Frequência de consumo de alimentos fonte de ferro entre crianças de 6 a 59 meses atendidas pela Estratégia de Saúde da Família

  • Clarice Lima Alvares da Silva Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Juiz de Fora - campus Governador Valadares http://orcid.org/0000-0002-1257-8964
  • Mariany Cristine Peres Ferreira Departamento de Nutrição. Instituto de Ciências da Vida. Universidade Federal de Juiz de Fora-campus Governador Valadares
  • Pollyanna Costa Cardoso Pires Departamento de Nutrição. Instituto de Ciências da Vida. Universidade Federal de Juiz de Fora-campus Governador Valadares
  • Raquel Tognon Ribeiro Departamento de Farmácia. Instituto de Ciências da Vida. Universidade Federal de Juiz de Fora-campus Governador Valadares.
Palavras-chave: Ferro, Anemia Ferropriva, Comportamento Alimentar, Criança

Resumo

Introdução: A introdução da alimentação complementar de forma adequada e a formação de hábitos alimentares saudáveis são grandes desafios no Brasil, onde muitos alimentos importantes para o desenvolvimento das crianças não lhe são ofertados devido a crenças, tabus e culturas regionais, bem como acesso e disponibilidade. Alguns desses alimentos atuam diretamente na prevenção da anemia ferropriva, como carnes e vísceras, folhas verdes em geral, feijões e gema de ovo. Objetivo: Avaliar a frequência de consumo de alimentos fonte de ferro entre crianças de 6 a 59 meses cadastradas na Estratégia de Saúde da Família. Material e Métodos: Trata-se de estudo transversal realizado com 256 crianças de 6 a 59 meses cadastradas na Estratégia de Saúde da Família de um município no interior do estado de Minas Gerais. Aplicou-se questionário estruturado sobre condições de vida e saúde e frequência alimentar e avaliaram-se dados antropométricos. Utilizaram-se testes de Mann-Whitney e qui-quadrado de Pearson na comparação dos resultados segundo faixa etária da criança, adotando-se p<0,05. Resultados: Os alimentos fonte de ferro mais consumidos foram feijões (79,7%), produtos de padaria (78,9%) e farinhas infantis (29,9%), sendo o consumo dos outros nove alimentos avaliados classificados como raro. Crianças mais velhas apresentaram maior frequência de consumo para vegetais folhosos, carnes vermelhas, aves e ovos, sendo que nas crianças com menos de 24 meses as fórmulas lácteas apresentaram maior frequência, demonstrando introdução tardia dos alimentos fonte de ferro. Conclusão: Foi identificada baixa frequência de consumo dos alimentos fonte de ferro pelas crianças, oportunizando a carência nutricional de ferro, reforçando a importância da orientação da família quanto à diversificação da alimentação da criança de forma a contribuir para a promoção de saúde e prevenção de deficiências como a de ferro.

 

Biografia do Autor

Clarice Lima Alvares da Silva, Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Juiz de Fora - campus Governador Valadares

Possui graduação em Nutrição pela Universidade Federal de Viçosa (2006), mestrado em Ciência da Nutrição pela Universidade Federal de Viçosa (2008) e doutorado em Ciências da Saúde/Saúde Coletiva pelo Centro de Pesquisas René Rachou (2013). Atualmente é professor adjunto no Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Juiz de Fora, campus avançado de Governador Valadares. Coordenadora do Núcleo de Estudos da Pessoa Idosa (NEPI). Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Análise Nutricional de População, atuando principalmente nos seguintes temas: epidemiologia nutricional, estado nutricional, avaliação nutricional, consumo alimentar, envelhecimento e promoção da saúde.

Referências

Camaschela K. Iron deficiency anemia. N Engl J Med. 2015; 372:1832-43.

Petry N, Olofin I, Hurrell RF, Boy E, Wirth JP, Moursi M et al. The proportion of anemia associated with iron deficiency in low, medium, and high human development index countries: a systematic analysis of national surveys.Nutrients 2016, 8(11): 693-70.

World Health Organization. Worldwide prevalence of anaemia 1993-2005: WHO Global Database on Anaemia. Geneva: 2008.

Gurunathan D, Swathi A, Kumar M. S. Prevalence of iron deficiency anemia in children with severe early childhood caries. Biomed Pharmacol J. 2019; 12(1):página inicial-final. http://dx.doi.org/10.13005/bpj/1630

Gupta PM, Perrine CG, Mei Z, Scanlon KS. Iron anemia and iron deficiency anemia among young children in the United States. Nutrients. 2016; 8(6):300-11.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Programa Nacional de Suplementação de Ferro: manual de condutas gerais. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

World Health Organization. Iron deficiency anaemia: assessment, prevention, and control. Geneva: 2001.

Anand T, Rahi M, Sharma P, Ingle GK. Issues in prevention of iron deficiency anemia in India. Nutrition. 2014; 309(7):764-70.

Ministério da Saúde (BR). Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS): Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Portaria nº 1.920, de 5 de setembro de 2013. [Citado em 2016 Aug 2] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1920_05_09_2013.html

Ministério da Saúde (BR). RDC nº 344, de 13 de dezembro de 2002. [citado em 2016 Aug 2] Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/resolucao_rdc344_2002.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Estratégia de fortificação da alimentação infantil com micronutrientes em pó: NutriSUS. 2015. [citado em 2016 Aug 2] Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_pcan.php?conteudo=nutrisus.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Política de Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Censo demográfico, 2010. Rio de Janeiro: 2012. [citado em 2014 Jan 2] Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Oliveira TSC, Oliveira TDSCD, Silva MCD, Santos JN, Rocha DDS, Alves CRL et al. Anemia among preschool children-a public health problem in Belo Horizonte, Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(1):59-66.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

World Health Organization. WHO child growth standards: length/height-for-age, weight-for-age, weight-for-length, weight-for-height and body mass index-for-age: methods and development. Geneva: 2006.

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. 4. ed. rev. ampl. Campinas: UNICAMP; 2011.

Veríssimo AC, Barbosa MCA, Almeida NAV, Queiroz ACC, Kelmann RG, Silva CLA. Association between the habit of reading food labels and health-related factors in elderly individuals of the community. Rev. Nutr. 2019; 32:e180207. http://dx.doi.org/10.1590/1678-9865201932e180207.

Silva CLA. Fatores associados ao estado nutricional e ao nível de hemoglobina em idosos: Programa de Saúde da Família, Viçosa-MG [Dissertação]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2008.

Sperandio N, Rodrigues CT, Franceschini SC, Priore SE. Impacto do Programa Bolsa Família no consumo de alimentos: estudo comparativo das regiões Sudeste e Nordeste do Brasil. Cien Saude Colet. 2017; 22(6):1771-80.

Martins APB, Monteiro CA. Impact of the Bolsa Família Program on food availability of low-income Brazilian families: a quasi experimental study. BMC Public Health. 2016; 16:3-11. http://dx.doi.org/10.1186/s12889-016-3486-y

Menéndez AM, Vecchiarelli C, Portela MLPM. Intervenciones para prevenir la anemia ferropénica del niño prematuro. Controversias Rev Nutr Clin Metab. 2018; 1(1):64-75.

Minter CIJ. Information to help families meet their breastfeeding goals. Journal of Consumer Health on the Internet. 2019; 23(1):83-93. http://dx.doi.org/10.1080/15398285.2019.1573073.

Brígido AF, Santos EO, Prado EV. Qualification of the childcare approach: an intervention in the Family Health Strategy/Service. J res fundam care online. 2019; 11(n.esp):448-454. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i2.448-454

Bouis H. Reducing mineral and vitamin deficiencies through biofortification: progress under harvest plus. World Rev Nutr Diet. 2018; 118:112-22.

Della Lucia CM, Santos LLM, Silva BPS, Anunciação PC, Alfenas RCG, Franceschini SCC et al. Impact of rice fortified with iron, zinc, thiamine and folic acid on laboratory measurements of nutritional status of preschool children. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22(2):583-92. https://doi.org/10.1590/1413-81232017222.17322016

André HP, Sperandio N, Siqueira NL, Franceschini SCC. Food and nutrition insecurity indicators associated with iron deficiency anemia in Brazilian children: a systematic review. Cien Saude Colet. 2018; 23(4):1159-67.

Irarrázaval B, Barja S, Bustos E, Doirsaint R, Senethmm G, Guzmán MP et al. Influence of feeding practices on malnutrition in Haitian infants and young children. Nutrients. 2018; 10(3):382. https://doi.org/10.3390/nu10030382

Goldbohm RA, Rubingh CM, Lanting CI, Joosten KF. Food consumption and nutrient intake by children aged 10 to 48 months attending day care in the Netherlands. Nutrients. 2016; 8(428):página inicial-final. http://dx.doi.org/10.3390/nu8070428.

Freiberg CK, Philippi ST, Leal GVS, Martinez MF, Silva MEW. Avaliação do consumo alimentar de crianças menores de dois anos institucionalizadas em creches no município de São Paulo. Rev Assoc Bras Nutr. 2014; 4(1):17-21.

Coradi FB, Bottaro SM, Kirsten VM. Consumo alimentar de crianças de seis a doze meses e perfil sociodemográfico materno. Demetra. 2017; 12(3):733-50.

Publicado
2020-02-14
Como Citar
Alvares da Silva, C. L., Ferreira, M. C. P., Pires, P. C. C., & Ribeiro, R. T. (2020). Frequência de consumo de alimentos fonte de ferro entre crianças de 6 a 59 meses atendidas pela Estratégia de Saúde da Família. HU Revista, 45(4), 389-395. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.27795
Seção
Artigos Originais