Tendência temporal e o perfil epidemiológico da sífilis congênita no Ceará (2009-2018)

Autores

  • Francisco José Ferreira Filho Universidade Federal de Campina Grande, Campus Cajazeiras https://orcid.org/0000-0003-0876-2969
  • José Ferreira Lima Júnior Universidade Federal de Campina Grande, Campus Cajazeiras
  • Maria Rosilene Candido Moreira Universidade Federal do Cariri, Campus Barbalha https://orcid.org/0000-0002-9821-1935

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2021.v47.33504

Palavras-chave:

Estudos de Séries Temporais, Perfil de Saúde, Sífilis Congênita

Resumo

Introdução: Na última década, houve aumento na prevalência de sífilis congênita (SC) em algumas regiões, e o Brasil liderou o número de casos na América Latina. Objetivo: Analisar a tendência temporal e o perfil clínico-epidemiológico da sífilis congênita no Ceará entre 2009 e 2018. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico do tipo ecológico com abordagem de séries temporais, tendo como cenário o estado do Ceará. Os dados foram provenientes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) e Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. A análise dos dados foi realizada no pacote estatístico Statistical Program For Social Sciences (SPSS) 20.0 e no Microsoft Excel 2013®, procedendo-se análise descritiva e inferencial dos dados, por meio de regressão linear simples, a qual foi classificada como crescente, estacionária e decrescente, de acordo com o coeficiente angular. Para verificar a normalidade foi realizado o teste de Shapiro-Wilk. Resultados: Na série temporal analisada contabilizou-se 10.392 casos de SC, havendo um aumento de 91,63% na comparação entre os anos de 2009 e 2018, assim como aumento da taxa de incidência, passando de 5 para 9,57 casos/1.000 nascidos no mesmo período. O número de parceiros tratados (15,25%) e de mães que realizaram o tratamento de forma adequada (4,72%) permaneceram baixos. Mães que tinham ensino superior corresponderam apenas a 0,55% do total das notificações; enquanto que quase 90% das mães notificadas eram pardas. Conclusão: Os resultados demonstram um aumento da incidência de sífilis congênita acompanhado de terapêutica inadequada, destacando a necessidade de melhorar a qualidade da assistência pré-natal e demais cenários da atenção integral à saúde sexual e reprodutiva.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatites virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Penicilina benzatina para prevenção da sífilis congênita durante a gravidez. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Rowe C, Newberry DM, Jnah A. congenital syphilis: a discussion of epidemiology, diagnosis, management, and nurses‘ role in early identification and treatment. Adv Neonatal Care. 2018; (18):438-45. doi: 10.1097/ANC.0000000000000534.

Soares KKS, Prado TN, Zandonade E, Moreira-Silva SF, Miranda AE. Análise espacial da sífilis em gestantes e sífilis congênita no estado do Espírito Santo, 2011-2018. Epidemiol Serv Saúde. 2020; 29(1):e2018193. doi: 10.5123/s1679-49742020000100018.

Pan American Health Organization. New generations free of HIV, syphilis, hepatitis B and Chagas disease in the Americas 2018: EMTCT PLUS. Washington: PAHO; 2019.

Heringer ALS, Kawa H, Fonseca SC, Brignol SMS, Zarpellon LA, Reis AC. Desigualdade na tendência da sífilis congênita no município de Niterói, Brasil 2007 a 2016. Rev Panam Salud Publica. 2020; 44:1-8. doi: 10.26633/RPSP.2020.8.

Costa CC, Freitas LV, Sousa DMN, Oliveira LL, Chagas ACMA, Lopes MVO et al. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Ver Esc Enferm USP. 2013; 47(1):152-9. doi: 10.1590/S0080-62342013000100019.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV). Boletim Epidemiológico de Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Medronho RA, Bloch KV, Luiz RR, Werneck GL. Epidemiologia. 2nd. ed. São Paulo: Atheneu; 2008.

Aquino R, Gouveia N, Teixeira MG, Costa MC, Barreto ML. Estudos ecológicos (desenho de dados agregados): tipo de desenho de estudo. In: Filho NA, Barreto ML. Epidemiologia & saúde: fundamentos, métodos e aplicações. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 179-180.

Pereira MG. Epidemiologia: teoria e prática. 21th. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2018.

Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2nd. ed. Nova Hamburgo: Feevale; 2013.

Instituo Brasileiro de Geografia Estatística. [Internet]. Cidades@. [citado em 12 jul 2020]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br.

Boing AF, Boing AC. Mortalidade infantil por causas evitáveis no Brasil: um estudo ecológico no período 2000-2002. Cad Saúde Pública. 2008; 24(2):447-55.

Ministérios da Saúde (BR). Alteração dos Critérios de definição de casos para notificação de sífilis adquirida, sífilis em gestantes e sífilis congênita. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Antunes JLF, Cardoso MRA. Uso da análise de séries temporais em estudos epidemiológicos. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(3):565-76.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n°466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. [Internet]. Diário Oficial da União. 12 dez. 2012 [citado em 12 jul. 2020]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 510, de 07 de abril de 2016. Trata sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa em ciências humanas e sociais. [Internet]. Diário Oficial da União. 07 de abril de 2016. [citado em 12 jul 2020]. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581.

Informações de Saúde (TABNET) [Internet]. Brasília; 2018. Doenças e Agravos de Notificação - 2007 em diante (SINAN): Sífilis congênita; [ citado 4 Mar 4] Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=29878153

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico Sífilis 2019. Brasília: Ministérios da Saúde; 2019.

Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JGD. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol. Serv Saúde. 2017; 26(2):255-64. doi 10.5123/s1679-49742017000200003.

Nunes PS, Zara ALSA, Rocha DFNC, Marinho TA, Mandacarú PMP, Turchi MD. Sífilis gestacional e congênita e sua relação com a cobertura da Estratégia Saúde da Família, Goiás, 2007-2014: um estudo ecológico. Epidemiol Serv Saúde. 2018; 27(4):e2018127. doi 10.5123/s1679-49742018000400008.

Ministério da Saúde (BR). e-Gestor AB: informação e gestão da Atenção Básica. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [citado em 2020 Jul 12]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relatoriosPublicos.xhtml

Muricy CL, Pinto JVL. Congenital and maternal syphilis in the capital of Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2015; 48(2):216-19. doi 10.1590/0037-8682-0168-2014.

Padovani C, Oliveira RR, Pelloso SM. Syphilis in during pregnancy: association of maternal and perinatal characteristics in a region of southern Brazil. Rev Lat Am Enfermagem. 2018; 26:e3019. doi: 10.1590/1518-8345.2305.3019.

Cardoso ARP, Araújo MAL, Cavalcante MS, Frota MA, Melo SP. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2018; 23(2):563-74. doi 10.1590/1413-81232018232.01772016.

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo nascer no Brasil. Cad Saúde Pública. 2016; 32(6):e00082415.doi 10.1590/0102-311X00082415.

Bezerra MLMB, Fernandes FECV, Nunes JPO, Baltar SLSMA, Randau KP. Congenital syphilis as a measure of maternal and child healthcare, Brazil. Emerg Infect Dis. 2019; 25(8):1469-76. doi: 10.3201 / eid2508.180298.

Canto SVE, Leite AMA, Miranda AE, Cardoso ARP, Almeida RLF. Fetal and infant mortality of congenital syphilis reported to the Health Information System. PLoS One. 2019; 14(1):e0209906. doi: 10.1371/journal.pone.0209906.

Figueiredo DCMM, Figueiredo AM, Souza TKB, Tavares G, Vianna RPT. Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cad Saúde Pública. 2020; 36(3): e00074519. doi 10.1590/0102-311x00074519.

Cooper JM, Michelow IC, Wozniak PS, Sánchez PJ. In time: the persistence of congenital syphilis in Brazil: more pogress needed! Rev Paul Pediatr. 2016; 34(3):251-53. doi 10.1016 / j.rppede.2016.06.004.

Nurse-Findlay S, Taylor MM, Savage M, Mello MB, Saliyou S, Lavayen M et al. Shortages of benzathine penicillin for prevention of mother-to-child transmission of syphilis: an evaluation from multi-country surveys and stakeholder interviews. PLoS Med. 2017;14(12):e1002473. doi: 10.1371/journal.pmed.1002473.

Bittencourt SA, Camacho LAB, Leal MC. O sistema de informação hospitalar e sua aplicação na saúde coletiva. Cad Saúde Pública. 2006; 22(1):19-30.

Downloads

Publicado

2021-06-07

Como Citar

1.
Ferreira Filho FJ, Ferreira Lima Júnior J, Candido Moreira MR. Tendência temporal e o perfil epidemiológico da sífilis congênita no Ceará (2009-2018). hu rev [Internet]. 7º de junho de 2021 [citado 25º de junho de 2021];47:1-10. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/33504

Edição

Seção

Artigos Originais