REFLEXÕES SOBRE PRÁTICA CLÍNICA E INVESTIGATIVA DE ENFERMEIROS DURANTE COLETA DE DADOS: ALICERCES COMUNICACIONAIS PARA TRAUMA VASCULAR PERIFÉRICO

  • Michele Nakahara Melo Enfermeira. Mestranda em Enfermagem da FACENF-UFJF.
  • Cristina Arreguy sena Enfermeira. Doutora e professora do Programa de Mestrado em Enfermagem da FACENF-UFJF.
  • Zuleyce Maria Lessa Pacheco Enfermeira. Doutora e professora do Programa de Mestrado em Enfermagem da FACENF-UFJF
  • Hérica Silva Dutra Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem Dinter Unicamp-UFJF. Professora da FACENF-UFJF.

Resumo

Objetivos: refletir sobre as possibilidades de utilização de ferramentas comunicacionais por enfermeiros ao coletar dados na busca por evidências de manifestações de trauma vascular periférico em sua prática clínica e investigativa realizada numa disciplina de Mestrado em Enfermagem. Métodos: trata-se de uma reflexão sobre as possibilidades de utilização de ferramentas comunicacionais por enfermeiros, ao coletar dados na busca por evidências de manifestações de trauma vascular periférico em sua prática clínica. Discussões: a diversidade de formas de captar as manifestações de trauma vascular, quando identificada precocemente, possibilita nortear as ações profissionais, documentar evidências de trauma por meio de investigações, reduzir a evolução do trauma para formas avançadas com gerenciamento de riscos, humanizar e individualizar o cuidado de enfermagem. Conclusão: recomenda-se a triangulação de técnicas com inclusão de parâmetros comunicacionais na prática clínica e investigativa.

Biografia do Autor

Michele Nakahara Melo, Enfermeira. Mestranda em Enfermagem da FACENF-UFJF.
Enfermeira. Mestranda em Enfermagem da FACENF-UFJF.
Cristina Arreguy sena, Enfermeira. Doutora e professora do Programa de Mestrado em Enfermagem da FACENF-UFJF.
Enfermeira. Doutora e professora do Programa de Mestrado em Enfermagem da FACENF-UFJF.
Zuleyce Maria Lessa Pacheco, Enfermeira. Doutora e professora do Programa de Mestrado em Enfermagem da FACENF-UFJF
Enfermeira. Doutora e professora do Programa de Mestrado em Enfermagem da FACENF-UFJF
Hérica Silva Dutra, Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem Dinter Unicamp-UFJF. Professora da FACENF-UFJF.
Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem Dinter Unicamp-UFJF. Professora da FACENF-UFJF.

Referências

1. Krempser P. Trauma vascular periférico em urgência: impacto após implantação de bundle [Dissertação]. Juiz de Fora: Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora; 2013.
2. Avelar RN, Arreguy-Sena C. Survey of clinical manifestations of peripheral vascular trauma in children admitted to pediatric wards. Online Brazilian Journal of Nursing. 2013;12(3):45161.
3. Arreguy-Sena C. A trajetória de construção e validação dos diagnósticos de enfermagem “Trauma vascular” e “Risco para trauma vascular” [Tese de Doutorado]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2002.
4. Herdman H, Kamitsuru S. NANDA International. Nursing Diagnoses: Definitions and classification 2015-2017. Tenth Edition ed. Oxford: Wliley Blackwell; 2014.
5. Silva RNA. Validação clínica do diagnóstio “Trauma vascular periférico” em crianças de 6 meses a 12 anos. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora; 2012.
6. Krempser P, Arreguy-Sena C, Barbosa APS. Características definidoras de trauma vascular periférico em urgência e emergência: ocorrência e tipos. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2013;17(1):24-30.
7. Littlejohn SW. Fundamentos teóricos da comunicação humana. Trad Álvaro Cabral ed. Rio de Janeiro: Zahar Editora; 1991.
8. Jordan Z. Editorial. Revista de Enfermagem Referência. Abr/Mai/Jun/2015;4(5):16.
9. Silva MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. 4 ed. São Paulo: Loyola; 2006.
10. Silva AC. As teorias: do signo e das significações linguísticas. São Paulo: P@rtes; 2011.
11. Formozo GA, Oliveira DC, Costa TL, Gomes AMTA. As relações interpessoais no cuidado em saúde: uma aproximação ao problema. Jan/Mar 2012;20(1):124-7.
12. Oliveira DV. Processo de punção de vasos periféricos em adultos: diversidade de experiênecias e representação social [Dissertação]. Juiz de Fora: Faculdade de Enfermagem UFJF; 2013.
13. Queiroz CMQ, Arreguy-Sena C, Krempser PK, Leonel M, Melo LDd. Triangulação de métodos na representação social: autopunção de drogas em (ex)usuários soropositivos para HIV. R. Enferm. Cent. O. Min. 2014; 3(4):1229-1247. 14. INS. Infusion Nurse Society. Infusion Nursing Standards of Practice. Journal of Infusion Nursing. jan/feb 2016;39(1S):1458-533.
15. Arreguy-Sena C, Krempser P, Avelar Silva RN, Oliveira DV. Punção de vasos e paleta cromática: subsídio para pesquisa e prática clínica de enfermeiros. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. 2013.
16. Arreguy-Sena C, Carvalho ECd. Superficial peripheral vein type classification of adolescents, adults and elderly according to the Delphi technique. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2008;16:86-94.
17. Pinto PF. Envelhecimento ativo, capacidade funcional e atividade física: análise de fatores que contextualizam o processo de envelhecimento e sua percepção por parte de pessoas idosas [Tese de Doutorado]. Lisboa (PT): Universidade Nova de Lisboa; fev/2014.
18. McEwen M, Wills EM. Bases teóricas para Enfermagem. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2016. 608p
Publicado
2018-04-12
Como Citar
Melo, M. N., sena, C. A., Pacheco, Z. M. L., & Dutra, H. S. (2018). REFLEXÕES SOBRE PRÁTICA CLÍNICA E INVESTIGATIVA DE ENFERMEIROS DURANTE COLETA DE DADOS: ALICERCES COMUNICACIONAIS PARA TRAUMA VASCULAR PERIFÉRICO. Revista De Enfermagem Da UFJF, 2(2). Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/enfermagem/article/view/3876
Seção
Artigo de Reflexão