Espondilite tuberculosa em paciente com doença de Crohn em uso de terapia imunossupressora: relato de caso

Autores

  • Guilherme Gouveia Hollunder Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-4948-2472
  • Marcus Vinicius De Oliveira Ferreira Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0003-4111-1519
  • Caio Gomes Tabet Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0002-4494-2927
  • Valdeci Manoel de Oliveira Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-7691-2127
  • Jair Moreira Dias Junior Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0003-4848-1555

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.34257

Palavras-chave:

Tuberculose, Doença de Crohn, Tuberculose da coluna vertebral, Fusão vertebral

Resumo

Introdução: A infecção pelo Mycobacterium tuberculosis (Mt) é uma das dez principais causas de mortalidade no mundo. Apenas 0,5% dos casos de tuberculose (TB) se localizam na coluna, podendo ocorrer disfunções neurológicas, instabilidade mecânica e deformidades. O uso de drogas imunossupressoras para tratamento das doenças inflamatórias, como a doença de Crohn (DC), pode tornar o paciente suscetível a esta infecção oportunista. Objetivo: Relatar o caso de uma paciente com espondilite tuberculosa na vigência do tratamento de DC com terapia imunossupressora. Descrevemos seu tratamento clínico-cirúrgico, sua evolução e comparamos com a literatura vigente. Relato de Caso: Mulher, 51 anos, com diagnóstico de DC em uso contínuo de azatioprina iniciou quadro de dorsalgia, dificuldade de deambulação e perda ponderal sem repercussões neurológicas. Ressonância magnética (RM) e Tomografia Computadorizada (TC) de coluna dorsal apresentaram padrões sugestivos de espondilite tuberculosa. Em decorrência da evolução sem alívio da dor e com instabilidade vertebral iminente sob risco de fratura e lesão neurológica, foi indicada cirurgia para estabilização vertebral, descompressão de elementos neurais e coleta de material para estudo histopatológico. O resultado comprovou a presença de Mt na amostra. Paciente manteve internação por 28 dias com tratamento antibiótico, apresentando boa evolução, com melhora progressiva do quadro álgico e da deambulação. Durante toda a internação seu quadro de DC se manteve controlado. Conclusão: É importante considerar a espondilite tuberculosa como diagnóstico diferencial em pacientes com dorsalgia e sinais de alarme, especialmente, em vigência de tratamento imunossupressor, mesmo com PPD negativo.

Referências

World Health Organisation. Global Health TB Report. 2018.

Inflammatory Bowel Disease Group, Chinese Society of Gastroenterology, Chinese Medical Association. Evidence-based consensus on opportunistic infections in inflammatory bowel disease. J Dig Dis. 2018; 19:54-65.

Riestra S, Francisco R, Arias-Guillén M, Saro C, García-Alvarado M et al. Risk factors for tuberculosis in inflammatory bowel disease: anti-tumor necrosis factor and hospitalization. Rev Esp Enfermedades Dig. 2016; 108:541-9.

Toruner M, Loftus Jr EV, Harmsen ES, Zinsmeister AR, Orenstein R et al. risk factors for opportunistic infections in patients with inflammatory bowel disease. Gastroenterology. 2008; 134:929-36.

Dunn RN, Husien BM. Spinal tuberculosis review of current management. Bone Jt J. 2018; 100B:425-31.

Garg RK, Somvanshi DS. Spinal tuberculosis: a review. J Spinal Cord Med. 2011; 34(5):440-54.

Chen CH, Chen YM, Lee CW, Chang YJ, Cheng CY et al. Early diagnosis of spinal tuberculosis. J Formos Med Assoc. 2016; 115(10):825-36.

Park DI, Hisamatsu T, Chen M, Ng SC, Ooi CJ et al. Asian Organization for Crohn's and Colitis and Asia Pacific Association of Gastroenterology consensus on tuberculosis infection in patients with inflammatory bowel disease receiving anti-tumor necrosis factor treatment. Part 1: risk assessment. Intest Res. 2018; 16(1):4-16.

Reyt V. Crohn’s disease. Actual Pharm. 2018; 57:13-5.

Axelrad JE, Roy A, Lawlor G, Korelitz B, Lichtiger S. Thiopurines and inflammatory bowel disease: Current evidence and a historical perspective. World J Gastroenterol. 2016; 22(46):10103-17.

Bonovas S, Fiorino G, Allocca M, Lytras T, Nikolopoulos GK et al. Biologic therapies and risk of infection and malignancy in patients with inflammatory bowel disease: a systematic review and network meta-analysis. Clin Gastroenterol Hepatol. 2016; 14(10):1385-97.e10.

Kumar K. Spinal tuberculosis, natural history of disease, classifications and principles of management with historical perspective. Eur J Orthop Surg Traumatol. 2016; 26(6):551-8.

Dean A, Zyck S, Toshkezi G, Galgano M, Marawar S. Challenges in the diagnosis and management of spinal tuberculosis: case series. Cureus. 2019; 11(1):e3855.

Jain A, Dhammi I, Jain S, Mishra P. Kyphosis in spinal tuberculosis: prevention and correction. Indian J Orthop. 2010; 44:127.

Parthasarathy R, Sriram K, Santha T, Prabhakar R, Somasundaram PR et al. Short-course chemotherapy for tuberculosis of the spine: a comparison between ambulant treatment and radical surgery--ten-year report. J Bone Joint Surg Br. 1999; 81(3):464-71.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

1.
Gouveia Hollunder G, De Oliveira Ferreira MV, Gomes Tabet C, Manoel de Oliveira V, Moreira Dias Junior J. Espondilite tuberculosa em paciente com doença de Crohn em uso de terapia imunossupressora: relato de caso. hu rev [Internet]. 24º de agosto de 2021 [citado 17º de setembro de 2021];47:1-5. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/34257

Edição

Seção

Relato de Caso

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)