A Comissão de Revisão de Óbitos e sua importância na Gestão em Saúde: estudo dos óbitos dos pacientes internados no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora ocorridos entre os anos de 2009 e 2012

Autores

  • Katia de Lima Passos Ferreira Hospital Universitário da UFJF
  • Lourival Batista de Oliveira Júnior Faculdade de Economia da UFJF
  • Adriana de Souza Sérgio Ferreira Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Oncologia
  • Cassimiro Baesso Junior Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Infectologia
  • Sonia Maria Neumann Cupolilo Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Patologia
  • Thais de Andrade Almeida Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Patologia
  • Bárbara Fernandes de Sousa CAED - UFJF.

Palavras-chave:

Estatísticas de Saúde. Mortalidade Hospitalar. Políticas Públicas de Saúde.

Resumo

As Comissões Hospitalares destacam-se como ferramentas de gestão, promovendo a produção de indicadores relevantes, contribuindo para tomada de decisões e melhoria dos serviços prestados. Nesse sentido, a Comissão de Revisão de Óbitos do Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF) atua visando avaliar a cronologia dos eventos que culminaram com a morte de pacientes internados em suas dependências, a fim de identificar as causas de morte mais frequentes e rastrear possíveis condutas inadequadas que possam ter contribuído para o desfecho.

Este artigo analisa os óbitos de pacientes no HU-UFJF, ocorridos no período de 2009 e 2012, a partir das informações colhidas em prontuários médicos pelos membros da Comissão. Para tal, foi realizada uma análise retrospectiva, por meio da revisão de 285 prontuários médicos, anotando-se as informações relevantes em um formulário previamente elaborado. Observou-se que as neoplasias foram responsáveis por 14% dos óbitos, AIDS e suas complicações por 13%, pneumonia, 12%, doenças do fígado, 10%, doenças crônicas das vias aéreas inferiores, 7%, doenças do coração, 6%, doenças cerebrovasculares, 6%, complicações relacionadas ao tratamento da insuficiência renal, 6% e outras causas não identificadas responderam por 27% dos óbitos. Assim, através deste trabalho, foi possível comprovar a importância da Comissão de Óbitos em auxiliar os gestores a estabelecerem estratégias de educação continuada dos profissionais de saúde que atuam no Hospital, visando a melhoria da qualidade do atendimento aos seus pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katia de Lima Passos Ferreira, Hospital Universitário da UFJF

Administradora no Hospital Universitário da UFJF. Formada em Residencia de Gestão Hospitalar no HU-UFJF. Formada em Administração pela Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora

Lourival Batista de Oliveira Júnior, Faculdade de Economia da UFJF

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1985), mestrado em EDUCAÇÃO pela FACULDADE DE EDUCAÇÃO/UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA (2003) e doutorado (2010) em Administração pelo PPGA/UFLA (área de gestão social). É conselheiro regional do Conselho Regional de Economia (MG) e conselheiro suplente do Conselho Federal de Economia (COFECON), professor universitário, membro do corpo permanente do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA - PPGP, Diretor da Faculdade de Economia da Universidade Federal de Juiz de Fora e coordenador do programa de residência em gestão hospitalar do hospital universitário da UFJF. Tem experiência na área de Economia e gestão, com ênfase em desenvolvimento econômico, atuando principalmente nos seguintes temas: universidade, provão, ensino superior; desenvolvimento local, capital social, planejamento estratégico, administração pública e políticas públicas (educação e saúde).

Adriana de Souza Sérgio Ferreira, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Oncologia

Possui graduação em medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1991), Residência Médica em Radioterapia pelo Instituto Nacional de Câncer ,INCA-RJ (1995), Título de especialista em Radioterapia pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (1996), Mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2010). Atualmente é Médica Oncologista efetiva do Hospital Universitário da UFJF, Presidente da Comissão de óbitos do HU-UFJF, Coordenadora do Setor de Radioterapia do Instituto Oncológico-Hospital 9 de Julho, Radio-oncologista do Hospital Maria José Baeta Reis (ASCOMCER) e do Serviço de Braquiterapia de próstata do Hospital Monte Sinai. Tem experiência na área de Radio-oncologia, com ênfase em radioterapia dos tumores ginecológicos, tumores urológicos e tumores de cabeça e pescoço, atuando principalmente nos seguintes temas: radioterapia, braquiterapia, câncer de próstata, tumores ginecológicos e tumores de cabeça e pescoço.

Cassimiro Baesso Junior, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Infectologia

Mestre em Letras pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora. Especialista em Anestesiologia pela Universidade de São Paulo - USP. Especialista em Doenças Infecto-Parasitárias pela Universidade de São Paulo - USP. Graduado em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.

Sonia Maria Neumann Cupolilo, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Patologia

Graduada em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1983), mestrado em Biologia Parasitária pela Fundação Oswaldo Cruz na área de concentração de Imunologia (1997) e doutorado em Biologia Parasitária, na área de Patologia, pela Fundação Oswaldo Cruz (2002). Atualmente é professora associada de Patologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora, e Chefe do Departamento de Patologia. Atua como médica citopatologista e anatomopatologista e desenvolve atividades de pesquisa principalmente nos seguintes temas: anatomia patológica, dermatopatologia, câncer cervical uterino, citopatologia patologia experimental e Leishmania amazonensis.

Thais de Andrade Almeida, Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Patologia

Membro da Comissão de Óbitos do HU-UFJF; Professora Assistente Faculdade de Medicina UFJF; Mestre em Ciências da Saúde pela UERJ; Médica Patologista pela UERJ; Graduação em Medicina pela UFJF.

Bárbara Fernandes de Sousa, CAED - UFJF.

Professora Tutora do Programa Nacional de Administração Pública; Mestre em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis; Especialista em Direito Público; Graduação em Direito pela UFJF e em Administração pela Faculdade Metodista Granbery - Juiz de Fora, MG.
 

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Legislação Estruturante do SUS/ Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2007.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. Resolução CFM nº 1.638/02, de 09 de Agosto de 2002. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2002/1638_2002.htm. Acesso em 26 de Fevereiro de 2016.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Funcionamento das Comissões Hospitalares Metropolitanas que funcionam sob a gestão do IMIP. Processo-Consulta CFM nº 45/11, Parecer CFM nº 04/13, de 10 de Janeiro de 2013. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CFM/2013/4_2013.pdf. Acesso em 18 de Fevereiro de 2016.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Comissão de Óbito tem atividade exclusiva e funções específicas, sendo obrigatória nos estabelecimentos hospitalares públicos e privados. Parecer CFM nº 20/15, de 22 de Maio de 2015. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CFM/2015/20_2015.pdf. Acesso em 18 de Fevereiro de 2016.

CARVALHO, L. F. Serviços de Arquivo Médico e Estatística de um Hospital. São Paulo, LTr, Editora da Universidade de São Paulo, 1973.

MARTINS, C. et al. Comissões Hospitalares: A Produção de Indicadores de Gestão Hospitalar. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS. São Paulo, v. 1, no. 1, p. 97-107, jan/jun 2012.

MEZZOMO, A. A. Serviço do prontuário do paciente: organização e técnica. São Paulo: Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde, 1982.

MALTA, D.C et al. Atualização da Lista de causas mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Brasília, v. 19, no. 2, p. 173-176, abr/jun, 2010.

WATSON, J. A. Role of a multimodal educational strategy on health care workers handwashing. American Journal of Infection Control. Huntington, v. 15, dez, 2015.

Downloads

Publicado

2016-08-22

Como Citar

1.
Ferreira K de LP, Oliveira Júnior LB de, Sérgio Ferreira A de S, Junior CB, Cupolilo SMN, Almeida T de A, de Sousa BF. A Comissão de Revisão de Óbitos e sua importância na Gestão em Saúde: estudo dos óbitos dos pacientes internados no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora ocorridos entre os anos de 2009 e 2012. hu rev [Internet]. 22º de agosto de 2016 [citado 30º de novembro de 2022];42(1). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2462

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)