Identificação do perfil nutricional e ocorrência de complicações gastrointestinais em pacientes hospitalizados submetidos à Terapia Nutricional Enteral

Autores

  • Rosequele Keila Américo Silva Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.
  • Graciele Flaviana Da Rocha Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.
  • Iury Antônio De Souza Universidade Presidente Antônio Carlos campus II Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.
  • Elisa Grossi Mendonça Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.
  • Marcelo Santos De Oliveira Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.
  • Gilce Andrezza De Freitas Folly Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.

DOI:

https://doi.org/10.34019/1982-8047.2017.v43.2745

Palavras-chave:

Terapia nutricional, nutrição enteral, desnutrição, trato gastrointestinal

Resumo

A terapia nutricional enteral (TNE) é muito importante para a recuperação e manutenção do estado nutricional dos pacientes, sendo sugerida a sua introdução precoce em até 24 a 48 horas após a admissão hospitalar. Mas, sabe-se que podem ocorrer intolerâncias gástricas, como diarreia e vômito, que podem comprometer a administração da dieta enteral. Diante disso, o objetivo do estudo foi identificar e avaliar o perfil nutricional, TNE precoce e complicações frequentes nos pacientes internados em instituição de atendimento na cidade de Barbacena-MG. Trata-se de um estudo clínico retrospectivo com revisão de prontuários de atendimento nutricional realizados nos anos de 2012 a 2013, totalizando 310 protocolos de pacientes com idade igual ou superior a 18 anos e com suporte de TNE por pelo menos três dias. A análise estatística foi realizada no software PASW Statistics 17. Dentre os avaliados, 53,55% eram desnutridos moderados, 15,16% desnutridos graves, 71,61% atingiram as necessidades nutricionais em até sete dias de TNE e 63,87% receberam TNE em até 48 horas. Entre as complicações prevaleceu à estase gástrica em 23,10% dos pacientes. Com relação à evolução, 35,16% dos pacientes tiveram alta hospitalar com alimentação por via oral, 11,94% permaneceram em nutrição enteral e 52,90% foram a óbito. Foi observada maior prevalência de desnutrição moderada, início da TNE precoce e ocorrência de estase gástrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosequele Keila Américo Silva, Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.

Graduada em Nutrição pela Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Faculdade de Nutrição - Barbacena, MG.

Graciele Flaviana Da Rocha, Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.

Graduada em Nutrição pela Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Faculdade de Nutrição - Barbacena, MG.

Iury Antônio De Souza, Universidade Presidente Antônio Carlos campus II Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

Acadêmico da Universidade Presidente Antônio Carlos campus II Juiz de Fora, Faculdade de Nutrição - Juiz de Fora, MG.

Elisa Grossi Mendonça, Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.

Nutricionista, Docente da Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Faculdade de Nutrição - Barbacena, MG.

Marcelo Santos De Oliveira, Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.

Farmacêutico Bioquímico, Docente da Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Faculdade de Nutrição - Barbacena, MG.

Gilce Andrezza De Freitas Folly, Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Barbacena, MG.

Nutricionista, Docente da Universidade Presidente Antônio Carlos campus Magnus, Faculdade de Nutrição - Barbacena, MG.

Referências

ARANJUES, A. L. et al. Monitoração da terapia nutricional enteral em UTI: indicador de qualidade? O mundo da saúde São Paulo, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 16-23, jan./mar. 2008.

ASSIS, M. C. S. et al. Nutrição Enteral: diferenças entre volume, calorias e proteínas prescritos e administrados em adultos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 346-350, nov. 2010.

BARBOSA, J. A. G.; FREITAS, M. I. F. Representações sociais sobre a alimentação por sondas obtidas de pacientes adultos hospitalizados. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 235-242, mar./abr. 2005.

BRITO, S.; DREYER, E. Terapia nutricional: condutas do nutricionista. Grupo de Apoio Nutricional - Hospital das clínicas/Unicamp, Campinas, dez, 2003. Disponível em: http://www.hc.unicamp.br/servicos/emtn/manual_nutricionista_2004-11-02.pdf . Acesso em: 16 out. 2014.

CARTOLANO, F. C.; CARUSO, L.; SORIANO, F. G. Terapia nutricional enteral: aplicação de indicadores de qualidade. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 376-383, out. 2009.

CASTRAO, D. L. L.; ZABAN, A. L. R. S; FREITAS, M. M. Terapia nutricional enteral e parenteral: complicações em pacientes críticos: uma revisão de literatura. Comunicação em Ciências da Saúde, Distrito Federal, v. 20, n. 1, p. 65-74, jan./mar. 2009.

DETSKY, A. S. et al. What is subjective global assessment of nutritional status? Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, v. 11, n. 1, p. 8-13, jan./feb. 1987.

ELPERN, E. H. et al. Outcomes associated with enteral tube feedings in a medical intensive care unit. American Journal of Critical Care, v. 13, n. 3, p. 221-227, may. 2004.

FONTOURA, C. S. M. et al. Avaliação nutricional de paciente crítico. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 298-360, jul./set. 2006.

GALLAGHER-ALLRED, G. et al. Malnutrition and clinical outcomes: the case for medical nutrition therapy. Journal of the American Dietetic Association, v. 96, n. 4, p. 361-369, apr. 1996.

ISIDORO, M. F.; LIMA, D. S. C. Adequação calórico-proteica da terapia nutricional enteral em pacientes cirúrgicos. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 58, n. 5, p. 580-586, set./out. 2009.

LEMOS, C. F. S.; ROCHA, R.; PAULA, C. A. R. Alterações gastrintestinais de pacientes críticos em uso de norepinefrina e terapia nutricional enteral. Revista Brasileira de Nutrição Clinica, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 34-40, jan./mar. 2008.

MIRANDA, S. B. N.; OLIVEIRA, M. R. M. Suporte nutricional precoce: avaliação de pacientes críticos internados em UTI. Revista Saúde, Piracicaba, v. 7, n. 16, p. 37-47, 2005.

MOSIER, M. J. et al. Early enteral nutrition in burns: compliance with guidelines and associated outcomes in a multicenter study. Journal of Burn Care & Research, v. 32, n. 1, p. 104-109, jan./feb. 2011.

NOZAKI, V. T.; PERALTA, M. R. Adequação nutricional na terapia nutricional enteral: comparação em dois hospitais. Revista de Nutrição, Campinas, v. 22, n. 3, p. 314-350, maio/jun. 2009.

O’LEARY-KELLEY, C. M. et al. Nutritional adequacy in patients receiving mechanical ventilation who are fed enterally. American Journal of Critical Care, v. 14, n. 3, p. 222-231, may. 2005.

OLIVEIRA FILHO, R.S. et al. Main Barriers in Control of Energy-Protein Deficit in Critical Oncologic Patient at Nutricional Risk. Journal of Integrative Oncology, v. 5, n. 1, p. 1-5, feb. 2016.

OLIVEIRA, S. M. et al. Complicações gastrointestinais e adequação calórico-proteica de pacientes em uso de nutrição enteral em uma unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 270-273, abr. 2010.

O'MEARA D et al. Evaluation of delivery of enteral nutrition in critically ill patients receiving mechanical ventilation. American Journal of Critical Care, v. 17, n.1, p. 53-61, jan. 2008.

PADILHA, P.C. et al. Terapia Nutricional Enteral no paciente crítico pediátrico: uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 126-134, mar. 2011.

PASINATO, V. F. et al. Terapia nutricional enteral em pacientes sépticos na unidade de terapia intensiva: adequação às diretrizes nutricionais para pacientes críticos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 17-24, jan./mar. 2013.

PETROS, S.; ENGELMANN, L. Enteral nutrition delivery and energy expenditure in medical intensive care patients. Clinical Nutrition, v. 25, n. 1. P. 51-59, feb. 2006.

SACON, M. F. et al. O início precoce do suporte nutricional como fator prognóstico para pacientes com sepse grave e choque séptico. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 32, n. 2, p. 135-142, jul./dez. 2011.

SALOMÃO, A. B.; MOURA, R. R.; NASCIMENTO, J. E. A. Terapia nutricional precoce no trauma: após o A, B,C, D, E, a importância do F (FEED). Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Rio de Janeiro, v. 40, n. 4, p. 342-346, 2013.

SANTANA, M. M. A. et al. Inadequação calórica e proteica e fatores associados em pacientes graves. Revista de Nutrição, v. 29, n. 5, p. 645-654, set./out. 2016.

TEIXEIRA, A. C. C.; CARUSO, L.; SORIANO, F. G. Terapia Nutricional Enteral em Unidades de Terapia Intensiva: Infusão Versus Necessidades. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 331-337, out./dez. 2006.

WAITZBERG, D. L.; CAIAFFA, W. T.; CORREIA, M. I. T. D. Hospital malnutrition: the Brazilian national survey (IBRANUTRI): a study of 4000 patients. Nutrition, v. 17, n. 7-8, p. 573-580, jul./aug. 2001.

Downloads

Publicado

2018-07-16

Como Citar

1.
Silva RKA, Da Rocha GF, De Souza IA, Mendonça EG, De Oliveira MS, Folly GADF. Identificação do perfil nutricional e ocorrência de complicações gastrointestinais em pacientes hospitalizados submetidos à Terapia Nutricional Enteral. HU Rev [Internet]. 16º de julho de 2018 [citado 19º de junho de 2024];43(2):141-7. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2745

Edição

Seção

Artigos Originais