Construindo cidadania: Um relato de experiência

Autores

  • Ethelanny Panteleão Leite Hospital Universitário de Juiz de Fora- Mg, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-6007-5061
  • Sabrina Alves Ribeiro Barra Hospital Universitário de Juiz de Fora- Mg, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Ilda Cristina Andrade de Oliveira Hospital Universitário de Juiz de Fora- Mg, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Michelle Martins da Silva Faculdade de Serviço Social, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Bruna Atalaya de Almeida Rocha Faculdade de Serviço Social, Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.33717

Palavras-chave:

Promoção da Saúde, Saúde Mental, Serviços de Saúde Mental

Resumo

Introdução: A Reforma Psiquiátrica brasileira foi um marco na história da saúde pública do país. Resultante dela, surgem os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) como parte da composição do Sistema Único de Saúde (SUS), exercendo um papel decisivo no processo da luta antimanicomial. Esses dispositivos buscam a promoção do cuidado em liberdade, promovendo a autonomia e a integração à sociedade na garantia e na defesa dos direitos humanos. Desvendar os desafios, os avanços e os elementos que estão por trás da construção dessa rede de cuidados integral e intersetorial se coloca como essencial. Objetivo: Apresentar as experiências vivenciadas por um projeto de extensão em um CAPS do município de Juiz de Fora/MG, a fim de contribuir com os conhecimentos em saúde mental. Relato de Experiência: Trata-se de um estudo descritivo, resultado da vivência de graduandas em Serviço Social e profissionais da área da Enfermagem e Serviço Social, participantes do projeto de extensão “Território e rede: ampliando os horizontes de ação no CAPS Liberdade HU/UFJF”, da Universidade Federal de Juiz de Fora, direcionada aos usuários do CAPS Liberdade HU/UFJF, durante o período de 2017 a 2019. Discussão: O presente estudo evidencia o contexto de desmonte na saúde mental, trazendo a contextualização do cenário atual e discussões acerca do processo de desinstitucionalização, implicando uma reflexão sobre a dimensão cultural da Reforma Psiquiátrica. De igual modo, apresenta um balanço das potencialidades e dos desafios vivenciados pelo projeto. Conclusão: Enfatiza-se a necessidade de manutenção das instituições tais como o CAPS, bem como a continuidade de projetos que prezam o tratamento em liberdade para usuários, a fim de se fortalecerem vínculos e novas redes de apoio.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília: OPAS; 2005.

Tenório F. A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. Rio de Janeiro: História, Ciência, Saúde; 2002.

Costa L, Brasil F. Cidade, territorialidade e redes na política de saúde mental. Cad Ter Ocup. 2014; 22(2):435-42.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria Executiva. Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Coordenação-Geral de Documentação e Informação. Legislação em saúde mental 1999-2001. 2. ed. rev. atual. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Brasília, 2011.

Scheffer G, Silva LG. Saúde mental, intersetorialidade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos. Serv Soc Soc. São Paulo: 2014; 118:366-93.

Cruz NF, Gonçalves RW, Delgado PGG. Retrocesso da Reforma Psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trabalho, Educação e Saúde. 2020; 18(3). DOI: 10.1590/1981-7746-sol00285.

Presidência da República (BR). Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o ato das disposições constitucionais transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2016.

Campos DB, Bezerra IC, Jorge MS. Tecnologias do cuidado em saúde mental: práticas e processos da Atenção Primária. Rev Bras Enf. 2018.

Paula LGP. Estratégias e táticas: reflexões no campo do Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris; 2016.

Laurell AC. A saúde-doença como processo social. Revista Latino-americana de Saúde. 1982.

Silva JF, Tenório LD. Privatização das políticas sociais na conjuntura neoliberal: os novos modelos de gestão e os desafios ao projeto ético-político do serviço social brasileiro. Capitalismo, Trabalho e Política Social. 2017; 2:65-84.

Bravo MIS. Política de Saúde no Brasil. São Paulo: Cortez; 2004.

Ferreira T, Sampaio J, Souza A, Oliveira D, Gomes L. Produção do cuidado em saúde mental: desafios para além dos muros institucionais. São Paulo: Interface; 2017.

Londero I, Pacheco JTB. Por que encaminhar ao acompanhante terapêutico? Uma discussão considerando a perspectiva de psicólogos e psiquiatras. Psicol Estud. 2006; 11(2):259-67.

Downloads

Publicado

2021-08-10

Como Citar

1.
Panteleão Leite E, Alves Ribeiro Barra S, Andrade de Oliveira IC, Martins da Silva M, Atalaya de Almeida Rocha B. Construindo cidadania: Um relato de experiência. hu rev [Internet]. 10º de agosto de 2021 [citado 17º de setembro de 2021];47:1-6. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/33717

Edição

Seção

Relato de Experiência