As representações sociais das pessoas vivendo com HIV/AIDS sobre o uso do antirretroviral Enfuvirtida

  • Stela Vidigal Milagres Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Girlene Alves da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Geovana Brandão Santana Almeida Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Teresa Cristina Soares Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Promoção da Saúde. Assistência à Saúde. Adesão à Medicação. Antirretrovirais. Enfermagem.

Resumo

Trata-se de uma pesquisa qualitativa ancorada na teoria das representações sociais, cujos objetivos foram analisar as representações sociais das pessoas vivendo com HIV/AIDS sobre o uso do antirretroviral Enfuvirtida, as repercussões em sua vida cotidiana e comparar as repercussões dessa nova abordagem terapêutica,no cotidiano de pessoas que vivem com HIV/AIDS,com o esquema medicamentoso anterior.O estudo foi realizado no ambulatório de doenças infectoparasitárias de um Hospital Universitário de Minas Gerais, com oito pessoas vivendo com HIV/AIDS sob uso do antirretroviral Enfuvirtida.Para a coleta de dados,utilizou-se um roteiro semiestruturado. Na categoria de análise denominada “A adaptação ao novo – Da compreensão à habilidade no uso da enfuvirtida”, percebeu-se que os aspectos que envolvem o uso de antirretrovirais ultrapassam os benefícios de uma nova possibilidade terapêutica, umavez que os relatos mostram o desejo por uma abordagem que repercuta minimamente no estar e viver o cotidiano das pessoas. As representações dos usuários sobre a Enfuvirtida são significantes para orientar e organizar as condutas pessoais e sociais, dos profissionais, traduzindo o significado e o investimento afetivo que estas pessoas atribuem ao uso desta medicação e os hábitos que incorporam para a condução do tratamento e autocuidado.

Referências

CHEN, L. F. et al. Ten years of highly active antiretroviral therapy for HIV infection. The Medical Journal of Australia, Sydney, v. 186, n. 4, p. 16-51, jul./ago. 2007.

JACQUES, I. J. A. A. et al. Avaliação da Adesão à Terapia Antirretroviral entre Pacientes em Atendimento Ambulatorial. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, PB, v. 18, n. 4, p. 303-308, fev./mar. 2014.

JODELET, D. As Representações Sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.

LEMOS, L. A. et al. Adesão aos antirretrovirais em pessoas com coinfecção pelo vírus da imunodeficiência humana e tuberculose. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 24, n. 3, p. 15-22, set./out. 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº. 196/1996, de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e normas regulamentadoras sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde, 1996. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1996/res0196_10_10_1996.html. Acesso em 05 fev. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. O que é HIV. Brasília, 2017. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pagina/o-que-e-hiv>. Acesso em: 04 fev. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (Brasil). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para terapia antirretroviral em adultos infectados pelo HIV. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/pub/2007/59204/consensoadulto005c_2008montado.pdf . Acesso em: 05 fev. 2017.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

RACHID, M; SCHECHTER, M.; Manual de HIV/AIDS. 8. ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Revinter, 2008.

SANTOS, T. C. A prevalência de fatores de risco para baixa adesão na terapia com enfuvirtida, nos usuários soropositivos para o HIV e em tratamento nos Centros de Referência em Porto Alegre – RS. DST – Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 18, n. 4, p. 247-253, jan./fev. 2006.

SILVA, G. A.; TEIXEIRA, M. G. A representação do portador do vírus da imunodeficiência humana sobre o tratamento com os antirretrovirais. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 42, n.4, p. 729-736, nov./dez. 2008.

SOUZA, M. N. Acompanhamento farmacoterapêutico de pacientes portadores do vírus HIV usuários de enfuvirtida no Centro Regional de Especialidades Metropolitano de Curitiba. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

TEIXEIRA, P. R. et al. Tá difícil de engolir? Experiências de adesão ao tratamento antirretroviral em São Paulo. São Paulo: NEPAIDS, 2000. Disponível em: http://nepaids.vitis.uspnet.usp.br/wp-content/uploads/2010/04/ta_dificil.pdf . Acesso em: 05 fev. 2017.

TORRES, D. V. M.; MIRANDA, K. C. L. Enfuvirtida para o tratamento do paciente com Aids: o divisor de águas. Ciência e Saúde coletiva, v. 15, n. 1, p. 1133-1142, ago. 2010.

UNAIDS. Get on the Fast - Track. The life – cycle approach to HIV. Finding solutions for everyone at every stage of life. Geneva, UNAIDS, 2016. Disponível em: http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/Get-on-the-Fast-Track_en.pdf . Acesso em 05 fev. 2017.

Publicado
2019-01-09
Como Citar
Milagres, S. V., Silva, G. A. da, Almeida, G. B. S., & Soares, T. C. (2019). As representações sociais das pessoas vivendo com HIV/AIDS sobre o uso do antirretroviral Enfuvirtida. HU Revista, 43(4), 331 - 337. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2774
Seção
Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)