O estresse nos profissionais de saúde: uma revisão de literatura

Palavras-chave: Burnout, Estresse, Profissional da Saúde

Resumo

Introdução: O estresse é caracterizado, fisiologicamente, como um processo que envolve respostas do sistema nervoso autônomo. É considerado ocupacional quando é definido como processo no qual o indivíduo consegue perceber as demandas no ambiente de trabalho como fatores estressantes ou estressores, provocando, reações negativas. Objetivo: Identificar, na literatura, situações que podem causar estresse ou síndrome de Burnout em profissionais da saúde e suas possíveis consequências. Material e método: O critério de seleção foram artigos completos publicados entre os anos de 2014 a 2018, publicados em língua portuguesa, sem restringir tipo de estudo, mas que abordavam prioritariamente a temática: situações de estresse nos profissionais de saúde. A pesquisa foi realizada em 6 bases eletrônicas de dados, acessíveis na web. Resultados: Foi observado que os profissionais de saúde podem estar expostos a diversas situações que favorecem o surgimento do estresse, dentre elas sobrecarga de trabalho, relacionamento com o paciente, falta de recursos, conflitos com outros profissionais, óbito de pacientes e jornadas de trabalho exaustivas. Os sintomas relacionados ao estresse são evidenciados de acordo com a fase em que o indivíduo está vivenciando, variando entre hipertensão arterial, enxaqueca, tensão, crises de ansiedade, desânimo e até infarto. Conclusão: O estresse ocupacional é prejudicial aos profissionais da área de saúde, evidenciando-se a necessidades de medidas preventivas para minimizar prejuízos na qualidade de vida do trabalhador da Saúde.

Biografia do Autor

Érika Karolline Marins Santos, Faculdades Unidas do Norte-FUNORTE
Enfermeira
Rosimar Ferreira Durães, Faculdades Unidas do Norte-FUNORTE
Enfermeira
Mariana de Souza Guedes, Faculdade de Saúde Ibituruna-FASI
Graduanda em Enfermagem
Matheus Filipe Oliveira Rocha, Faculdade de Saúde Ibituruna-FASI
Graduando em Enfermagem
Fernanda Cardoso Rocha, Faculdade de Saúde Ibituruna-FASI. Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES. Faculdades Unidas do Norte-FUNORTE
Graduada em Psicologia pela Faculdade de Saúde. Especialista em Saúde da Família. MBA em Gestão de Recursos Humanos. Especialista em Metodologia e Didática do Endino Superioe. Especialista em Psicologia hospitalar. Especialista em Psico-oncologia. Mestranda em Cuidados Primários em Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros-Unimontes
Jaqueline D`Paula Ribeiro Vieira Torres, Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES
Enfermeira, Doutoranda em Ciencias da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES. Mestre em Ciencias da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES.
Henrique Andrade Barbosa, Faculdade de Saúde Ibituruna-FASI. Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES. Faculdades Unidas do Norte-FUNORTE
Enfermeiro, Doutorando em Ciencias da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES. Mestre em Ciencias da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros- UNIMONTES.

Referências

Ratochinski CMW, Powlowytsch PWM, Grzelczak MT, Souza WC, Mascarenhas LPG. O estresse em profissionais de enfermagem: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2016; 20(4):341-46. [citado em 2018 dez 18] Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rbcs/article/view/23891/16084

Santos NAR, Santos J, Silva, VR, Passos JP. Estresse ocupacional na assistência de cuidados paliativos em oncologia. Cogitare Enfermagem. 2017, 22(4):1-10. [citado em 2018 dez 18] Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/50686/pdf

Almeida LA, Medeiros IDS, Barros AG, Martins CCF, Santos VEP. Fatores geradores da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 2016; 8(3):4623-8. [citado em 2018 dez 20] Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3469

Fernandes LS, Nitsche MJT, Godoy, I. Síndrome de Burnout em profissionais de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 2017; 9(2): 551-7. [citado em 2018 dez 21] Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4199

Lemes AG, Sena AFJ, Nascimento VF, ROCHA EM. Estresse e ansiedade em trabalhadores de enfermagem no âmbito hospitalar. Journal of Nursing and Health. 2015; 5(1):27-37. [citado em 2019 jan 15] Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/5089

Jacques JPB, Ribeiro RP, Martins JT, Rizzi DS, Schmidt DRC. Geradores de estresse para os trabalhadores de enfermagem de centro cirúrgico. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2015, 36(1Supl):25-32. [citado em 2019 jan 15] Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/18197

Leonelli LB, Andreoni S, Martins P, Kozasa EH, Salvo VLD, Sopezki D, Demarzo MMP. Estresse percebido em profissionais da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2017; 20(2):286-98. [citado em 2019 jan 16] Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1415-790X2017000400286&script=sci_arttext&tlng=en

Oliveira RJ, Cunha T. Estresse do profissional de saúde no ambiente de trabalho: causas e consequências. Caderno de Saúde e Desenvolvimento. 2014, 3(2):78-93. [citado em 2019 jan 16] Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/cadernosaudedesenvolvimento/article/view/302

Andrade MCM, Siqueira Junior AC. Estresse ocupacional no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Revista Mineira de Enfermagem. 2014, 18(2):376-83. [citado em 2019 jan 16] Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/934

Coronetti A, Nascimento ERPD, Barra DCC, Martins JDJ. O estresse da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva: o enfermeiro como mediador. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2006, 35(4):36-43. [citado em 2019 jan 16] Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/revista/pdf/artigos/394.pdf

Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos psicossociais no trabalho podem levar ao estresse: uma análise da literatura. Revista Ciência, Cuidado e Saúde. 2008; 7(2):232-40. [citado em 2019 jan 16] Disponível em: https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/44807208/5010-14770-1-PB.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1551203984&Signature=j%2FQYkJAusutbej4EKOwj8X6k06c%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DRiscos_psicossociais_no_trabalho_que_pod.pdf

Calderero ARL, Miasso AI, Corradi-Webster CM. Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem de pronto atendimento. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2008; 10(1):51-61. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://ww.fen.ufg.br/revista/v10/n1/pdf/v10n1a05.pdf

Marques DDO, Pereira MS, Souza ACS, Vila VDSC, Almeida CCODF, Oliveira ECD. O absenteísmo: doença da equipe de enfermagem de um hospital universitário. Revista Brasileira de Enfermagem. 2015; 68(5):876-882. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n5/0034-7167-reben-68-05-0876.pdf

Umann J, Guido LDA, Leal KP, Freitas EDO. Absenteísmo na equipe de enfermagem no contexto hospitalar. Revista Ciência, Cuidado e Saúde. 2011; 10(1):191-196. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/11867/pdf

Stacciarini JMR, Troccoli BT. O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2001, 9(2):17-25. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v9n2/11510

Montanholi LL, Tavares DMS, Oliveira GR. Estresse: fatores de risco no trabalho do enfermeiro hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem. 2006, 59(5):661-5. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672006000500011&lng=pt&tlng=pt

Becker SG, Oliveira MLC. Estudo do absenteísmo dos profissionais de enfermagem de um centro psiquiátrico em Manaus, Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2008; 1(16):109-14. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692008000100017&lng=en&tlng=en

Barreto BMF, Valente GSC, Silva RP, Camacho ACLF, Oliveira BGRB. A interferência do estresse no trabalhador de enfermagem no ambiente hospitalar e sua relação como fator de risco para a ocorrência de câncer. Revista Fundamental Care Online. 2016, 8(2):4154-67. [citado em 2019 jan 17] Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3715

Rodrigues CCFM, Santos VEP. O corpo fala: aspectos físicos e psicológicos do estresse em profissionais de enfermagem. Revista Fundamental Care Online. 2016; 8(1):3587-96. [citado em 2019 jan 19] Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2849

Bezerra JL, Lucca SR. Fatores psicossociais de estresse no trabalho de agentes comunitários de saúde do município de Parnaíba, Piauí. Revista Baiana de Saúde Pública. 2016; 40(1):169-89. [citado em 2019 jan 19] Disponível em: http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/1878

Lipp MEN, Malagris LEN. O estresse emocional e seu tratamento. In: RANGE, B. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: Um diálogo com a psiquiatria (2. ed.) Porto Alegre: Artes Médicas; 2001. p. 475-490.

Ferreira DKS, Medeiros SM, Carvalho IM. Sofrimento psíquico no trabalhador de enfermagem: uma revisão integrativa. Revista Fundamental Care Online. 2017; 9(1):553-55. [citado em 2019 jan 19] Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3912

Publicado
2019-11-07
Como Citar
Santos, Érika K. M., Durães, R. F., Guedes, M. de S., Rocha, M. F. O., Rocha, F. C., Torres, J. D. R. V., & Barbosa, H. A. (2019). O estresse nos profissionais de saúde: uma revisão de literatura. HU Revista, 45(2), 203-211. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.25645
Seção
Artigos de Revisão da Literatura