Influência do treino de dupla tarefa no desempenho motor e funcional de parkinsonianos

Autores

  • Giovanna Barros Gonçalves Setor de Distúrbios do Movimento, Serviço de Neurologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE/UERJ), Rio de Janeiro - RJ. Brasil
  • Ingrid de Souza Costa Setor de Distúrbios do Movimento, Serviço de Neurologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE/UERJ), Rio de Janeiro - RJ. Brasil
  • João Santos Pereira

Palavras-chave:

Doença de Parkinson. Treinamento. Atividade Motora.

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar o efeito do treino de dupla tarefa sobre o desempenho motor e funcional de indivíduos com Doença de Parkinson (DP). Foram selecionados oito parkinsonianos, de acordo com os critérios de inclusão e exclusão para a pesquisa. As avaliações consistiram na aplicação da sessão motora da Escala Unificada de Avaliação para DP (UPDRS), Medida de Independência Funcional (MIF), Escala de atividades diárias de Schwab e England (S&E) e o teste Timed Up and Go modificado. O treinamento em condição de dupla-tarefa foi realizado em 10 sessões de 50 minutos cada, duas a três vezes por semana, e consistiu na realização do Timed Up and Go Modificado e um  circuito composto por pista visual e auditiva associadas a tarefas motoras e cognitivas simultâneas. A análise estatística envolveu procedimentos descritivos e análise inferencial intra-grupo pelo teste t-student pareado com nível de significância de 5%, utilizando-se o programa Microsoft Excel Starter 2010. Observaram-se resultados estatisticamente significativos no aumento na velocidade média linear e na diminuição do número de passos durante a execução das tarefas simultâneas após o treinamento. Contudo, o seguimento motor da UPDRS, a MIF e a escala de S&E não apresentaram diferença estatisticamente significativa (p < 0,05) comparando-se os valore pré e pós-execução do programa terapêutico. Conclui-se que o treinamento em condição de dupla tarefa foi eficaz na melhora das funções motoras, isoladamente ou simultaneamente a tarefas motoras ou cognitivas secundárias, ocasionando melhor desempenho motor e funcional dos parkinsonianos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanna Barros Gonçalves, Setor de Distúrbios do Movimento, Serviço de Neurologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE/UERJ), Rio de Janeiro - RJ. Brasil

Graduada em Fisioterapia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2005), Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco do Rio de Janeiro (2007) e Doutora em Neurociências pela Universidade Federal Fluminense do Rio de Janeiro (2013). Foi Supervisora de Estágio na Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade Salgado de Oliveira/JF (2006-2007) e da Faculdade Estácio de Sá/JF (2008-2009). Atuou como Coordenadora do curso de Graduação em Fisioterapia da Faculdade Estácio de Sá/JF (2009-2011), onde coordenou também os cursos de Pós-graduação em Fisioterapia (2009-2011). Atualmente é Professora das disciplinas de Recursos Terapêuticos Manuais, Projeto de Monografia, Fisioterapia Reumatológica, Avaliação Cinético-funcional, Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia, Fisioterapia Esportiva e Tópicos Regionais em Fisioterapia na Faculdade Estácio de Sá/JF, integrante do Núcleo Docente Estruturante (NDE) e Colegiado do curso de Fisioterapia, membro do Corpo Editorial da Revista Estação Científica, Coordenadora Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) e Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FES/JF

Ingrid de Souza Costa, Setor de Distúrbios do Movimento, Serviço de Neurologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE/UERJ), Rio de Janeiro - RJ. Brasil

Possui Graduação em Fisioterapia pela Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora (2011). Especialista em Docencia no Ensino Superior pela Universidade Cidade de São Paulo-UNICID (2012). Atualmente é professor e supervisor de estágio na Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora, atuando na área de Fisioterapia Neurofuncional e Saúde da Criança.

João Santos Pereira

Setor de Distúrbios do Movimento, Serviço de Neurologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto / Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE/UERJ), Rio de Janeiro - RJ. Brasil

Referências

AZULAY, J.; MESURE, S.; BLIN, O. Influence of visual cues on gait in Parkinson’s disease: Contribution to attention or sensory dependence? Journal of the Neurological Sciences, v. 248, p. 192-195, 2006.

BARBOSA, J. M. M. et al. Efeitos da realização simultânea de tarefas cognitivas e motoras no desempenho funcional de idosos da comunidade. Revista Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.4, p. 374-379, 2008.

BERTOLUCCI et al. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral - Impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatria, v. 52, n. 1, p.1-7, 1994.

BRUCKI, S. M. D. et al. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arquivo Neuropsiquiatria, v. 61, n. 3B, p. 777-781, 2003.

CAMARGOS et al. O impacto da doença de Parkinson na qualidade de vida: Uma revisão de literatura. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v.8, n.3, p. 267-272, 2004.

CÂNDIDO, D. P. et al. Análise dos Efeitos da Dupla Tarefa na Marcha de Pacientes com Doença de Parkinson: Relato de Três Casos. Rev Neurocienc, v. 20, n. 2, p.240-245, 2012.

CAPATO, T. T. C. Eficácia de um programa de treinamento motor para melhora do equilíbrio associado a pistas rítmicas e suas repercussões na marcha e aspectos não motores de pacientes portadores de Doença de Parkinson. 151f. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

DIAS et al. Treino de marcha com pistas visuais no paciente com Doença de Parkinson. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v.18, n.4, p. 43-51, 2005.

FELIPPE, L. A. et al. Funções executivas, atividades da vida diária e habilidade motora de idosos com doenças neurodegenerativas. J Bras Psiquiatr, v.63, n.1, p. 39-47, 2014.

GONÇALVES L. H. T.; ALVAREZ A. M.; ARRUDA M.C. Pacientes portadores de Doença de Parkinson: significado de suas vivências. Acta Paul Enferm, v. 20, n.1, p.62-68, 2007.

GOULART, F.; PEREIRA, L. X. Uso de escalas para avaliação da doença de Parkinson em fisioterapia. Revista Fisioterapia e Pesquisa, Belo Horizonte, v. 11, n. 1, p. 50, 2004.

HAASE, D. C. B. V.; MACHADO, D. C.; OLIVEIRA, J.G.D. Atuação da fisioterapia no paciente com doença de Parkinson. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v.21, n.1, p.79-85, 2008.

MACEDO, L. S.; MAKI, T.; QUAGLIATO, E. Influence of visual and auditory cues in patients with Parkinson´s disease. In: XVIII World Congress of Parkinon´s Disease and Related Disorders, 2009, Miami Beach. Parkinsonism & Related Disorders, v. 15, p. S87-S87, 2009.

MARTÍNEZ-MARTÍN P. et al. Unified Parkinson’s Disease Rating Scale characteristics and structure. Movement Disorders, v. 9, n. 1, p.76-83, 1994.

MARTINS, I. P. M. et al. Efeitos da Intervenção Fisioterapêutica na Manutenção e/ou Recuperação em Portadores da Doença de Parkinson sobre a capacidade Funcional e Qualidade de Vida. Revista Neurobiologia, Recife, v.72, n.2, p. 33-41, 2009.

MATA, F. A. F.; BARROS A .L. S.; LIMA C. F. Avaliação do risco de quedas em pacientes com Doença de Parkinson. Revista Neurociência, São Paulo, v.16, n.1, p. 20-24, 2008.

MIZUTORI, F. et al. O ensaio motor na recuperação funcional de portadores da doença de Parkinson: Revisão de literatura. Revista neurociência, São Paulo, v.18, n.1, p. 109-115, 2010.

OKAMOTO, E. Comparação entre os efeitos do treino motor isolado e do treino motor em condição de dupla tarefa, sobre a marcha e a atenção, em idosos saudáveis e pacientes com doença de Parkinson. 122f. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

PODSIADLO D.; RICHARDSON S. The Timed Up & Go: A test of basic functional mobility for frail elderly persons. Journal of the American Geriatrics Society, v. 39, n.2, p.142-8, 1991.

PRADO, A. L. C. et al. Análise das manifestações motoras, cognitivas e depressivas em pacientes com doença de Parkinson. Revista Neurociência, São Paulo, v.16, n.1, p. 10-15, 2008.

RIBEIRO, M. et al. Validação da Versão Brasileira da Medida de Independência Funcional - Validation of the Brazilian version of Functional Independence Measure. Acta Fisiatria, São Paulo, v. 11, n.2, p. 72-76, 2004.

RIES, J. D. et al. Test-retest reliability and minimal detect able change scores for the timed “up and go” test, the six minute walk test, and gait speed in people with Alzheimer’s disease. Physical Therapy, v. 89, n.6, p.569-79, 2009.

SHENKMAN, M. L. et al. Spinal movement and performance of standing reach task in participants with and without Parkinson disease. Physical Therapy, v. 81, p.1400-11, 2001.

SILVA, F. S. et al. Evolução da doença de Parkinson e comprometimento na qualidade de vida. Revista Neurociência, São Paulo, v.18, n.4, p. 463-468, 2010.

STELLA, et al. Early impairment of cognitive functions in Parkinson’s disease

Arq Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 65, n. 2-B, p. 406-410, 2007

SOUZA, C. B. Efeitos de um treinamento em condição de dupla-tarefa sobre o

desempenho motor e a habilidade de dividir a atenção em pacientes com doença de Parkinson. 180f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

TEIXEIRA, N. B.; ALOUCHE, S.R. O Desempenho da dupla tarefa na Doença de Parkinson. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 2, p. 127-132, 2007.

Downloads

Publicado

2015-10-05

Como Citar

1.
Gonçalves GB, Costa I de S, Pereira JS. Influência do treino de dupla tarefa no desempenho motor e funcional de parkinsonianos. hu rev [Internet]. 5º de outubro de 2015 [citado 27º de janeiro de 2023];41(1 e 2). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2499

Edição

Seção

Artigos Originais