Rev Bras Ginecol Obstet. 2018; 40(6):354-59. doi: 10.1055/s-0038-1657766

Boccolini CS, Boccolini PMM, Monteiro FR, Venâncio SI, Giugliani ERJ.Tendência de indicadores do aleitamento materno no Brasil em três décadas. Rev Saude Publica. 2017; 51:108. doi: 10.11606/S1518-8787.2017051000029

Flores TR, Nunes BP, Neves RG, Wendt AT, Costa CS, Wehrmeister FC et al. Consumo de leite materno e fatores associados em crianças menores de dois anos: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Cad Saúde Pública. 2017; 33(11):e00068816. doi: 10.1590/0102-311X00068816

Pivetta HMF, Braz MM, Pozzebon NM, Freire AB, Real AA, Cocco VM et al. Prevalência de aleitamento materno e fatores associados: uma revisão de literatura. Rev Ciênc Méd Biol. 2018; 17(1):95-101. doi: 10.9771/cmbio.v17i1.12783

Leclair E, Robert N, Sprague AE, Fleming N. Factors associated with breastfeeding initiation in adolescent pregnancies: a cohort study. J Pediatr Adolesc Gynecol. 2015; 28(6):516-21. doi: 10.1016/j.jpag.2015.03.007

Nuampa S, Tilokskulchai F, Patil CL, Sinsuksai N, Phahuwatanakorn W. Factors related to exclusive breastfeeding in Thai adolescent mothers: concept mapping approach. Maternal Child Nutr. 2019; 15(20):e12714. doi: 10.1111/mcn.12714

Sayres S, Visentin L. Breastfeeding: uncovering barriers and offering solutions. Curr Opin Pediatr. 2018; 30(4):591-96. doi: 10.1097/MOP.0000000000000647

Giacomello A, Schimidt MI, Nunes MAA et al. Validation of a food frequency questionnaire conducted among pregnant women attended by the Brazilian National Health Service, in two municipalities of the State of Rio Grande do Sul, Brazil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2008; 8(4):445-54. https://doi.org/10,1590/S1519-38292008000400010

Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. 1977; 33(1):159-74.

Sipsma HL, Magriples U, Divney A, Gordon D, Gabzdyl E, Kershaw T. Breastfeeding behavior among adolescents: initiation, duration, and exclusivity. J Adolesc Health. 2013; 53(3):394-400. doi: 10.1016/j.jadohealth.2013.04.005

Agho KE, Ahmed T, Fleming C, Dhami MV, Miner CA, Torome R et al. Breastfeeding practices among adolescent mothers and associated factors in Bangladesh (2004-2014). Nutrients. 2021; 13(2):557-78. doi: 10.3390/nu13020557

Luthje EH, Mainardi TEB, Luthje GMH, Lopez EA. Prevalence of exclusive breastfeeding and factors associated with exclusive breastfeeding in adolescent mothers in an Upper Middle Income Country. 2020; 146(1):274-276. doi: /10.1542/peds.146.1_MeetingAbstract.274-a

Maranhão TA, Gomes KRO, Nunes LB, Moura LNBD. Fatores associados ao aleitamento materno exclusivo entre mães adolescentes. Cad Saúde Colet. 2015; 23(2):132-39. doi: 10.1590/1414-462X201500020072

World Health Organization. Global nutrition targets 2025: policy brief series. Geneva: c2012. [Citado 2021 ago]. Acessado em: https://www.who.int/publications/i/item/WHO-NMH-NHD-14.2.

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil: ENANI-2019: resultados preliminares: indicadores de aleitamento materno no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ; 2020.

Apostolakis-Kyrus K, Valentine C, DeFranco E. Factors associated with breastfeeding initiation in adolescent mothers. J Pediatr. 2013; 163(5):1489-94. doi: 10.1016/j.jpeds.2013.06.027

Pereira RSV, Oliveira MICD, Andrade CLTD, Brito ADS. Fatores associados ao aleitamento materno exclusivo: o papel do cuidado na atenção básica. Cad Saúde Pública. 2010; 26(12):2343-54.

Lechosa-Muñiz C, Paz-Zulueta M, Sota SM, Herrero MSA, Rio EC, Llorca J et al. Factors associated with duration of breastfeeding in Spain: a cohort study. Int Breastfeed J. 2020; 15(79):1-9. doi: 10.1186/s13006-020-00324-6

Napierala M, Mazela J, Merritt TA, Florek E. Tobacco smoking and breastfeeding: effect on the lactation process, breast milk composition and infant development: a critical review. Environ Res. 2016; 151:321-38. doi: 10.1016/j.envres.2016.08.002

Godleski SA, Shisler S, Eiden RD, Schuestse P. Maternal smoking and psychosocial functioning: impacton subsequent breastfeeding practices. Breastfeed Med. 2020; 15(4):246-253. doi:10.1089/bfm.2019.0148

Downloads

Publicado

2022-03-22

Como Citar

1.
Oliveira Izidoro N, Milagres Resende Chitarra F, Andrade Silva L, Bortolini Magevski K, Ferreira Franco M, Magalhães da Rocha L, Celestino Schneider B, de Oliveira Simões M. Prevalência de aleitamento materno e fatores associados entre mães adolescentes de Governador Valadares, Minas Gerais. hu rev [Internet]. 22º de março de 2022 [citado 26º de maio de 2022];48:1-8. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/35587

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)