Prevenção e controle de infecções relacionadas a assistência à saúde: fatores extrínsecos ao paciente

  • Paôla Sargento Silva Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
  • Talita Ribeiro Silva Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
  • Clarice Mayremi Toshimitu Hoyashi Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
  • Renata Martins da Silva Pereira Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
Palavras-chave: Infecção Hospitalar, Prevenção, Higienização das mãos, Enfermagem

Resumo

O objetivo deste estudo foi levantar os fatores extrínsecos ao paciente ligados à Infecções relacionadas a assistência à saúde e apontar medidas utilizadas por enfermeiros no Controle de Infecção relacionadas a estes fatores. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, descritiva e com abordagem qualitativa. Utilizou-se 15 artigos disponíveis nas bases Scielo, Lilacs, BVS e Bireme. O recorte temporal foi de 2009 a 2015. Os resultados apontaram que os principais fatores que possibilitam as infecções são a falta da higienização das mãos, o uso indiscriminado de antibióticos, a ausência de manuais de rotinas e procedimentos técnicos e a não adesão às medidas de precaução pela equipe. Quanto às medidas utilizadas pela CCIH e a equipe de enfermagem, para o controle das infecções, destacaram-se a padronização de técnicas para a realização de procedimentos, atualização de Manuais e a Educação Permanente aos profissionais de saúde. Torna-se assim, relevante a valorização do trabalho da equipe de saúde no contexto da prevenção de infecções hospitalares ligadas a fatores tanto extrínsecos como intrínsecos visando a adequação da segurança do paciente e qualidade assistencial prestada nos serviços de saúde.

 

Biografia do Autor

Paôla Sargento Silva, Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
Graduada em Enfermagem (UniFOA)
Talita Ribeiro Silva, Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)
Graduada em Enfermagem (UniFOA)
Clarice Mayremi Toshimitu Hoyashi, Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)

Docente do Curso de Enfermagem UniFOA.

Mestre em Ensino de Ciências da Saúde e Meio Ambiente. (UniFOA)

Renata Martins da Silva Pereira, Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA)

Docente do Curso de Enfermagem UniFOA.

Doutoranda do PPGENFBIO (UNIRIO)

Referências

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Programa Nacional de Prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (2016-2020). Brasília: ANVISA, 2016. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/3074175/PNPCIRAS+2016-2020/f3eb5d51-616c-49fa-8003-0dcb8604e7d9 . Acesso em 10 jun. 2017.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Critérios diagnósticos de infecção relacionada a assistência a saúde. 2.ed. Brasília: ANVISA, 2017. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/3507912/Caderno+2+-. Acesso em 10 jun. 2017.

ANACLETO, A. S. C. B. et al. Higienização das mãos e a segurança do paciente: Perspectiva de docentes e universitários. Revista Texto & contexto Enfermagem, v. 22, n. 4, p. 901-8, out./dez. 2013.

AYCAN, I. O. et al. Colonização Bacteriana por Causa do Aumento da Carga de Trabalho da Equipe de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Anestesiologia, v. 65, n. 3, p. 180-185, mai./jun. 2015. BARROS, M. M. A. et al. O enfermeiro na prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde. Universitas: Ciências da Saúde, v. 14, n. 1, p. 15-21, jan./jun. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2616/MS/GM, de 12 de maio de 1998. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1998. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/legis/portarias/2616-98.htm.

CAIS, D. P. et al. Infecções em pacientes submetidos a procedimento hemodialítico: revisão sistemática. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 21, n. 3, p. 269-275, ago. 2009.

COELHO, M. S. et al. Higienização das Mãos como Estratégia Fundamental no Controle de Infecção Hospitalar: Um Estudo Quantitativo. Revista Electronica Trimestral de Enfermería, n. 21, jan. 2011.

GIOVANINI, T. et al. História da Enfermagem. 3.ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2009.

MARGARIDO, C. A. et al. Contaminação microbiana de punhos de jalecos durante a assistência a saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 67, n.1, p.127-32, jan./fev. 2014.

MELLO, M. J. G. Infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva pediátrica. Recife: O Autor, 2007. 111 folhas. Tese (doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco. CCS. Medicina Tropical, 2007.

MENEGUETI, M. G. et al. Avaliação dos Programas de Controle de Infecção Hospitalar em serviços de saúde. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 23, n. 1, p. 98-105, jan./fev. 2015.

MURTA, A. R. et al. Perfil Epidemiológico e Análise Microbiológica da Infecção de Sítio Cirúrgico em Pacientes Humanos e Animais de Companhia. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 35, n. 7, p. 652-658, jul. 2015.

OLIVEIRA, A. C.; PAULA, A. O. Descalonamento de antimicrobiano e custos do tratamento de pacientes com infecção. Revista Acta Paulista de Enfermagem, v. 25, n.2, p. 68-74, 2012.

OLIVEIRA, A. C. et al. Precauções de contato em unidade de terapia intensiva: fatores facilitadores e dificultadores para adesão dos profissionais. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 1, p. 161-5, 2009.

OLIVEIRA, A. C. et al. Vestuário de profissionais de saúde como potenciais reservatórios de microrganismos: uma revisão integrativa. Revista Texto & contexto Enfermagem, v. 21, n. 3, p. 684-91, jul./set. 2012.

OLIVEIRA, C. O. P. et al. Caracterização das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista de Enfermagem da UERJ, v. 21, n. 1, p. 90-4, jan./mar. 2013.

OLIVEIRA, F. J. G. et al. O Uso de Indicadores Clínicos na Avaliação das Práticas de Prevenção e Controle de Infecção de Corrente Sanguínea. Revista Texto & contexto Enfermagem. v. 24, n. 4, p. 1018-26, out./dez. 2015.

OLIVEIRA, H. M.; SILVA, C. P. R.; LACERDA, R. A. Policies for control and prevention of infections related to healthcare assistance in Brazil: a conceptual analysis. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.50, n. 3, p. 502-508, 2016.

PAIVA, M. H. R. S.; OLIVEIRA, A. C. Conhecimento e atitudes de trabalhadores de um serviço público de emergência sobre adoção de precauções padrão. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 64, n. 4, p. 704-10, jul./ago. 2011.

RABELO, A. H. S.; SOUZA, T. V. O. conhecimento do familiar/acompanhante acerca da precaução de contato: contribuições para a enfermagem pediátrica. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v.13, n. 2, p. 271-78, abr./jun. 2009.

SILVA A. C, et al. A enfermagem frente à educação permanente na prevenção e no controle da infecção hospitalar. Revista Pró-UniverSUS, v.5, n.2, p. 05-10, 2014.

SOUZA, L. M. et al. Adesão dos profissionais de terapia intensiva aos cinco momentos da higienização das mãos. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 36, n. 4, p. 21-8, out./dez. 2015.

WHO. World Health Organization. WHO guidelines on hand hygiene in health care: a summary. 2009. Disponível em: http://apps.who.int/iris/handle/10665/70126 . Acesso em 10 jun. 2017.

Publicado
2018-10-15
Como Citar
1.
Silva PS, Silva TR, Hoyashi CMT, Pereira RM da S. Prevenção e controle de infecções relacionadas a assistência à saúde: fatores extrínsecos ao paciente. hu rev [Internet]. 15º de outubro de 2018 [citado 15º de agosto de 2020];43(3):277 -283. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2739
Seção
Artigos de Revisão da Literatura