Distribuição espacial de pacientes atendidos na emergência de hospital terciário

Palavras-chave: Análise Espacial, Emergências, Serviço Hospitalar de Emergência, Identificação da Emergência, Necessidades e Demandas de Serviços de Saúde

Resumo

Introdução: Na prática e pesquisa é cada vez mais presente o uso de tecnologias que auxiliam o trabalho dos profissionais, como o geoprocessamento, útil para investigar variáveis espaciais de determinado fenômeno, quando se busca averiguar dados, a partir de ferramentas geoestatísticas. Objetivo: Analisar a distribuição espacial de pacientes atendidos no setor emergência de hospital terciário. Material e Métodos: Estudo transversal, realizado de julho a setembro de 2017, na emergência de hospital terciário, com 783 fichas de atendimento/prontuários. A análise espacial foi realizada com o software Quantum GIS 2.18.10. Resultados: A maioria dos atendimentos foi do sexo masculino (63,9%), com idade média de 52 anos. Os procedentes das cidades circunvizinhas (75,6%) possuíram classificação de risco, predominantemente, nas cores amarela e vermelha, enquanto a classificação nas cores verde e amarela prevaleceu dentre os pacientes do mesmo município de localização do hospital. Os atendimentos ocorreram a pacientes oriundos da região norte do estado do Ceará, com maior densidade nos municípios da macrorregião de Sobral, entretanto, houve atendimentos a pacientes de Fortaleza e sertão do estado. Conclusão: A distribuição espacial aponta que os atendimentos do setor de emergência contemplaram pacientes do norte do estado do Ceará, sertão e região metropolitana da capital do estado. A densidade de atendimentos e classificação de risco nas cores azul e verde foi diretamente proporcional à proximidade geográfica com o hospital, enquanto as cores amarela e vermelha possuíram relação inversamente proporcional com tal distância.

Referências

Angelim RCDM, Rocha GSDA. Scientific production about the working conditions of nursing in emergency and urgent services. Rev Fund Care Online. 2016; 8(1):3845-59.

Brandão MGSA, Brito OD, Barros LM. Gestão de riscos e segurança do paciente: mapeamento dos riscos de eventos adversos na emergência de um hospital de ensino. Rev Adm Saúde. 2018; 18(70):1-13.

Paixão TCRD, Campanharo CRV, Lopes MCBT, Okuno MFP, Batista REA. Nursing staff sizing in the emergency room of a university hospital. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(3):481-7.

Druck S, Carvalho MS, Câmara G, Monteiro AVM. Análise espacial de dados geográficos. Brasília: EMBRAPA; 2004.

Souza BF, Silva JP. Análise espacial dos acidentes de trânsito em Passos (MG). Rev Ciência ET Praxis. 2017; 10(19):31-8.

Rocha TAH, Silva NC, Amaral PV, Barbosa ACQ, Rocha JVM, Alvares V et al. Addressing geographic access barriers to emergency care services: a national ecologic study of hospitals in Brazil. Int J Equity Health. 2017; 16(149):1-10.

Rabelo DV, Leite ACS, Morais JSD. Análise geoespacial-atendimento a pacientes com dor torácica aguda em Fortaleza-CE. Rev Extensão Ação. 2014; 1(6):45-54.

Costa HGF, Silva RM, Korinfsky JP, Souza DMOR, Costa GS, Silva TFA. Análise espacial dos acidentes de trânsito atendidos na urgência de um hospital universitário. Rev Enferm UFPE online. 2017; 11(Supl. 6):2500-9.

Silva RMB, Sano RY, Toledo LC, Pereira TMV. distribuição sazonal, espacial e caracterização dos traumas em uma cidade do Sul de Minas Gerais. Rev Ciências Saúde. 2016; 6(2):1-16.

Mendes TJM, Silveira LM, Silva LP, Stabile AM. Associação entre o acolhimento com classificação de risco, desfecho clínico e o escore Mews. Rev Min Enferm. 2018; 22:e-1077.

Wright B, Potter AJ, Trivedi NA, Mueller KJ. The relationship between rural health clinic use and potentially preventable hospitalizations and emergency department visits among medicare beneficiaries. J Rural Health. 2018; 34(4):423-30.

Mota-Guedes H, Aparecida-Araújo F, Pinto-Júnior D, Amado-Martins JC, Machado-Chianca TC. Outcome assessment of patients classified through the Manchester Triage System in emergency units in Brazil and Portugal. Invest educ enferm. 2017; 35(2):174-81.

Brasil. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução Cofen n. 423/2012. Normatiza, no âmbito do Sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, a participação do enfermeiro na atividade de classificação de risco. Brasília: COFEN; 2012.

Matsumoto CL, O'Driscoll T, Blakeloch B, Kelly L. Characterizing high-frequency emergency department users in a rural northwestern Ontario hospital: a 5-year analysis of volume, frequency and acuity of visits. Can J Rural Med. 2018; 23(4):99-105.

Chen CC, Chen CW, Ho CK, Liu IC, Lin BC, Chan TC. Spatial variation and resuscitation process affecting survival after out-of hospital cardiac arrests (OHCA). PLoS ONE. 2015; 10(12):e0144882.

Alves MO, Magalhães SCM, Coelho BA. A regionalização da saúde e a assistência aos usuários com câncer de mama. Saúde Soc. 2017; 26(1);141-54.

Cirino S, Gonçalves LA, Gonçalves MB, Cursi ESD. Modelo não linear de localização de instalações de serviços de saúde com indicador de acessibilidade incorporado. Cad Saúde Pública. 2018; 34(3):e00185615.

Ribeiro RM, Cesarino CB, Ribeiro RCJM, Rodrigues CC, Bertolin DC, Pinto MH. Caracterização do perfil das emergências clínicas no pronto-atendimento de um hospital de ensino. Rev Min Enferm. 2014; 18(3):533-8.

Santos AMR, Rodrigues RAP, Santos CB, Caminiti GB. Distribuição geográfica dos óbitos de idosos por acidente de trânsito. Esc Anna Nery. 2016; 20(1):130-7.

Sousa AIA, Júnior VLP. Análise espacial e temporal dos casos de aids no Brasil em 1996-2011: áreas de risco aumentado ao longo do tempo. Epidemiol Serv Saude. 2016; 25(3):467-76.

Paiva BL, Azeredo JQ, Nogueira LMV, Santos BO, Rodrigues ILA, Santos MNA. Distribuição espacial de tuberculose nas populações indígenas e não indígenas do estado do Pará, Brasil, 2005-2013. Esc Anna Nery. 2017; 21(4):e20170135.

Mendonça MFS, Silva APSC, Castro CCL. Análise espacial dos acidentes de trânsito urbano atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: um recorte no espaço e no tempo. Rev Bras Epidemiol. 2017; 20(4):727-41.

Publicado
2020-08-21
Como Citar
1.
Damasceno Brito O, Albuquerque Brandão MGS, Brioso Bastos I, Galindo Neto NM, Áfio Caetano J, Moreira Barros L. Distribuição espacial de pacientes atendidos na emergência de hospital terciário . hu rev [Internet]. 21º de agosto de 2020 [citado 28º de novembro de 2020];460:1-. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/30138
Seção
Artigos Originais