O itinerário terapêutico dos pacientes portadores de linfoma

  • Vanessa Santos de Souza
  • Graziela Toledo Costa Mayrink
  • Michele Nakahara Melo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo http://orcid.org/0000-0002-3730-6981
  • Maria Carmen Simões Cardoso de Melo
  • Marcus da Matta Abreu
  • Abrahão Elias Hallack Neto
  • Kelli Borges dos Santos
Palavras-chave: Câncer, Linfoma, Acesso aos Serviços de Saúde, Epidemiologia Descritiva.

Resumo

Introdução: Os linfomas são um conjunto de neoplasias linfoides em que há o acúmulo de linfócitos malignos nos linfonodos, causando linfonodomegalia. Os linfomas são responsáveis por 3% a 4% dos cânceres no mundo. Estimativa mundial apontou 390 mil novos casos e 199 mil óbitos por linfoma não Hodgkin e 65 mil novos casos e 25 mil óbitos por Linfoma de Hodgkin no ano de 2012. Sendo a busca por cuidados terapêuticos e a tentativa de solucionar problemas de saúde conduzem indivíduo e familiares por caminhos compreendidos como itinerário terapêutico Objetivo: Conhecer o itinerário terapêutico de pacientes portadores de linfoma atendidos na rede pública por serviço de saúde especializado. Material e Métodos: Estudo prospectivo e descritivo com dados coletados em um hospital de referência em oncologia na Zona da Mata Mineira, no estado de Minas Gerais, Brasil. Resultados: Participaram do estudo 32 pacientes, sendo 18 do sexo masculino (56,3%), com idade entre 7 e 80 anos, caracterizados principalmente por baixos níveis de escolaridade e renda. Prevaleceu o linfoma não Hodgkin representado por 23 sujeitos (71,9%). Um total de 24 pacientes (75%) necessitou passar por três ou mais médicos até a obtenção do diagnóstico definitivo. O tempo médio entre o aparecimento dos sintomas e a realização do diagnóstico foi de 9,77 meses. A baixa renda dos pacientes contribuiu para a demora na busca ou obtenção do primeiro atendimento à saúde (p = 0,05) e consequente diagnóstico do linfoma. Conclusão: A dificuldade de acesso aos serviços de atenção à saúde e a baixa suspeita diagnóstica para a doença por parte dos profissionais possivelmente influenciaram o atraso no estabelecimento do diagnóstico.

 

 

 

Biografia do Autor

Michele Nakahara Melo, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo
Mestra em Enfermagem

Referências

Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva; Ministério da Saúde. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer. 4. ed. Rio de Janeiro: INCA, 2018. [citado em 2019 May 9] Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//livro-abc-4-edicao.pdf.

Hoffbrand AV, Moss PAH. Fundamentos em Hematologia. 6. ed. Artmed, 2013.

Machado M, Correia A, Falcão LM, Ravara LP. Linfoma de Hodgkin: conceitos actuais. Ver Med Interna. 2004; 11(4): 207-2015.

Monetiro TAF et al. Linfoma de Hodgkin: aspectos epidemiológicos e subtipos diagnosticados em um hospital de referência no Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amaz Saúde, Ananindeua. 2016; 7(1): 27-31. [citado em 2019 May 9] Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S217662232016000100003.

Marinho DF, Paiva SG, Santos GJVG. Linfoma de Hodgkin: relato de caso. Revista Científica do ITPAC. 2012; 5(2): pub. 4.

Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva; Ministério da Saúde. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2014. [citado em 2014 Nov 22] Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2014/estimativa-24042014.pdf.

Sociedade Brasileira de Cancerologia. Linfomas. [200-]. [citado em 2014 Dec 1] Disponível em: http://www.sbcancer.org.br/home2/site/index.php?option=com_content&view=article&id=120:linfomas&catid=29&Itemid=123.

Gerhardt TE. Itinerários terapêuticos em situações de pobreza: diversidade e pluralidade. Cad Saúde Pública (Rio de Janeiro). 2006; 22(11): 2449-63.

Brustolin A, Ferretti F. Itinerário terapêutico de idosos sobreviventes ao câncer. Acta paulista de enfermagem. 2017; 30(1): 47-59. [citado em 2019 May 9] Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002017000100047&lng=en&nrm=iso.

Kamakura W, Mazzon JA. Estratificação socioeconômica e consumo no Brasil. 1. ed. Edgard Blucher; 2013.

Publio GB, Silva KO, Viana GFS. Qualidade de vida de pacientes oncológicos submetidos à quimioterapia. Revista Ciência e Desenvolvimento. 2014; 7 (2): 244-57.

Saldanha CRM. Uso da rede de serviço de Juiz de Fora: a opinião do usuário. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 2008; 4(13): páginas.

Albuquerque FJB, Melo CF. Avaliação dos serviços públicos de saúde em duas capitais nordestinas do Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2010; 26 (2): 323-30.

Campos JLG, Chagas JFS, Magna LA. Fatores de atraso no diagnóstico do câncer de cabeça e pescoço e sua relação com sobrevida e qualidade de vida. Revista Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. 2007; 36 (2): 65-8.

Howell D, et al. Time-to-diagnosis and symptoms of myeloma, lymphomas and leukaemias: a report from the Haematological Malignancy Research Network. Biomed Central. 2013; 13 (9):9.

BRASIL. Lei n. 12.732, de 22 de novembro de 2012. Dispõe sobre o primeiro tratamento de paciente com neoplasia maligna comprovada e estabelece prazo para seu início. Diário Oficial da União. 2012. [citado em 2019 May 9] Disponível em: http://www.oncoguia.org.br/pub//10_advocacy/LEI_12732_12.pdf.

Paixão M, et al. Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil 2009- 2010. Editora Garamond; 2011.

Silva ELV. Racismo institucional e suas repercussões ao acesso à saúde no Brasil. Congresso Internacional de política social e serviço social: desafios contemporâneos. Londrina; 2017.

Van Wijk G, Kolk AM. Sex differences in physical symptoms: the theory contribution of symptom perception theory. Social Science & Medicine, 1997; 45: 231-46.

Levorato CD, et al. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciência & Saúde Coletiva, 2014; 19(4): 1263-1274.

Publicado
2019-11-07
Como Citar
de Souza, V. S., Mayrink, G. T. C., Melo, M. N., de Melo, M. C. S. C., Abreu, M. da M., Hallack Neto, A. E., & dos Santos, K. B. (2019). O itinerário terapêutico dos pacientes portadores de linfoma . HU Revista, 45(2), 134-139. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.25564
Seção
Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)