Satisfação e percepção de médicos atuantes na atenção primária à saúde sobre a implementação de educação continuada em endocrinologia

Autores

  • Rafael Reis Baruqui Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora – MG https://orcid.org/0000-0001-8677-0257
  • Lize Vargas Ferreira Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora – MG https://orcid.org/0000-0002-2819-9715
  • Gabriel Feres Gomes Chamon Assú Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora – MG https://orcid.org/0000-0002-2266-0996
  • Camila Rocha Firmo Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora – MG https://orcid.org/0000-0002-3573-2573
  • Danielle Guedes Ezequiel Andrade Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora – MG https://orcid.org/0000-0002-2120-2838
  • Christianne de Souza Tolêdo Leal Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora – MG https://orcid.org/0000-0002-4803-8601

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.34087

Palavras-chave:

Educação Médica Continuada, Atenção Primária à Saúde, Doenças do Sistema Endócrino

Resumo

 

Introdução: A atenção primária à saúde (APS) é responsável pelo cuidado integral e longitudinal do usuário dentro do contexto de sua família e comunidade, além de organizar o fluxo de pacientes pelo sistema de saúde, logo há importância de constante atualização científica da equipe de saúde. Ademais, o acompanhamento de indivíduos com doenças endocrinológicas é demanda frequente nas unidades básicas de saúde. Objetivo: Avaliar a satisfação e a percepção dos profissionais com essa estratégia educacional. Material e Métodos: Foi realizado projeto de educação continuada virtual em endocrinologia durante 6 meses de encontros semanais com 128 médicos da APS. Após esse período, foi realizado um questionário semi-aberto on-line. A análise quantitativa foi realizada por meio da distribuição das frequências dos dados tabulados e os dados qualitativos foram analisados por meio de análise de conteúdo temática proposta por Bardin. Resultados: Foram obtidas 44 respostas do questionário on-line pelos médicos da APS. O formato de aula que resultou em melhor aproveitamento foi o modelo de "apresentação e discussão”. Por outro lado, o formato de “só apresentação de slides” possuiu a pior avaliação. Na avaliação dos diversos temas apresentados, observou-se maior repercussão positiva à prática clínica temas como insulinoterapia e tratamento medicamentoso no diabetes mellitus 2, doença renal crônica e estadiamento do risco cardiovascular. Alguns profissionais relataram que a implementação da educação continuada possibilitou aos médicos da APS experiências de maior aprendizado, desde aspectos fisiopatológicos até abordagens direcionadas para problemas reais da prática clínica. Outros relataram desafios quanto ao horário dos encontros e à forma de apresentação da aula.  Obteve-se doze respostas discursivas: sete (58,3%) referiram satisfação e benefícios, duas (16,7%) críticas e três (25%) sugestões referentes ao projeto. Conclusão: Os resultados mostraram que a educação continuada virtual em endocrinologia se apresentou como uma ferramenta adequada e satisfatória para os médicos da APS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Primária à Saúde [homepage na internet]. O que é atenção primária [acesso em 2021 mar 24]. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/smp/smpoquee.

Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. 1. ed. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2015.

International Diabetes Federation. IDF diabetes atlas [Internet]. 9. ed. Brussels: 2019. [citado em 2019 nov 14]. Acesso em: https://www.diabetesatlas.org.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde; 2020.

Vanelli CP, Miranda LSP, Colugnati FAB, de Paula RB, Costa MB. Determinação do estado nutricional: qual o valor de peso e altura autorreferidos? HU Rev. 2019; 44(2):157-63. doi: 10.34019/1982-8047.2018.v44.13933.

Ray KK, Seshasai SR, Wijesuriya S, Sivakumaran R, Nethercott S, Preiss D et al. Effect of intensive control of glucose on cardiovascular outcomes and death in patients with diabetes mellitus: a meta-analysis of randomised controlled trials. Lancet. 2009; 373(9677):1765-72. doi:10.1016/S0140-6736(09)60697-8.

Zoungas S, Arima H, Gerstein HC, Holman RR, Woodward M, Reaven P et al. Effects of intensive glucose control on microvascular outcomes in patients with type 2 diabetes: a meta-analysis of individual participant data from randomised controlled trials. Lancet Diabetes Endocrinol. 2017; 5(6):431-7. doi:10.1016/S2213-8587(17)30104-3.

Goldstein DJ. Beneficial health effects of modest weight loss. International journal of obesity and related metabolic disorders: journal of the International Association for the Study of Obesity. 1992; 16(6):397-415.

Schelb JE, de Paula RB, Ezequiel DGA, Costa MB. Obesidade e doença renal: aspectos fisiopatológicos. HU Rev. 2019; 44(2):231-9.

Bardin L. A análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Wei MH, Chen XZ, Zhan XX, Zhang ZX, Yu SJ, Yan WR. The effect of a web-based training for improving primary health care providers’ knowledge about diabetes mellitus management in rural China: A pre-post intervention study. PLoS ONE. 2019; 14(9):e0222930. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0222930.

Sperl-Hillen J, O'Connor PJ, Ekstrom HL, Rush WA, Asche SE, Fernandes OD et al. Educating resident physicians using virtual case-based simulation improves diabetes management: a randomized controlled trial. Academic medicine: journal of the Association of American Medical Colleges. 2014; 89(12):1664-73. doi: 10.1097/ACM.0000000000000406.

Brandão, JRDM. A atenção primária à saúde no Canadá: realidade e desafios atuais. Cadernos de Saúde Pública. 2019; 35(1):e00178217. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00178217.

Canadian Institute for Health Information. Canada's doctor supply has grown faster than the population for the past decade [Internet]. [citado em 2020 dez 3]. Acesso em: https://www.cihi.ca/en/access-data-reports/results?fs3%5B0%5D=content_format%3A806&fs3%5B1%5D=published_date%3A2020&query=.

Newell F. Framework for patient and public participation in primary care commissioning [Internet]. Leeds: NHS England; 2016. [citado em 2016 mar 31]. Acesso em: https://www.england.nhs.uk/commissioning/wp-content/uploads/sites/12/2016/03/framwrk-public-partcptn-prim-care.pdf.

NHS Survey Coordination Centre. Staff Survey 2019: detailed spreadsheets [Internet]. [citado em 2020 fev]. Acesso em: https://www.nhsstaffsurveys.com/Page/1106/Past-Results/Staff-Survey-2019-Detailed-Spreadsheets/.

Maahs DM, West NA, Lawrence JM, & Mayer-Davis EJ. Epidemiology of type 1 diabetes. Endocrinology and Metabolism Clinics. 2010; 39(3):481-97. doi:10.1016/j.ecl.2010.05.011.

Stratton IM, Adler AI, Neil HAW, Matthews DR, Manley SE, Cull CA et al. Association of glycaemia with macrovascular and microvascular complications of type 2 diabetes (UKPDS 35): prospective observational study. BMJ. 2000; 321(7258):405-12. doi:https://doi.org/10.1136/bmj.321.7258.405

Reach G, Pechtner V, Gentilella R, Corcos A, & Ceriello A. Clinical inertia and its impact on treatment intensification in people with type 2 diabetes mellitus. Diabetes & metabolism. 2017; 43(6):501-11. doi: https://doi.org/10.1016/j.diabet.2017.06.003

Diabetes Control and Complications Trial. Intensive diabetes treatment and cardiovascular outcomes in type 1 diabetes: the DCCT/EDIC study 30-year follow-up. Diabetes care. 2016; 39(5):686-93. doi: https://doi.org/10.2337/dc15-1990.

Hutchinson L. Evaluating and researching the effectiveness of educational interventions. BMJ. 1999; 318(7193):1267-9. doi: 10.1136/bmj.318.7193.1267.

Vigersky, RA, & McMahon C. The relationship of hemoglobin A1C to time-in-range in patients with diabetes. Diabetes technology & therapeutics. 2019; 21(2):81-5. doi: 10.1089/dia.2018.0310.

Downloads

Publicado

2022-01-04

Como Citar

1.
Reis Baruqui R, Vargas Ferreira L, Feres Gomes Chamon Assú G, Rocha Firmo C, Guedes Ezequiel Andrade D, de Souza Tolêdo Leal C. Satisfação e percepção de médicos atuantes na atenção primária à saúde sobre a implementação de educação continuada em endocrinologia. hu rev [Internet]. 4º de janeiro de 2022 [citado 23º de maio de 2022];47:1-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/34087

Edição

Seção

Artigos Originais