• Levinas às margens do político - palavra, justiça, ética, alteridade
    v. 22 n. 1 (2019)

    Onde a palavra perde a palavra não há mais porvir e não há mais política. É preciso palavra, aliás. Resiste-se.  A edição da Revista Ética e Filosofia Política que aqui se apresenta nutre-se dessa resistência, conferindo para tanto homenagem a Emmanuel Levinas (1906-1995), que é notadamente um dos pensadores mais importantes do século XX.

  • Perspectivas sobre a Filosofia da Linguagem na Idade Média - II
    v. 3 n. 21 (2018)

    O SEGUNDO RENASCIMENTO

    As três escolas mais importantes do século XII na latinidade (Escola de Chartres, Escola Claustral de Saint Victor e a Escola Abelardiana) têm como característica principal um interesse crescente pelas artes do trivium (gramática, dialética e retórica). Esse evento denota uma evidente atração por questões relativas às artes da linguagem que, no cruzamento com a redescoberta do pensamento aristotélico, vai favorecer reflexões originais e profundas quanto à essência da linguagem.

  • Perspectivas sobre a Filosofia da Linguagem na Idade Média - I
    v. 2 n. 21 (2018)

    A APROPRIAÇÃO LATINA DA HERANÇA GREGA

    O número que aqui apresentamos pretende ser uma contribuição para o despertar da consciência de o quanto o pensamento filosófico medieval é rico e fértil no quesito da linguagem.

  • Filosofia Clássica Alemã
    v. 1 n. 21 (2018)

    Os textos desta edição abarcam uma saudável diversidade de perspectivas e autores, correspondentes ao escopo monumental da produção filosófica dos anos 1780 a 1830, que engloba o romantismo, o idealismo e outras reações à filosofia kantiana.

  • Fenomenologia e Direito
    v. 2 n. 20 (2017)
    Neste volume buscamos evidenciar como a relação entre Fenomenologia e Direito perpassa toda a tradição fenomenológica e segue viva até os dias de hoje.
  • Husserl e sua herança fenomenológica
    v. 1 n. 20 (2017)

    A questão sobre o sentido do ser em geral ainda não foi respondida a contento e, por certo, jamais o será em definitivo; a fenomenologia revela ser-no-mundo em seu sendo e, assim, perfaz o trabalho sempre já iniciado e ainda sempre por fazer, de revelar ser.

  • Poder e limite da linguagem na Filosofia Antiga
    v. 2 n. 19 (2016)

    Como pensar as relações, nem sempre pacíficas, por vezes até mesmo conflitantes, entre filosofia e linguagem, a partir do amplo espectro de reflexões que nos oferece a filosofia grega antiga?

  • Filosofia prática e seus fundamentos
    v. 1 n. 19 (2016)

    Filosofia prática é apenas um sinônimo para a filosofia enquanto tal, não fragmentada, não compartimentada em recortes textuais e temas isolados, espraiando-se da fundamentação última do posto do homem no cosmos à minuciosa instrumentalização sociopolítica de seu agir e existir.

  • O Homem e a Cidade na Filosofia Antiga
    v. 2 n. 18 (2015)

    A investigação acerca da natureza humana e de sua relação com a cidade marcou profundamente a tradição filosófica da Antiguidade Greco-Romana. Platão, Aristóteles, Plotino e Sêneca são alguns representantes dessa tradição “Antiga”, mas não devem ser considerados pensadores do passado, visto a atualidade de suas obras.

  • Teologia, antropologia e ética no pensamento de Santo Agostinho
    v. 1 n. 18 (2015)

    A entrada do Deus revelado na cena da filosofia altera radicalmente as categorias gregas, tais como a noção de bem e de mal. Consequentemente, ela transforma profundamente o pensamento ocidental no que diz respeito a Deus e ao homem, exigindo que a filosofia repense uma nova antropologia e uma nova ética.

  • A Filosofia do Direito
    v. 2 n. 17 (2014)

    Abrir mão da reflexão filosófica é renunciar à possibilidade de enxergá-lo como algo mais que um complexo de normas, é não se permitir vê-lo também como uma tarefa ao alcance de cada um de nós.

  • Filosofia Britânica dos séculos XVII e XVIII
    v. 1 n. 17 (2014)

    A filosofia britânica produzida nos séculos XVII e XVIII abrange temas que passam por quase todas as áreas da filosofia, definindo contornos decisivos para futuras abordagens no campo da filosofia política, da ética, da teoria do conhecimento e da estética.

  • Convergências Fenomenológicas
    v. 2 n. 16 (2013)

    Como os dados sensoriais se revestem de formas que se prestam a significações partilhadas e que fazem com que cada coisa seja o que seja apesar da diversidade de suas aparências?

  • Direitos Humanos e Empresas
    v. 1 n. 16 (2013)
    Esta edição da Revista reúne os trabalhos apresentados durante um conjunto de eventos que ocorreram na Faculdade de Direito da UFJF, em fevereiro de 2013, organizados pelo Projeto “Direitos Humanos e Empresas”. Estas atividades compreenderam um Seminário homônimo, um curso ministrado pelo Professor Sheldon Leader, da Universidade de Essex e coordenador do Projeto Business and Human Rights, da mesma Instituição, além de um workshop, para divulgação de estudos de casos de violações de Direitos Humanos por empresas transnacionais, que desta vez realizou-se em um dos auditórios da OAB do Rio de Janeiro.
  • Os princípios no Direito: em busca da justificativa axiológica
    v. 2 n. 15 (2012)

    A locução “princípios” é adotada para designar quaisquer valores comunitários que justifiquem a coerção pelo direito. Valemo-nos dela como ponto de partida para esta edição da Revista “Ética e Filosofia Política”, destinada a explorar as mais diversas imbricações do direito com os valores que o fundamentam.

  • Direito e Políticas Públicas
    v. 1 n. 15 (2012)
    Este dossiê procura reunir artigos com uma abordagem empírica. Os trabalhos que ora apresentamos exploram diferentes métodos de pesquisa explicitando as relações entre o Direito e a produção da ação do Estado através das políticas públicas.
  • Direito e Arte
    v. 2 n. 14 (2011)
    Este volume de Ética e Filosofia Política pretende pensar o direito a partir da arte e a arte a partir do direito, buscando, por meio de artigos instigantes e audaciosos, não somente uma relação, mas uma verdadeira conexão entre essas duas formas de cultura.
  • Conectando a Pragmática
    v. 1 n. 14 (2011)
    Esta edição filosófica de Ética e Filosofia Política é toda dedicada a uma pragmática aplicada (como se ela não o fosse sempre) presente, de modo indireto e latente, nos artigos aqui publicados, perfazendo momentos vértices da filosofia medieval e contemporânea, incluindo a filosofia da educação.
  • Diálogo entre Direito Internacional e Relações Internacionais na Atualidade
    v. 2 n. 13 (2011)
    Esta edição tem como temática central o diálogo entre Direito Internacional e Relações Internacionais, evidenciando os desafios comuns aos dois campos normativos e teóricos, notadamente, a partir da Segunda Guerra Mundial.
  • Direito e Hermenêutica
    v. 1 n. 13 (2011)
    A inteligibilidade da linguagem e da realidade são princípios compatíveis, desde a Idade Média, e desaguam, hoje, no agir comunicativo, ou no princípio dialógico da intercomunicação viva e vivenciada, que encontra no Direito, a sua extensão social.
  • Sociologia e Direito
    v. 2 n. 12 (2010)
    Esta nova edição de Ética e Filosofia Política quer ser um espaço interdisciplinar onde ninguém possui a última palavra, ninguém fala sem ser escutado, onde a informação como expressão, como mensagem do evento em nosso mundo é comunicada em teia, da qual nosso leitor faz parte; e como a integra!
  • Pensar é Preciso
    v. 1 n. 12 (2010)
    Nesta edição filosófica quer-se afirmar: pensar, mais do que plausível, é preciso. O mundo das ideias, desde Platão, se nos impõe e se articula, na modernidade, com a filosofia transcendental de Kant, a partir da qual, enfrenta, crítica e exaustivamente, as investidas históricas de sua desconstrução. Em nossa era, a da linguística e do analitismo filosófico, o “a priori”, do pensamento tem sido colocado em xeque; propugna-se o advento do fim da metafísica. Diante do dogmatismo do falar sobre o pensar um novo criticismo em prol de uma nova síntese, não se faria necessário?
  • 2ª Edição Jurídica
    v. 2 n. 11 (2009)
    Nesta segunda edição jurídica de Ética e Filosofia Política, nosso editorial quer discutir a relevância da pesquisa para as ciências jurídicas, não só por existir uma conexão intrínseca entre a pesquisa e a operação do Direito, mas pela necessidade, esta também intrínseca, de se implementar um procedimento com fundamento e com nível.
  • 1ª Edição Jurídica
    v. 1 n. 11 (2008)
    Esta primeira edição está dedicada à Teoria do Direito, ao Direito Constitucional, ao Direito Internacional e finaliza com duas crônicas.
  • Edição Especial Heidegger
    v. 2 n. 10 (2007)

    O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, na sua área de concentração em Filosofia da Religião, através do Grupo de Pesquisa em Heidegger, coordenado pelo nosso querido Professor Dr. Paulo Afonso Araújo, vem-nos brindar com a publiacação de seis artigos sobre um dos maiores pensadores do século XX, para comemorar os oitenta anos de “O Ser e o Tempo”.

##common.pagination##