O conhecimento dos enfermeiros assistenciais no tratamento de feridas

  • Vanessa Albuquerque Alvim de Paula Faculdade de Enfermagem, Residência Saúde do Adulto, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Irene Duarte Souza Hospital Universitário, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Regina Lúcia Muniz de Almeida Hospital Universitário, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Kelli Borges Santos Faculdade de Enfermagem, Departamento Enfermagem Básica, Pós-Graduação em Enfermagem da UFJF, Universidade Federal de Juiz de Fora https://orcid.org/0000-0001-8423-9147
Palavras-chave: Ferimentos e lesões, Conhecimento, Enfermagem

Resumo

Introdução: Cuidar de feridas requer conhecimento específico, sendo fundamental que a equipe de enfermagem se mantenha atualizada para executar o curativo com qualidade e eficiência. Objetivo: Caracterizar o perfil da formação e atualização dos enfermeiros assistenciais e avaliar o conhecimento sobre o tratamento de feridas em um hospital público de ensino da Zona da Mata Mineira. Material e Método: Estudo observacional, descritivo e quantitativo, realizado com 32 enfermeiros de unidades de internação. Os dados foram coletados de julho a outubro de 2017, por meio de questionário estruturado validado, com questões relativas a caracterização do entrevistado, local de trabalho, aspectos da formação, atualização e tempo de atuação. Seguido por perguntas sobre a prática clínica em feridas e sobre conhecimento específico no tratamento de feridas. Resultados: Do total de enfermeiros que participaram da pesquisa, 78% informaram se atualizar sobre os cuidados com feridas, 68,8% informaram que não existe ou não sabem da existência de protocolo de prevenção ou tratamento de feridas na instituição. O hidrogel foi a cobertura primária mais conhecida e utilizada pelos enfermeiros no tratamento de feridas. De acordo com o instrumento utilizado, o escore geral de conhecimento dos enfermeiros que participaram da pesquisa foi considerado bom. As características dos entrevistados quanto a gênero, idade, setor onde atua, local de formação e turno de trabalho não interferiram no desempenho dos entrevistados. Conclusão: O conhecimento geral dos entrevistados foi considerado bom. A forma de atualização mais frequente foi perguntar a outros profissionais da área sobre suas dúvidas, seguido de leitura de artigo científico, participação em congressos e busca de informações junto a indústria farmacêutica.

Referências

Galvão NS, Serique MAB, Santos VLCG, Nogueira PC. Conhecimentos da equipe de enfermagem sobre prevenção de úlceras por pressão [Internet]. Rev Bras Enferm. 2017; 70(2):312-8. [Citado em 2017 Jul 28]. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0063.

Ferreira AM, Rigotti MA, Barcelos LS, Barcelos LS, Simão CMF, Ferreira DN, Gonçalves RQ. Conhecimento e prática de enfermeiros sobre cuidados aos pacientes com feridas [Internet]. J Res Fundam Care. 2014; 6(3):1178-90. [Citado em 2017 Jul 28]. Disponível em 10.9789/2175-5361.2014v6n3p1178.

Gonzaga GB. Conhecimento e prática dos enfermeiros sobre o cuidado com feridas [dissertação]. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santos; 2015.

Hoelz CMR. Avaliação do conhecimento de enfermeiros da rede de atenção à saúde no município de Bauru (SP) sobre cuidado aos pacientes com feridas: um estudo transversal [dissertação]. Botucatu: Universidade Estadual Paulista; 2015.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução nº 0501/2015. Brasília: COFEN; 2015. [Citado em Oct 2017]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05012015_36999.html.

Silva TG, Vasconcelos APL, Ramos EVC, Farias Neto JP. Avaliação da qualidade de vida de pacientes portadores de feridas crônicas atendidos no ambulatório de cicatrização do Hospital Universitário de Sergipe. R bras Qual Vida. 2017; 9(3):234-46.

Kim JY, Lee YJ. A study on the nursing knowledge, attitude, and performance towards pressure ulcer prevention among nurses in Korea long‐term care facilities. Int Wound J. 2019; supl(1):29-35. DOI: https://doi.org/10.1111/iwj.13021

King B. Influencing dressing choice and supporting wound management using remote “tele-wound care”. British Journal of Community Nursing. 2014; 19(Sup6):S24–S31. doi:10.12968/bjcn. 2014.19. sup6.s24

Camacho ACLF, Santos RC, Joaquim FÇ, Louredo DS, Morais IM, Silva EA. Estudo comparativo sobre a capacidade funcional de pacientes adultos e idosos com úlceras venosas. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental. 2015; 7(1):1954-1966.

Santos LSF, Camacho ACLF, Oliveira BGRB, Bertanha ASM, Nogueira GA, Joaquim FL et al. Capacidade funcional de pacientes com úlceras venosas. Nursing. 2019; 22(250):2805-13.

Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (BR). Carta de serviços ao cidadão 2019. Juiz de Fora: HU-UFJF/EBSERH; 2019 [Citado em 2019 Nov 4] Disponível em: https://www2.ufjf.br/ufjf/wp-content/uploads/ sites/3/2019/10/carta-de-servios-ao-cidado17-07-19.pdf.

Oliveira BGRB, Castro JBA, Granjeiro JM. Panorama epidemiológico e clínico de pacientes com feridas crônicas tratados em ambulatório. Revista Enfermagem UERJ. 2013; 21:612-7.

Cheng L, Broome ME, Feng S, Hu Y. Factors influencing the implementation of evidence in Chinese nursing practice. Journal of Clinical Nursing. 2017; 26(23-24):5103-5112.

Publicado
2019-11-28
Como Citar
Albuquerque Alvim de Paula, V., Duarte Souza, I., Lúcia Muniz de Almeida, R., & Santos, K. B. (2019). O conhecimento dos enfermeiros assistenciais no tratamento de feridas. HU Revista, 45(3), 295-303. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.28666