Características sociodemográficas e psicossociais de trabalhadores relacionadas ao uso de álcool

  • Nayara Baptista Silva Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maira Leon Ferreira Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Laisa Marcorela Andreoli Sartes Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Alcoolismo, Ambiente de trabalho, Impacto Psicossocial, Características da População, Prevenção

Resumo

Introdução: O consumo abusivo de álcool acompanha os indivíduos durante a idade economicamente ativa, sendo a causa de diversos problemas no ambiente de trabalho. Objetivos: Este estudo teve como objetivo avaliar a relação entre o consumo de álcool e características sociodemográficas e psicossociais de trabalhadores do setor metalúrgico. Metodologia: Foram selecionados, por conveniência, 104 dos 120 trabalhadores de uma empresa de médio porte do setor metalúrgico, sendo que, deste total dezesseis foram excluídos por não estarem presentes nos dias das entrevistas ou por falta de disponibilidade no dia da aplicação dos testes. Os instrumentos utilizados na coleta de dados foram: (1) o AUDIT (Alcohol Disorders Identification Test) para avaliar o padrão de consumo de álcool e comparar os funcionários usuários e não usuários de álcool; (2) a área médica do ASI6 (Addiction Severity Index 6), para associar outras questões de saúde com o uso de álcool; (3) o URICA (University of Rhode Island Change Assessment Scale), para analisar o estágio de motivação para mudança dos usuários de risco e (4) questionário de dados sociodemográficos e questões sobre o álcool, para descrever a amostra. Resultados: Os resultados demonstram que, quanto ao padrão de uso de álcool, 75% dos participantes pontuaram como uso de baixo risco de álcool, 21,2% como uso nocivo e 3,8% como dependência. Observou-se que a maioria da amostra afirmou ter consumido álcool nos últimos meses (61 trabalhadores/ 58,7%). Conclusão: Como a maioria dos funcionários entrevistados fazia uso de álcool e, destes, a maior parte fazia uso episódico excessivo do álcool, padrão denominado de binge drink, fica evidenciada a necessidade das empresas de investirem em programas de prevenção e tratamento, reduzindo os riscos de acidentes de trabalho e problemas como absenteísmo e queda de produtividade.

Biografia do Autor

Nayara Baptista Silva, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Fedeal do Rio de Janeiro

Maira Leon Ferreira, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora

Laisa Marcorela Andreoli Sartes, Departamento de Psicologia, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora da Universidade Federal de Juiz de Fora

Referências

Fonseca FF. Conhecimentos e opiniões dos trabalhadores sobre o uso e abuso de álcool. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017; 11(4):599- 604. DOI: 10.1590/S1414-81452007000400007

Araújo AS, Lobo F. Alcoolismo em contexto organizacional. 2013. [cited 2015 Jun 29] Available from: http://hdl.handle.net/10400.14/17036

World Health Organization [WHO]. Global status report on alcohol and health. Genebra: World Health Organization; 2011.

Faculty of Public Health [FPH]. Alcohol & Public Health. 2008.

Neves KC, Teixeira MLO, Ferreira MA. Fatores e motivação para o consumo de bebidas alcoólicas na adolescência. Esc Anna Nery. 2015; 19(2):286-91.

Mangueira SO, Guimarães FG, Mangueira JO, Fernandes AFC, Lopes MVO. Promoção da saúde e políticas públicas do álcool no Brasil: revisão integrativa da literatura. Psicologia & Sociedade. 2015; 27(1):157-68. DOI: 10.1590/1807-03102015v27n1p157

Laranjeira R, Madruga CS, Pinsky I, Caetano R, Ribeiro M, Mitsuhiro S. II levantamento nacional de álcool e drogas. São Paulo: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas de Álcool e Outras Drogas (INPAD)/ UNIFESP; 2014.

Organização Internacional do Trabalho [OIT]. Problemas ligados ao álcool e outras drogas no local de trabalho: uma evolução para a prevenção. Genebra: Organização Internacional do Trabalho, 2003.

Grant BF, Goldstein RB, Saha TD, Chou P, Jung J, Zhang H, Hasin DS. Epidemiology of DSM-5 alcohol use disorder results from the national epidemiologic survey on alcohol and related conditions III. JAMA Psychiatry. 2015; 72(8):757-66. DOI: 10.1001/jamapsychiatry.2015.0584.

Gavioli A, Mathias TAF, Rossi RM, Oliveira MLF. Risco relacionado ao consumo de drogas em homens trabalhadores da construção civil. Acta Paul Enferm. 2014; 27(5):471-8. DOI: 10.1590/1982-0194201400077

Cunha NO, Giatti L, Assunção AA. Factors associated with alcohol abuse and dependence among public transport workers in the metropolitan region of Belo Horizonte. International Archives of Occupational and Environmental Health. 2016; 89(6):881-90. DOI: 10.1007/s00420-016-1124-8

Oxenburgh M, Marlow P. The productivity assessment tool: computer-based cost benefit analysis model for the economic assessment of occupational health and safety interventions in the workplace. Journal of Safety Research. 2005; 36:209-14. DOI: 10.1016/j.jsr.2005.06.002

Mangado EO, Gúrpide AM. Consumo de alcoholy otras drogas en el medio laboral. Med Segur Trab. 2008; 54(213)25-32.

Struckel RC. Uso de drogas e impacto no ambiente de trabalho: desenvolvimento de protocolo de atendimento para servidores públicos. [Dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2017.

Prochaska JO, Di Clemente C. (1992). Stages of change in the modification of problem behaviors. In: Hersen EM, Eiser M, Miller W. Progress in behavior modification. Sycamore: Sycamore Press; 1992.

Branco AB, Mascarenhas FAN, Pena LGQ. Alcoolismo como fator de incapacidade para o trabalho: prevalência de benefício auxílio doença no Brasil, 2007. Comunicação em Ciênciasv da Saúde. 2009; 20(2):123-34.

Botella JM. La incidencia de las drogas en el medio laboral de la comunidad de Madrid. Observatorio Drogodependencias. 2006.

U.S. Department of Health and Human Services. Results from the 2007 national survey on drug use and health: national findings. Rockville: Department of Health and Human Services; 2008.

Babor TH, Higgins-Biddle JC, Saunders JB, Monteiro MG. AUDIT: teste de identificação de problemas relacionados ao uso de álcool: roteiro para uso em atenção primária. Ribeirão Preto: PAI-PAD; 2003.

Kessler F, Cacciola J, Alterman A, Faller S, Souza-Formigoni ML, Cruz MS, Brasiliano S, Pechansky F. Psychometric properties of the sixth version of the Addiction Severity Index (ASI-6) in Brazil. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2012; 34(1):24-33. DOI: 10.1590/S1516-44462012000100006

Figlie NB, John D, Jorge LB, Laranjeira R. The stages of change scale among Brazilian alcohol dependents. Addictive Disorders & Their Treatment. 2005; 4(4):161-5. DOI: 10.1097/01.adt.0000186366.77296.66

Barros DR, Carvalho EAB, Almeida MR, Rodrigues CA. Alcoolismo no contexto organizacional: uma revisão bibliográfica. Psicologia em foco. 2009; 2(1):48-57.

Nunes JM, Campolina LR, Vieira MA, Caldeira AP. Consumo de bebidas alcoólicas e prática do binge drinking entre acadêmicos da área da saúde. Rev Psiq Clín. 2012; 39(3):94-9. DOI: 10.1590/S0101-60832012000300005

Reis GG, Nakata LE. Modelo transteórico de mudança: contribuições para o coaching de executivos. Revista Brasileira de Orientação Profissional. 2010; 11(1);61-72.

Prochaska JM, Prochaska JO, Levesque DA. A transtheoretical approach to changing organizations. Administration and Policy in Mental Health. 2001; 28(4):247-61. DOI: 10.1023/A:1011155212811

Sanchez ZVDM, Oliveira LG, Nappo SA. Razões para o não-uso de drogas ilícitas entre jovens em situação de risco. Revista de Saúde Pública. 2005; 39(4):599-605. DOI: 10.1590/S0034-89102005000400013

Sartes LMA, De Micheli D, Souza-Formigoni MLO. Psychometric and discriminative properties of the Teen Addiction Severity Index (Brazilian Portuguese version). European Child and Adolescent Psychiatry. 2009; 18:653–61. DOI: 10.1007/s00787-009-0021-z

Sanchez ZVDM, Oliveira LG, Nappo SA. Fatores protetores de adolescentes contra o uso de drogas com ênfase na religiosidade. Ciência e Saúde Coletiva. 2004; 9(1):43-55. DOI: 10.1590/S1413-81232004000100005

Sanchez ZVDM, Nappo SA. A religiosidade, a espiritualidade e o consumo de drogas. Revista de Psiquiatria Clínica. 2007; 34(Supl 1):73-81. DOI: 10.1590/S0101-60832007000700010

Silva LVER, Malbergier A, Stempliuk VA, Andrade AG. Fatores associados ao consumo de álcool e drogas entre estudantes universitários. Revista de Saúde Pública. 2006; 40(2):280-8. DOI: 10.1590/S0034-89102006000200014

Francis LJ, Fearn N, Lewis CA. The impact of personality and religion on attitudes toward alcohol among 16–18 year olds in Northern Ireland. Journal of Religion and Health. 2005; 44(3):267-89. DOI: 10.1007/s10943-005-5464-z

Publicado
2019-11-07
Como Citar
Silva, N. B., Ferreira, M. L., & Sartes, L. M. A. (2019). Características sociodemográficas e psicossociais de trabalhadores relacionadas ao uso de álcool. HU Revista, 45(2), 140-147. https://doi.org/10.34019/1982-8047.2019.v45.16917
Seção
Artigos Originais