NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: AÇÕES E ESTRATÉGIAS UTILIZADAS PARA A IMPLANTAÇÃO EM UM COMPLEXO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

  • Camila Rinco Alves Maia Enfermeira. Pós-graduanda em Gestão em Saúde e Segurança do Paciente. Grupo Santa Casa de Belo Horizonte. E-mail: camilarinco@outlook. com.br
  • Juliana Silveira Teixeira Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
  • Glaucio de Oliveira Nangina Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Amanda Santos Dittz Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
  • Marcia dos Santos Pereira Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.

Resumo

Objetivo: relatar o processo de implantação do Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) em um complexo hospitalar do estado de Minas Gerais, Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 36 de 2013. Métodos: os dados foram coletados utilizando como métodos a análise documental e observação participante. Visando discutir as ações e estratégias utilizadas, os dados coletados foram organizados em um quadro comparativo, confrontando-se aos requisitos descritos na regulamentação vigente que norteou a implantação do NSP. Resultados e discussões: a análise dos dados evidenciou que o complexo hospitalar desenvolveu ações e estratégias para a implantação do NSP, sustentando-se de fato, nos requisitos da RDC nº36. Considerações finais: o envolvimento e articulação da alta direção e gestores do serviço de saúde mostrou-se fundamental para viabilizar a realização de ações voltadas à segurança do paciente. Palavras-chave: Segurança do paciente. Hospitais. Assistência à saúde.

Biografia do Autor

Camila Rinco Alves Maia, Enfermeira. Pós-graduanda em Gestão em Saúde e Segurança do Paciente. Grupo Santa Casa de Belo Horizonte. E-mail: camilarinco@outlook. com.br
Enfermeira. Pós-graduanda em Gestão em Saúde e Segurança do Paciente. Grupo Santa Casa de Belo Horizonte. E-mail: camilarinco@outlook. com.br
Juliana Silveira Teixeira, Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
Glaucio de Oliveira Nangina, Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais
Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais
Amanda Santos Dittz, Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
Marcia dos Santos Pereira, Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.
Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde e professora da Escola da UFMG. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

1. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Assistência Segura: uma reflexão teórica aplicada à prática. 1 ed. Brasília, 2013.
2. Wachter RM. Compreendendo a segurança do
paciente. 2 ed. Porto Alegre: AMGH; 2013.
3. Reis CT, Martins M, Laguardia J. A segurança do paciente como dimensão da qualidade do cuidado de saúde: um olhar sobre a literatura. Ciência & Saúde Coletiva [internet]. 2013 [acesso em 2016 Fev 20]; 18(7). Disponível em: http://www.scielo.br/
4. Minuzz AP, Salum NC, Locks, MOH. Avaliação da cultura de segurança do paciente em terapia intensiva na perspectiva da equipe de saúde. Texto & Contexto Enfermagem [internet]. 2016 [acesso em 2016 Jul 23]; 25(2). Disponível em: http://www.scielo.br/
5. Brasil. Portaria nº 529, de 1º de abril de 2013. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 02 de abr. 2013. [acesso em 25 Jul 2016]. Disponível em: http://portal.in.gov.br
6. Brasil. Resolução da Diretoria Colegiada nº 36, de 25 de julho de 2013b. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 jul. 2013. [acesso em 10 Nov 2015]. Disponível em: http://portal.in.gov. br/
7. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Implantação do Núcleo de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde. 1 ed. Brasília, 2014.
8. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. 1 ed. Brasília, 2014.
9. Relatório Anual e Balanço Social do Grupo Santa Casa BH [internet]. Belo Horizonte: GSCBH; 2011. [acesso em 2016 Fev. 15]. Disponível em: http://www.santacasabh.org.br/ files/downloads/relatorio_de_gestao-0.pdf
10. Souza J, Kantorski LP, Luis MAV. Análise documental e observação participante na pesquisa em saúde mental. Revista Baiana de Enfermagem [internet]. 2011[acesso em 2016 Jul 24]; 25 (2). Disponível em: http://www. portalseer.ufba.br/
11. Oliveira AAP. Análise documental do processo de capacitação dos multiplicadores do projeto “Nossas Crianças: Janelas de Oportunidades”” no município de São Paulo à luz da promoção da saúde. [Dissertação na internet]. São Paulo; 2007/ [acesso em 2016 Jul 24]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/ disponiveis/7/7137/tde-17052007-101339/ptbr.php
12. Marconi MA, Lakatos EM. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2011.
Publicado
2018-04-12
Como Citar
Maia, C. R. A., Teixeira, J. S., Nangina, G. de O., Dittz, A. S., & Pereira, M. dos S. (2018). NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: AÇÕES E ESTRATÉGIAS UTILIZADAS PARA A IMPLANTAÇÃO EM UM COMPLEXO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Revista De Enfermagem Da UFJF, 2(2). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/enfermagem/article/view/3877
Seção
Artigos Originais